'A pior situação humanitária que já vi': os relatos de médico que foi atender os yanomami André Biernath - @andre_biernath Da BBC News Brasil em Londres

'A pior situação humanitária que já vi': os relatos de médico que foi atender os yanomami André Biernath - @andre_biernath Da BBC News Brasil em Londres.FONTE>https://www.bbc.com/portuguese/brasil-64365655

23/01/2023 15:33

 

  • Da BBC News Brasil em Londres
Lula coloca a mão na cabeça de uma criança indígena

CRÉDITO,RICARDO STUCKERT/PR

Legenda da foto,

Em visita ao território yanomami, Lula diz que a situação é 'desumana'

O médico tropicalista André Siqueira, do Instituto Nacional de Infectologia da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), estava em terras yanomami desde segunda-feira (16/1). Nos últimos dias, ele diz ter testemunhado "a pior situação de saúde e humanitária" que já viu.

Enviado ao local pela Organização Pan-Americana de Saúde (Opas-OMS), o especialista em malária visitou o polo-base de Surucucu, em Roraima, e passou por outras comunidades da região.

"Nosso objetivo era fazer um diagnóstico rápido da situação e criar um plano de ação para mitigar ou resolver essas questões, em parceria com o Ministério da Saúde e as lideranças yanomami", contextualiza o médico, em entrevista à BBC News Brasil.

"O que vimos foi uma situação muito precária em termos de saúde, com pacientes acometidos por desnutrição grave, infecções respiratórias, muitos casos de malária e doenças diarreicas. Junto a isso, uma escassez de equipes e de estrutura", relata.

Siqueira diz que se deparou com casos de desnutrição extrema em famílias inteiras. Emocionado, o médico confessou que é muito difícil enfrentar essa situação, que classifica como "catastrófica" e "desastrosa".

"Presenciar na prática esse nível de sofrimento é muito pesado. Na hora a gente encara e vai no automático. Mas depois, quando cai a ficha, vemos como é uma situação difícil."

"A gente compara com nossos filhos. Vemos os pais, as crianças e toda a comunidade sofrendo. E, mesmo diante de tanta dificuldade, há um senso de coletividade muito grande. Mesmo as pessoas com fome, quando recebem algum alimento, tentam dividir com quem está ali", completa.

Pule Instagram post, 1

Final de Instagram post, 1

Pule Podcast e continue lendo
Podcast
Logo: Brasil Partido
Brasil Partido

João Fellet tenta entender como brasileiros chegaram ao grau atual de divisão.

Episódios

Fim do Podcast

O aumento de casos e mortes por desnutrição e malária na reserva indígena yanomami ligou o sinal de alerta do governo federal e motivou um decreto de Emergência de Saúde Pública neste território.

Ao lado de uma comitiva de ministros e secretários, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) fez uma visita à região no sábado (21/1) e classificou a situação como "desumana".

O Ministério da Saúde anunciou uma série de ações para tentar controlar a crise — como a instalação de um hospital de campanha e o envio de insumos e profissionais de saúde.

Já o Ministério da Justiça determinou a abertura de um inquérito para "apurar o crime de genocídio" na região.

O governo calcula que 570 crianças yanomami morreram nos últimos quatro anos.

Mas como a situação dos yanomami chegou a este ponto? Entenda a seguir os principais elementos que ajudam a explicar esse cenário de crise sanitária — e o que está sendo feito para revertê-lo.

A maior reserva indígena do Brasil

Segundo o Instituto Socioambiental (ISA), a terra indígena yanomami é habitada por oito povos, possui cerca de 26,7 mil habitantes e compreende uma área de 9,6 milhões de hectares (o equivalente a 13,8 mil campos de futebol).

Ela foi homologada e reconhecida pelo governo brasileiro em 1992, por meio de um decreto assinado pelo então presidente Fernando Collor (PTB).

O território está localizado entre os Estados de Roraima e Amazonas ao norte, na divisa de Brasil e Venezuela.

Entre os povos que habitam o local, estão os yanomami, os ye'kwana, os isolados da Serra da Estrutura, os isolados do Amajari, os isolados do Auaris/Fronteira, os isolados do Baixo Rio Cauaburis, os isolados Parawa u e os isolados Surucucu/Kataroa.

O ISA também destaca quatro "riscos potenciais e problemas existentes" na terra indígena yanomami: os garimpeiros, os pescadores, os caçadores e os fazendeiros.

Entre essas ameaças, o garimpo se tornou uma das grandes preocupações dos habitantes da região e de especialistas no tema.

O relatório Yanomami Sob Ataque, publicado em abril de 2022 pela Hutukara Associação Yanomami e pela Associação Wanasseduume Ye'kwana, com assessoria técnica do ISA, faz um balanço da extração ilegal de ouro e outros minérios nessa região.

