Estad?o ganha Pr?mio Vladimir Herzog de 2011 - Jornalista Leonencio Nossa (texto) e Celso Junior (fotografia), da sucursal de Bras?lia

20/10/2011 12:32

O caderno Guerras desconhecidas do Brasil, publicado em dezembro pelo jornal O Estado de S. Paulo, conquistou a edição 2011 do Prêmio Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos, o mais tradicional concedido no País a reportagens que denunciam violação de direitos civis e políticos. O anúncio coincidiu com a entrega do Prêmio de Excelência Jornalística da Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP), ontem, no Peru. A investigação revelou que 556 civis foram mortos em 32 revoltas populares no século 20.

 

O Prêmio Vladimir Herzog homenageia o jornalista que passou pelo Estadão, pela BBC e pela TV Cultura e foi morto pela ditadura militar. Na passagem pelo Estadão, em 1960, Herzog atuou na instalação da sucursal em Brasília. É a primeira vez que o prêmio que leva seu nome é concedido a profissionais que trabalham no escritório que ajudou a criar: Guerras desconhecidas do Brasil foi elaborado por Leonencio Nossa (texto) e Celso Junior (fotografia), da sucursal de Brasília, e José Eduardo Barella (edição), Fábio Sales (criação gráfica) e Farrel (ilustração). O jornal recebeu o Vladimir Herzog por melhor reportagem em 1981, com o caso Riocentro e, no ano seguinte, com reportagem sobre fraude em laudos médicos.

 

A denúncia contra a repressão de tropas legais contra civis e os princípios de defesa dos direitos do homem levaram o júri a escolher Guerras desconhecidas do Brasil por unanimidade. A investigação de 17 meses emocionou o júri, segundo fontes do concurso. Ao premiar o caderno, o júri da SIP já disse que era a "melhor investigação da década", ultrapassando "os critérios de excelência jornalística".

 

O trabalho também recebeu o Prêmio de Jornalismo Investigativo do Instituto Prensa y Sociedad (IPYS) na votação popular e o Prêmio José Hamilton Ribeiro de Jornalismo, também oferecido pelo Sindicato dos Jornalistas de São Paulo. Especialistas do jornalismo também elogiaram o caderno. "É um mergulho no Brasil profundo e melancólico, com um olhar e sonoridades de Euclides da Cunha que a direção do jornal teve a ousadia de reviver e bancar", escreveu Alberto Dines, no site Observatório da Imprensa. "É uma investigação que aciona sensações que a imprensa há tempos trocou pelos estrondos sem resultados e pela banalidade inconsequente."

 

 

 

 

Fonte:http://www.dgabc.com.br

Compartilhas Noticia

Tags

Comentários

Comentários

Escrever Comentário

12707

Subscribe to see what we're thinking

Subscribe to get access to premium content or contact us if you have any questions.

Subscribe Now