Bolsonaro altera a Lei Rouanet e preocupa setor artístico.Foto:REUTERS/Ueslei Marcelino

Entre as principais alterações esta a autonomia do governo federal para tomar decisões sobre os conteúdos projetos contemplados.FONTE:www.terra.com.br

28/07/2021 17:22

 O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) publicou nesta terça-feira, 27, no Diário Oficial da União, um decreto que regulamenta e estabelece a sistemática de execução do Programa Nacional de Apoio à Cultura (Pronac), conhecido popularmente como Lei Rouanet. Entre as principais alterações estão a ênfase aos projetos de belas artes e arte sacra e uma maior autonomia do governo para tomar decisões a respeito dos projetos contemplados.

"Assinamos o decreto que regulamenta o Programa Nacional de Apoio à Cultura. O instrumento objetiva uma gestão eficiente, com controle de prestação de contas — e traz inédita valorização de Belas Artes e Arte Sacra", afirmou o presidente por meio de uma rede social nesta terça-feira, 27. 

Está gostando da notícia? Fique por dentro das principais notícias de Entretenimento
Ativar notificações
 

Na prática, a arte sacra já era parte das manifestações culturais que podiam receber recursos via renúncia fiscal, mas o decreto ordena a inclusão de especialistas em arte sacra na Comissão Nacional de Incentivo à Cultura (CNIC), que decide os projetos aptos a captar recursos por meio da Lei Rouanet. 

10/03/2021
REUTERS/Ueslei Marcelino
10/03/2021 REUTERS/Ueslei Marcelino
Foto: Reuters

O decreto também dá ao presidente da CNIC o poder de tomar decisões sobre os projetos sem consultar os demais integrantes. A CNIC se reuniu pela última vez em abril e, após o fim do mandato de seus membros, um novo edital para compor a comissão ainda não foi lançado. Com isso, as decisões ficam a cargo do secretário de Fomento e Incentivo à Cultura da Secretaria Especial de Cultura, André Porciuncula Alay Esteves, capitão da PM da Bahia. Ele é subordinado ao secretário especial de Cultura, Mário Frias.

 

Para o presidente da Associação dos Produtores de Teatro (APTR), Eduardo Barata, as mudanças promovidas pelo governo na Lei Rouanet são "preocupantes". Por meio de nota enviada ao Estadão, Barata analisou: "Na primeira leitura observamos mudanças no controle do patrocinador; vedação de destinação de novo incentivo em projeto anteriormente subsidiado; aumento do poder de decisão dos Secretários de Cultura e de Fomento; e a indicação dos membros da Comissão Nacional de Incentivo à Cultura deverá contemplar as áreas de arte sacra e belas artes."

Barata afirmou ainda que a APTR fará uma análise mais profunda do decreto, mas considerou o documento um "preocupante indício de dirigismo, censura e perseguição".

Compartilhas Noticia

Tags

Comentários

Comentários

Escrever Comentário

52623

Subscribe to see what we're thinking

Subscribe to get access to premium content or contact us if you have any questions.

Subscribe Now