"Sabe-se que o problema do garimpo ilegal não é uma novidade na TIY [Terra Indígena Yanomami]. Entretanto, sua escala e intensidade cresceram de maneira impressionante nos últimos cinco anos. Dados do MapBiomas indicam que a partir de 2016 a curva de destruição do garimpo assumiu uma trajetória ascendente e, desde então, tem acumulado taxas cada vez maiores. Nos cálculos da plataforma, de 2016 a 2020 o garimpo na TIY cresceu nada menos que 3.350%", aponta o texto.

O levantamento das associações mostra que, em outubro de 2018, a área total destruída pelo garimpo somava pouco mais de 1.200 hectares.

"Desde então, a área impactada mais do que dobrou, atingindo em dezembro de 2021 o total de 3.272 hectares", continua a publicação.

Pista de pouso em terra yanomami que é usada por garimpeiros ilegais

CRÉDITO,GETTY IMAGES

Legenda da foto,

Pista de pouso em terra yanomami que é usada por garimpeiros ilegais

Segundo os autores, há vários motivos para essa expansão, como "o aumento do preço do ouro no mercado internacional", "a falta de transparência na cadeia produtiva do ouro", "a fragilização das políticas ambientais e de proteção a direitos dos povos indígenas" e "o agravamento da crise econômica e do desemprego no país", entre outros.

O texto também chama a atenção para o fato de que "o garimpo dos dias atuais é uma atividade financiada por empresários com alta capacidade de investimento e que concentram a maior parte da riqueza extraída ilegalmente da floresta yanomami".

Por fim, o relatório das associações aponta que o avanço do garimpo sobre as terras indígenas está atrelado a "perdas consideráveis" na qualidade de vida dos moradores da região, com pioras nos indicadores de violência, saúde e suporte social.

O Atlas da Violência 2021, produzido pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), revela que Roraima — onde fica parte da terra yanomami — tem uma das maiores taxas de violência letal contra indígenas, ao lado de Amapá, Rio Grande do Norte e Mato Grosso do Sul.

E a saúde?

Em resumo, as associações indígenas da região apontam que o garimpo ilegal está relacionado a três impactos imediatos na saúde da população.

Em primeiro lugar, "a atividade garimpeira ilegal está associada à maior incidência de doenças infectocontagiosas entre as comunidades indígenas, em especial a malária".

Siqueira explica que os garimpeiros circulam por muitas áreas e costumam usar medicamentos contrabandeados que até minimizam os sintomas de malária, mas não eliminam o parasita do organismo deles.

"Eles acabam se tornando uma fonte de dispersão [do patógeno], pois carregam o protozoário causador da doença para regiões que até têm o mosquito transmissor, mas estavam com a situação controlada", diz o médico.

Mosquito anopheles

CRÉDITO,GETTY IMAGES

Legenda da foto,

O mosquito Anopheles é o responsável por transmitir o protozoário causador da malária

Em segundo lugar, a exploração dos minérios depende do uso de mercúrio, um composto tóxico que contamina a água e os alimentos consumidos pelas pessoas. A exposição a essa substância está relacionada a uma série de prejuízos à saúde, como doenças neurológicas em recém-nascidos.

Terceiro, as entidades relatam que "a situação de insegurança generalizada imposta pelo aumento da circulação de garimpeiros armados nas diferentes regiões da TIY tem causado transtornos ao atendimento à saúde das comunidades indígenas, com o total abandono de postos de saúde em alguns casos e, inclusive, a ocupação das pistas comunitárias para a operação e abastecimento do garimpo".

"Também é comum a queixa do desvio de medicamentos reservados para os indígenas para o atendimento de garimpeiros."

Siqueira acrescenta que, se a malária for diagnosticada e tratada em até 48 horas desde o início dos sintomas, é possível reduzir a transmissão para outras pessoas.

"Mas isso não está acontecendo na prática. O garimpo desmobiliza as equipes de profissionais, que não conseguem mais buscar os pacientes infectados e trazê-los para os polos de saúde", relata.

A junção desses vários fatores engatilhados pelo garimpo — aumento de casos de malária, falta de acesso à comida ou água potável e redução de serviços de saúde — ajuda a explicar as imagens compartilhadas nos últimos dias, que mostram crianças, adultos e idosos desnutridos e em estado crítico de saúde.

O relatório publicado pelo ISA cita o exemplo do que aconteceu no polo-base do Arathau, próximo ao rio Parima.

"Em 2020, foram realizados 11,2 mil atendimentos de saúde neste polo, e, em 2021, o número caiu para 2.800", comparam os autores.

Compartilhas Noticia

Tags

Comentários

Comentários

Escrever Comentário

77075

Subscribe to see what we're thinking

Subscribe to get access to premium content or contact us if you have any questions.

Subscribe Now