Carta da Diretoria Colegiada da Ancine

18/01/2012 07:25

No Brasil e no mundo, o cinema e o audiovisual passam por mudanças aceleradas. O processo de convergência digital e a expansão da banda larga, entre outras inovações tecnológicas, desenham um cenário radicalmente diferente daquele no qual foi criada a Agência Nacional do Cinema, há 10 anos. Novos e importantes desafios se apresentam para a regulação do audiovisual, na medida em que cresce o reconhecimento da importância estratégica dessa atividade como vetor de desenvolvimento econômico e cultural.

A ANCINE tem como horizonte o crescimento sustentado da indústria e a ocupação do nosso mercado por conteúdos nacionais diversificados, que espelhem os valores e os modos de ser dos brasileiros e se comuniquem com todos os públicos – um audiovisual pujante e plural, que vá de A a Z, e que seja acessível a toda a sociedade brasileira.

Ao longo da última década, foram muitos os avanços nesse sentido, o que se deve em parte à política pública implementada pela Agência em sua missão de fomentar, regular e fiscalizar a atividade audiovisual no país. Em permanente diálogo com os agentes econômicos e com a sociedade, a ANCINE atuou decisivamente na modernização da legislação do audiovisual, na
formulação de novos mecanismos de fomento que premiam a qualidade e o desempenho e na criação um programa de expansão de nosso parque exibidor.

E, por meio do Fundo Setorial do Audiovisual, começamos a escrever um novo capítulo na história das relações entre o Estado e a indústria audiovisual no Brasil. O FSA recupera para o poder público a capacidade de decidir onde alocar diretamente seus recursos e inclui linhas de investimento retornável, que contemplam de forma articulada todos os elos da cadeia produtiva.

Em 2011, após quatro anos de intensos debates no Congresso nacional, foi sancionada a Lei 12.485, que estabelece um novo marco regulatório para a TV por assinatura, abrindo o mercado para novos agentes e, ao mesmo tempo, induzindo o fortalecimento das nossas empresas e a valorização da produção independente. Caberá agora à ANCINE a regulamentação e a implementação dessa lei, de forma a garantir que os objetivos de crescimento e diversificação previstos sejam efetivamente alcançados.

Vivemos hoje a expectativa de crescimento de três segmentos do mercado audiovisual de forma especial: o cinema, em que as oportunidades de investimento em salas e na produção e distribuição de filmes são ascendentes; na TV por Assinatura, em que a base de assinantes estimada dobrou nos últimos três anos e deverá novamente duplicar nos próximos três; e no vídeo por demanda, em que os empreendimentos dos varejistas eletrônicos têm se avolumado em 2011 e devem se manter nos próximos anos. Além disso, estamos em pleno processo de implantação da TV digital, que deve atingir uma parcela cada vez maior da população.

Em 2012, a ANCINE dará também continuidade e aprimoramento às ações já existentes, pois os novos desafios que surgem se somam aos antigos, ainda não inteiramente superados. Precisamos ampliar o nosso parque de salas de cinema, sobretudo nas regiões Norte e Nordeste, nos pequenos municípios de todo o país e nas periferias dos grandes centros urbanos. Precisamos estabelecer mais parcerias entre o cinema e a televisão, aberta e fechada, fundamentais para o desenvolvimento da indústria em todos os países. Precisamos garantir que cada vez mais brasileiros tenham acesso a cada vez mais conteúdos nacionais, que falem a sua língua e reflitam a sua imagem.

Por tudo isso, hoje é possível afirmar que os principais aspectos da atividade cinematográfica e audio­visual no Brasil já foram de alguma forma abordados pela ANCINE. Temos consciência de que o nosso mercado ainda pode crescer muito, se pensarmos no tamanho da economia e da população brasileiras. E é preciso ter em mente que a política pública do cinema e do audiovisual é objeto de uma construção permanente, que depende da participação e do empenho de todos – Estado, sociedade, agentes do mercado – para ter resultados.

Diante de um futuro que a tecnologia enche de incertezas e oportunidades, em nome da Diretoria Colegiada posso garantir que a Agência Nacional do Cinema não medirá esforços para enfrentar esses desafios.

fonte:http://www.culturaemercado.com.br

Compartilhas Noticia

Tags

Comentários

Comentários

Escrever Comentário

41018

Subscribe to see what we're thinking

Subscribe to get access to premium content or contact us if you have any questions.

Subscribe Now