Entenda como o exercício físico ajuda no tratamento de câncer

Oncologista brasiliense fala sobre a importância da atividade física de pacientes em tratamento e no resgate da autoestima

14/02/2019 15:32

 A disseminação de estudos com informações sobre a importância de alinhar exercício físico e tratamento de câncer vêm se multiplicando no Brasil. O lado bom disso, é que essas informações têm mudado a cara do tratamento da doença no país. De acordo com pesquisa realizada pelo Departamento de Medicina Preventiva da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP), em parceria com a Universidade de Harvard, Universidade de Cambridge e Universidade de Queensland, cerca de 10 mil novos casos de câncer, entre eles o de mama e o de cólon, poderiam ser evitados no Brasil se houvesse mais adesão à prática da atividade física entre a população. 
Ademais, a prática de atividade física alinhada à alimentação saudável, realizada dentro dos limites de cada pessoa, resgata não somente a confiança do paciente no tratamento, mas também a autoestima. No Distrito Federal, a Médica Oncologista Ludmila Thommen, ressalta que além dos benefícios no tratamento da doença, a atividade física libera serotonina, que aumenta a sensação de bem-estar. 

“Hoje em dia, o paciente em tratamento, tem livre acesso aos vários estudos existentes que refletem sobre a atividade tanto na prevenção como no aumento na tolerância à quimioterapia e a redução do risco de recidiva em vários tipos de câncer”, conta Ludmila. De acordo com a oncologista, não há restrições à atividade física, recomenda-se apenas que seja intensificada de forma gradual de acordo como o limite cada paciente, levando em consideração a rotina de exercício estabelecia antes do diagnóstico. E, diga-se de passagem, os cuidados são redobrados se o paciente era sedentário.

“Sempre digo para meus pacientes que a prática de atividades físicas, durante o tratamento, pode ajudar a minimizar dores, contribuindo para o fortalecimento muscular e energético”, afirma. A médica diz que entre as atividades mais recomendadas em seu consultório para quem está tratando o câncer, está o pilates, hidroginástica, academia. De acordo com a especialista, o exercício tem o poder de melhorar a ansiedade, a depressão e elevar a autoestima. Colabora para a redução do estresse, reeducação postural, aumento da força muscular, alongamento e flexibilidade muscular. Além disso, a atividade melhora ainda o equilíbrio e a resistência cardiopulmonar. Mas vale lembrar que existem algumas limitações nos pacientes oncológicos que precisam ser respeitadas e avaliadas pelo profissional da área de saúde. 

A profissional de educação física da Unidade de Reabilitação do Hospital Universitário (HuB), Lidiane Gomes, conta que progresso em pacientes vítimas de câncer de mama é notório. Ela diz que o trabalho em grupo é realizado logo a após a liberação da fisioterapia e que os exercícios ajudam a melhorar e manter a flexibilidade do membro afetado. E que os alongamentos gerais e fortalecimento muscular consequentemente aumentam o nível de condicionamento físico de cada paciente. “A ideia é proporcionar uma qualidade de vida maior para as pacientes. Durante as aulas em grupo, podemos acompanhar a evolução da melhora em relação as dores e ao cansaço de cada uma. A atividade também ajuda na socialização entres as pacientes que se sentem abertas para trocar informações sobre a doença”, diz.

Além disso, Lidiane afirma que a atividade física durante o tratamento de câncer já é cientificamente comprovada, e que ajuda a minimizar o desconforto da fadiga sistêmica causada pela doença. Ao contrário do que muitas pessoas pensam durante o tratamento, a intenção não é que a pessoa fique de repouso, e sim que fique ativa para que elas percebam mais os resultados.

Vale salientar que de acordo com estimativa do Instituto Nacional de Câncer (INCA), o câncer de mama é o tipo mais comum entre as mulheres brasileiras depois do câncer de pele não melanoma. A estimativa é de que neste ano, serão cerca de 60 mil novos casos da doença. Estima-se que 20% a 50% dos pacientes com câncer de mama em estágio inicial cheguem à fase metastática.
 

Compartilhas Noticia

Tags

Comentários

Comentários

Escrever Comentário

4118

Subscribe to see what we're thinking

Subscribe to get access to premium content or contact us if you have any questions.

Subscribe Now