?Brasil sem Mis?ria? de Ivaldo Cavalcante.

31/05/2011 17:28

Imagens de Ivaldo Cavalcante mostram o lado obscuro e pobre de Brasília

A capital do Brasil surgiu dos traços de Oscar Niemeyer e Lúcio Costa, encomendados por um político controvertido, de nome Jucelino Kubitscheck. Pouco mais de 50 anos depois de inaugurada, Brasília é a cidade dos contrastes. A glamourosa e cara cidade dos políticos e todos que os cercam talvez seja o protótipo imaginado por Kubitscheck quando a concebeu. Mas não é bem assim. Brasília é uma ilha da fantasia cercada pelo mundo real dos excluídos. Essa Brasília é retratada pelo fotógrafo Ivaldo Cavalcante, que tem uma bagagem de 27 anos de fotojornalismo.

 

 

 



Cavalcante mira sua lente para um trabalho documental e de denúncia social. Degradante? Ele responde questionando: “O que é mais degradante? Fotografar essas crianças ou fotografar um covil de senadores, ministros, deputados que não respeitam seus eleitores?”. O fotógrafo indigna-se quando fala sobre esse contraste entre o real e o “fictício”. “Este trabalho que desenvolvo sobre a prostituição infantil em Brasília se torna escandaloso, pois tudo acontece a três mil metros do Congresso Nacional e dos seus palácios de mármore em volta da Esplanada dos Ministérios. Brasília tem uns 40 focos de meninos e meninas de rua, aproximadamente quatro mil crianças, vindas das cidades satélites e entorno da capital, que andam pelas ruas do Plano Piloto. Entram e saem governos e triplicam as crianças nos semáforos, triplicam também os roubos dos cofres públicos dos governantes e seus familiares”.

 

 

 



A crítica de Cavalcante é pontual, num momento em que Brasília respira sacanagens promovidas por quem deveria estar prestando serviços para o bem da coletividade. Traições conjugais, dinheiro sujo, tráfico de influência, assalto aos cofres públicos e outros ingredientes, estes sim, bem degradantes, colocam Brasília no foco das notícias. Não foi a primeira vez e nem será a última, porque os políticos e a elite em geral são impunes perante a lei. A história se repetirá quantas vezes forem possíveis, enquanto a população assiste a tudo atônita, sem qualquer poder de reação.


Cavalcante por ele mesmo

“Antes, muito antes de conhecer a fotografia já trabalhava com serigrafia, isso nos meados de 1975/77. Na serigrafia, fazia camisetas de artistas que admirava, como Che Guevara, Bob Dylan, The Doors, Lou Reed, John Lennon e Yoko Ono, AC/DC, Led Zepelin, Black Sabbath, Baden-Meinhof, além de Brigadas Vermelhas. Conheci a fotografia através de meu amigo Aurelino. Ele trouxe um kit com duas bacias, duas pinças e dois saquinhos de revelador e um de fixador. O curso era por correspondência do Instituto Universal Brasileiro. E me presenteou. Achei genial, pois o processo é muito parecido com o da serigrafia.

 

 

 


Empolgado, fui fazer uns cursos de fotografia no Centro de Criatividade na 508 Sul (o hoje Espaço Cultural Renato Russo), queria conhecer melhor as técnicas. Lá fui aluno da professora Lilá Sardinha e Iko Mazzei. Com eles estudei fotografia e laboratório fotográfico. Na época estava com 24 anos. Como hoje tenho 51, já são 27 anos de fotojornalismo na veia.
Em 1980 comecei a trabalhar na sucursal do Jornal de Brasília em Taguatinga, onde publiquei minha primeira foto em jornal. Trabalhei nove anos no JBR e seis no Correio Braziliense onde desaprendi muito com as chefias de fotografia.
Adoro a fotografia documental. Sempre gostei de temas pesados na fotografia, tenho vários ensaios que faltam serem concluídos.Tenho uma grande admiração pelo Araquém, ele sabe onde a onça bebe água, aqui do outro lado da cidade procuro um dia documentar esses bichos predadores-urbanos nas grandes metrópoles. Em um dos meus ensaios, faço cobertura de prostituição infantil em Brasília, pretendo realizar na América Latina, México, Argentina, Venezuela, Equador, Bolívia,etc!! Como sonhar não custa nada, vamos sonhar!”

 

 



Atualmente Cavalcante trabalha na sucursal do jornal Hoje em Dia, em Brasília. Tem dois livros publicados: "Taguatinga Duas Décadas de Cultura" e "Brasília 25 anos de fojornalismo". Ganhou o Prêmio Rey da Espanha, 1984; 09 prêmios da Fundação Volpe Stessens; 9 fotos no M.I.F. (Museu Internacional de Fotografia);15 Exposições individuais e 25 em coletâneas e voluntário da ABCTrust, entidade de ajuda a crianças comandada por Jimena Page.

 

Fotos de Ivaldo Cavalcante

Texto de Bola Teixeira

Publicado originalmente na Photo Magazine

www.photos.com.br

Compartilhas Noticia

Tags

Comentários

Comentários

Escrever Comentário

30223

Subscribe to see what we're thinking

Subscribe to get access to premium content or contact us if you have any questions.

Subscribe Now