Amigos do Dom.

07/06/2022 21:24

 

5 h 
Nós somos os amigos do Dom e estamos no Brasil, no Reino Unido, nos Estados Unidos e em outros países pelo mundo. Estamos grudados em nossos telefones, televisões e computadores buscando desesperadamente informações sobre o nosso amigo e colega. Fazemos ligações, trocamos notícias e links pelo WhatsApp em busca de qualquer vestígio que possa sugerir que o veremos novamente, são e salvo. Nós nos recusamos a acreditar no pior sobre ele e Bruno Pereira, o indigenista que estava com ele.
Todos nós conhecemos Dom como um dos jornalistas mais perspicazes e atenciosos da América do Sul. Como correspondentes, estamos habituados a ouvir pessoas perguntarem o porquê de termos trocado o conforto de nossas casas pelo Brasil, com todos seus problemas. A resposta é geralmente a mesma, porque amamos este país. Como Alessandra, sua esposa, disse ontem: “meu marido, ama o Brasil e ama a Amazônia. Ele poderia viver em qualquer lugar do mundo, mas escolheu viver aqui.”
Antes de vir para o Brasil em 2007, Dom tinha uma vida interessante no Reino Unido escrevendo sobre música. Ele foi editor de uma revista e depois publicou um livro brilhante sobre o nascimento da cultura dos DJs. Mas queria para si um segundo ato. Veio para São Paulo, atraído por amigos DJs. Seu plano era passar alguns meses por aqui, porém imediatamente se sentiu em casa no Brasil. Ele se mudou de São Paulo para o Rio, casou-se com uma baiana e, há alguns anos, mudou-se com ela para Salvador. Sua segunda carreira como correspondente é tão brilhante quanto sua primeira como escritor musical.
Dom escreveu para o Guardian, o New York Times, o Washington Post, o Intercept e muitos outros. Queria, contudo, deixar uma marca, e seu amor pela Amazônia, um lugar que conheceu durante viagens a trabalho, é profundo. Seu projeto de publicar um livro sobre o desenvolvimento na região o permite passar mais tempo por lá para conhecer a fundo as pessoas e suas dificuldades.
Há muito mais sobre ele além de páginas e parágrafos. Seus amigos o conhecem como um cara sorridente que levanta antes do sol nascer para fazer stand-up paddle. Nós o conhecemos como alguém que está esperando ansiosamente a papelada para que possa adotar uma criança com sua mulher. Dom é o amigo que manda mensagens no WhatsApp no dia dos nossos aniversários e é o voluntário que deu aulas de inglês em uma favela carioca. Uma das primeiras coisas que fez em Salvador foi se envolver com o Jovens Inovadores, um programa de saúde coletiva da UFBA. Lá, era cercado por pessoas jovens, adolescentes que descrevia carinhosamente como igualmente barulhentos, distraídos e cheios de curiosidade sobre o mundo.
Foi essa mesma curiosidade que o levou ao Vale do Javari na companhia do Bruno, um indigenista experiente e reconhecido. É uma área isolada que pouquíssimas pessoas um dia verão. Esse isolamento é a razão pela qual os esforços de resgate devem ser ampliados imediatamente. Cada segundo é vital. Toda pessoa, barco, helicóptero e satélite pode fazer a diferença. Estamos preocupados, mas nos recusamos a perder a esperança. Por favor, não poupem recursos para encontrar nosso amigo e o amigo dele, o Bruno.
Amigos do Dom

Compartilhas Noticia

Tags

Comentários

Comentários

Escrever Comentário

69574

Subscribe to see what we're thinking

Subscribe to get access to premium content or contact us if you have any questions.

Subscribe Now