Kali Yuga - do fot?grafo Olivier Bo?ls e antrop?loga Lena Tosta

09/06/2011 19:56

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Lenavir.

 


Lena Tosta e Olivier Boëls

 

Lena e Olivier.

 

 

SOBRE A PESQUISA
Desde 1998, a antropóloga Lena Tosta (PPGAS/UnB - Bolsista do CNPq) e o fotógrafo Olivier Boëls pesquisam juntos na Índia com sadhus, conhecidos na literatura como santos ou ascetas hindus. A primeira produção etnofotográfica desta pesquisa, intitulada Cinzas Sagradas, recebeu o prêmio Pierre Verger de Antropologia Visual de 2002. Totalizando 11 meses de pesquisa de campo com uma nova incursão em 2006, buscamos aprofundar diálogos com nossos interlocutores sobre a contemporaneidade como eles a percebem, Kali Yuga.

Kali Yuga
Nagas e aghoris são linhagens de sadhus conhecidas por integrar à experiência do sagrado o contato deliberado com tudo o que é proscrito, o ‘profano’ da hegemonia bramânica. A morte, o sexo, a intoxicação, a violência, a carne humana e os socialmente excluídos, em vez de afastados em nome da pureza, são incorporados às práticas espirituais.
Kali Yuga, nossa atualidade de fragmentação do conhecimento, aceleração de ritmos e enaltecimento da sensorialidade é a “era das trevas”, uma época de confusão cognitiva e deslizamento de sentidos. Inspirados nos aspectos mais transgressores de Shiva, sadhus nagas e aghoris encarnam o trickster em Kali Yuga, herói dissidente que restabelece a harmonia do cosmos ao desafiar a ordem de um universo fenomênico decaído. Assim, contextualizada na relatividade de Kali Yuga, estes sadhus reforçam uma percepção de “Hinduismo” como um sistema aberto e plural de práticas voltadas para a construção de uma olhar não-dualista.


A maestria sobre o tempo permite transpor os limites de jiva, a “consciência” socialmente individualizada, submetida a ordens biológicas e sociais contingentes – entre elas a morte - pela sua própria ignorância.

Alguns preferem seguir “atalhos” para a liberação: Maharaj Amar Bharti é um dos últimos praticantes vivos da “austeridade” urdhva-bahu, ele mantém o braço direito erguido há três décadas.

Através de sua “lente tântrica”, Hari Bharti lança um olhar sobre a “era da ignorância”.

Ao recapturar o estado atemporal de indiferenciação anterior à cosmogonia do mundo fenomênico, o praticante vence toda ilusão de alteridade. Em tal estado, os seres percebem-se não apenas como iguais, como na utopia humanista, mas como o mesmo, Brahman.

Não-dualidade com uma pitada de humor: rosário e cigarro são ofertados ao “lingam sagrado”.

Vestido com o manto que cobre os mortos, Sundaram Aghori Baba é servido chá no seu kapal de crânio humano.

Aghori sadhus como Kitcheri Baba ingerem substâncias consideradas “impuras” e “perigosas” pela ortodoxia hindu: álcool, excrementos, venenos ou, neste caso, carne humana. Ele deixou o campo de cremação de mãos dadas com as crianças locais.

Rajeshvar Ram reformou as práticas de sua linhagem aghori; aboliu a simbologia de enfrentamento da morte para buscar contato direto com outra “alteridade extrema”, a sociedade na era de Kali.

Tendo sido impedidos de freqüentar este templo Shivaista por poderosos Brâmanes, sadhus nagas rogaram-lhe uma praga. Desde então, o templo tem afundado lentamente no Rio Ganges.

Para um olhar não-iniciado, o ritual do dhuni pode parecer um simples encontro social em que sadhus conversam, fumam e tomam chá.

Longe da solitude, Maharaj Amar Bharti cumpre outro voto, o de professor. Suas lições “mântricas” - 14 horas diárias de discurso quase incessante - estão permanentemente abertas à comunidade.

Vivendo ao lado de um campo de cremação, acompanhado apenas de suas três caveiras, Satyanand Giri é um aghori que surpeende: mantém uma dieta “pura”, faz serviço social (seva) e não perde a novela “Eu quero ser Miss Índia”.

Atuando como propiciador de forças criativas, Mahadev Satyanand Giri pode ser considerado um xamã.

Cheio de ambiguidade, a performance de um sadhu no “mercado” é constantemente avaliada para determinar sua autenticidade.

O Samadhi de um irmão Bharti foi considerado auspicioso: o naga sadhu deixou o corpo na “noite de Shiva”, em território sagrado shivaita, o Monte Girnar. Fotos de partes do ritual funerário foram feitos a pedido da família.

Se a iniciação é um rito funerário, a morte de um grande mestre significa a liberação do ciclo de vidas e mortes.

 

 


 

 

 

Compartilhas Noticia

Tags

Comentários

Comentários

Escrever Comentário

58670

Subscribe to see what we're thinking

Subscribe to get access to premium content or contact us if you have any questions.

Subscribe Now