Fujifilm X100: a c?mara que a Leica queria ser

Maquina fotografica modelo Fujifilm da X100

25/05/2011 19:58

Fujifilm X100: a câmara que a Leica queria ser

 
O anúncio pela Fujifilm da X100, em Setembro de 2010, foi agora alargado com novos dados sobre a maior estrela da última edição da Photokina. Uma câmara que a Leica gostaria de ter feito, diz-se. No dealbar de 2011 o aparelho chega ao mercado.

Na Leica deve haver muita gente a respirar de alívio, por a Fujifilm ter decidido dotar/limitar a sua X100 a uma objectiva fixa. Se este novo aparelho de ar retro tivesse uma baioneta capaz de aceitar outras objectivas ou objectivas da família Leica, a Leica bem que podia ficar MUITO preocupada.

Mas mesmo como as coisas estão, basta passar um olhar pelos fóruns de apreciadores de Leica e coisas simulares para se perceber que a X100 mexeu com muitos corações e vai, mesmo se o preço esperado é elevado, mexer com muitas bolsas.

Numa viagem pelas palavras dos apreciadores lêem-se coisas como “grande esforço da Fujifilm. Eu deitaria a minha X1 fora (um grande falhanço em muitos aspectos) se não fosse por uma única coisa: o tamanho. A X1 cabe confortavelmente num bolso das calças...”

É evidente que é um pouco como querer comparar maçãs com laranjas, mas a verdade é que a tónica é a mesma em todos os comentários. Há quem arrisque mesmo dizer que “é uma câmara melhor do que a X1 em todos os aspectos” e até quem, com a autoridade de quem possui uma M9, uma Leica MP e uma Epson R-D1 afirme que os comandos da X100 são aquilo que a M9 e a X1 deviam ter.

Valentin Sama, o especialista espanhol que mantém o sítio na Internet DSLR Magazine – que invejo pela quantidade de anúncios que consegue ter, algo inaudito por estas bandas – escreveu em Setembro passado, após ter experimentado um protótipo da Fujifilm X100, que os comandos são mais firmes do que os da X1 e que o visor tem a limpidez habitual nos visores da série M da Leica... E de um outro comentador lê-se que “está é a X1 que a Leica devia ter construído...”

A Fujifilm não é uma novata na produção de modelos com este ar, como a Fotodigital já mostrou anteriormente, pelo que a X100 representa uma evolução na continuidade... com alguns grãos de inovação. E é sobre esses grãos que a marca agora deu mais explicações, adiantando mais informação sobre o visor híbrido que reúne o melhor de dois mundos: visão óptica e informação electrónica. Um sítio na Internet explica detalhadamente as funcionalidades, melhor do que linhas e linhas de texto. Vá espreitar as imagens e legendas.  http://www.finepix-x100.com/

Apesar de parecer um aparelho de telémetro, a Fujifilm X100 não usa esse sistema de focagem. A marca anunciou que o aparelho tem três modos de focagem, activados através de um botão do lado esquerdo do corpo. “Com a focagem manual, a rotação do anel no barril da objectiva ajusta a distância, com uma escala usada como referência e a opção de verificar o foco no visor electrónico.”

A opção de fazer RAW é acedida attavés de um outro botão que permite seleccionar JPEG ou JPEG e RAW, com processamento imediato deste último na câmara. Se considerarmos que na família de DSLR da Fujifilm destinada a profissionais o JPEG é considerado tão bom que dispensa, praticamente, o recurso ao RAW, talvez a X100 siga o mesmo percurso.

A presença de um sensor APS-C  que difere do que é habitual na Fujifilm, ao deixar de lado o recente sensor EXR, trocado por um CMOS, pode ser um sinal mais para acreditar em JPEGs ao jeito das DSLR da marca. E a Fujifilm afirma que esta escolha fazia todo o sentido porque os sensores EXR foram concebidos para compactas, onde a sua dimensão pequena recomenda o uso das características EXR, mas que isso não se justifica na X100, cujo sensor foi concebido para funcionar em pleno com o processador EXR de bordo e a objectiva Fujinon de 23mm f/2.

Com 12.3 milhões de pixéis, o sensor APS-C da X100 é a solução ideal para profissionais em busca de um aparelho pequeno, utilizável quando uma reflex não é aconselhável ou prática, mas que necessitam de garantir qualidade. É essa a promessa deste aparelho, que além de tirar fotos faz vídeo a 720p a 24fps, com som estéreo. E que na boa tradição dos aparelhos modernos dá ao utilizador uma forma rápida de acesso a um elemento essencial da fotografia moderna: um botão para mudar rapidamente a sensibilidade ISO. Porque mesmo uma compacta para usar em baixos níveis de luz terá alturas em que dará melhores resultados se “puxarmos” o filme...

Fonte_ Foto Digital(Portugal)

Compartilhas Noticia

Tags

Comentários

Comentários

Escrever Comentário

84152

Subscribe to see what we're thinking

Subscribe to get access to premium content or contact us if you have any questions.

Subscribe Now