MSF lan?a an?lise interna sobre ataque ao hospital de Kunduz, no Afeganist?o.Foto: MSF

O documento revela uma vis?o de dentro do hospital antes, durante e ap?s os ataques a?reos - See more at: http://www.msf.org.br/noticias/msf-lanca-analise-interna-sobre-ataque-ao-hospital-de-kunduz-no-afeganistao#sthash.ETQxpWPJ.dpuf

23/11/2015 12:54

-- 

Foto: Victor J. Blue

A organização humanitária internacional Médicos Sem Fronteiras (MSF) lançou a público hoje um documento interno que analisa os ataques aéreos de 3 de outubro perpetrados por forças dos Estados Unidos (EUA) contra seu hospital em Kunduz, no norte do Afeganistão. A análise cronológica dos acontecimentos, durante e imediatamente após os ataques aéreos, não mostra razões que justifiquem o ataque ao hospital. Não havia combatentes armados ou confrontos dentro ou a partir do complexo hospitalar.

análise interna de MSF descreve pacientes queimando em seus leitos, profissionais médicos que foram decapitados e perderam seus membros, e outros que foram atingidos por tiros disparados de caças enquanto fugiam do prédio em chamas. Ao menos 30 pessoas foram mortas, incluindo 13 profissionais, 10 pacientes e 7 corpos que ainda não foram identificados.

“A visão de dentro do hospital é que este ataque foi conduzido com a finalidade de matar e destruir”, disse Christopher Stokes, diretor-geral de MSF. “Mas nós não sabemos o porquê. Não temos a visão da cabine de comando, nem do que aconteceu nas cadeias de comando militares norte-americanas e afegãs.”

As conclusões iniciais da análise de MSF estabelecem firmemente os fatos a partir de uma visão de dentro do hospital nos dias que antecederam e durante o ataque. A análise inclui os detalhes do fornecimento das coordenadas geográficas e o histórico de chamadas telefônicas de MSF para autoridades militares, em uma tentativa de parar os bombardeios. MSF havia chegado a um acordo com todas as partes do conflito para que respeitassem a neutralidade do hospital, com base no direito internacional humanitário.  

Uma das entradas do ambulatório foi totalmente destruída pelas chamas (Foto: Andrew Quilty)“Nós mantivemos nossa parte no acordo – o centro de trauma de MSF em Kunduz estava funcionando plenamente como um hospital com cirurgias em andamento no momento dos ataques aéreos dos EUA”, disse a Dra. Joanne Liu, presidente internacional de MSF. “A política de Médicos Sem Fronteiras que proíbe a entrada de armas foi respeitada e a equipe do hospital estava em pleno controle da instalação antes e na hora dos bombardeios.”

Entre os 105 pacientes presentes no momento dos ataques aéreos, MSF estava tratando combatentes feridos de ambos os lados do conflito em Kunduz, assim como mulheres e crianças.

“Alguns relatórios públicos estão afirmando que o ataque ao nosso hospital poderia ser justificado porque estávamos tratando talibãs”, disse Christopher Stokes. “Segundo o direito internacional, combatentes feridos são pacientes, e devem ser poupados de ataques e tratados sem discriminação. Profissionais médicos jamais devem ser punidos ou atacados por estarem oferecendo tratamento a combatentes feridos.”

documento, parte de uma análise, ainda em andamento, conduzida por MSF sobre os acontecimentos, é baseado em 60 entrevistas com profissionais nacionais e internacionais de MSF que trabalharam no centro de trauma de 140 leitos; informações públicas e internas; fotos do hospital antes e depois do bombardeio; correspondência por e-mail; e registros de ligações telefônicas.

“O ataque destruiu nossa capacidade de tratar os pacientes no momento em que eles mais precisam”, disse a Dra. Joanne Liu. “Um hospital em funcionamento que presta cuidados a pacientes não pode, simplesmente, perder seu status de proteção e ser atacado.”

- See more at: http://www.msf.org.br/noticias/msf-lanca-analise-interna-sobre-ataque-ao-hospital-de-kunduz-no-afeganistao#sthash.ETQxpWPJ.dpuf

Médicos sem Fronteiras ou Médecins sans Frontières (MSF) é uma organização internacional, não governamental e sem fins lucrativos que oferece ajuda médica e humanitária a populações em situações de emergência, em casos como conflitos armados,catástrofes, epidemias, fome e exclusão social. É a maior organização não governamental de ajuda humanitária do mundo, na área da saúde.

MSF proporciona também ações de longo prazo, na ajuda a refugiados, em casos de conflitos prolongados, instabilidade crônica ou após a ocorrência de catástrofes naturais ou provocadas pela ação humana. A organização foi criada com a ideia de que todas as pessoas têm direito a tratamento médico, e que essa necessidade é mais importante do que as fronteiras nacionais (com base na tese do direito de ingerência humanitária).

MSF recebeu o Nobel da Paz de 1999, como reconhecimento do seu combate em favor da ingerência humanitária. Atualmente, a organização atua em mais de 70 países e tem como presidente o Dr. Unni Karunakara.

 

Fundação 20 de dezembro de 1971
Tipo Organização internacional
Propósito Ajuda humanitária de urgência a vítimas deconflitos armadosepidemias,catástrofes e exclusão.
Sede Genebra Suíça
Membros 26.000
Presidente Unni Karunakara
Fundador Marcel Delcourt, Max Récamier, Gérard Pigeon,
Bernard Kouchner, Raymond Borel, Jean Cabrol,
Vladan Radoman, Jean-Michel Wild,
Pascal Grellety Bosviel, Jacques Bérès,
Gérard Illiouz, Philippe Bernier, Xavier Emmanuelli
Organização Jérôme Oberreit, Secretário-geral
Sítio oficial http://www.msf.org/

Compartilhas Noticia

Tags

Comentários

Comentários

Escrever Comentário

41708

Subscribe to see what we're thinking

Subscribe to get access to premium content or contact us if you have any questions.

Subscribe Now