Academia Taguatinguense de Letras festeja 35 anos de fundaç ão

Fonte:https://chicosantanna.wordpress.com/

23/11/2021 10:25

 

Data é comemorada em meio a temores de que o espaço onde a entidade funcina venha a ser tomado pela Administração Regional de Taguatinga para projetos diferentes. Há oito anos, a ATL foi tombada como patrimônio cultural do DF e reivindica a garantia da permanência em sua sede.

 

 

Por Maria Félix Fontele

Neste 9 de abril de 2021, a Academia Taguatinguense de Letras (ATL) comemora 35 anos de fundação e oito de tombamento como Patrimônio Cultural, Material e Imaterial do DF, reconhecida pelo poder público – Governo do DF e Câmara Legislativa do DF. As festividades têm caráter reivindicatório, uma vez que a instituição sempre corre o risco de perder a sua sede, localizada, há 12 anos, no Espaço Cultural Teatro da Praça, de Taguatinga, diante de uma necessidade de ceder o local para projetos do Governo do Distrito Federal, mesmo sendo tombada.

O presidente da ATL, o escritor Gustavo Dourado, lembra que com o tombamento, assegurado pela Lei 5159 de 2013, regulamentada pelo decreto 35.549, de 18 de junho de 2014, a entidade ficou consolidada no Complexo Cultural EIT.   “Foi uma grande conquista para a academia, única tombada no Centro-Oeste e uma das poucas no Brasil a ser reconhecida e a carregar importante título”, observa. Segundo ele, mesmo assim, a instituição tem sido alvo constante de ameaças de perder a sua sede.

Dourado destaca que os acadêmicos (titulares, honorários, colaboradores e correspondentes) receberam diversas Moções de Louvor da Câmara Legislativa do DF e de outras instituições pelo trabalho em prol da cultura.  Em 2017, a ATL lançou a sua primeira antologia, com a participação de mais de cem escritores do DF, e distribuição gratuita em cerca de 200 escolas da rede pública. Além disso, participou de quatro Bienais Brasil do Livro e da Leitura, de cinco Semanas Nacionais de Ciência e Tecnologia, de oito Feiras do Livro do DF, incluindo a Feira Literária do Distrito Federal (Fli/DF), entre outros eventos. 

Mensagem ao governador

A deputada distrital Jaqueline Silva enviou, no início de abril, mensagem ao governador Ibaneis Rocha solicitando que ele “dê atenção especial à academia e garanta aos acadêmicos o espaço que é necessário para que continuem exercendo essa importante e rica contribuição para o crescimento literário do DF”. Jaqueline justificou que “é graças a sua representação que escritores, professores, leitores e pesquisadores participam de feiras de livros e leitura, bienais e fóruns em todo o país”. A deputada lembrou ainda ao governador que “a ATL já foi reconhecida pela Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos, a qual adquiriu mais de 300 livros e folhetos de cordel de seus autores”.

No último dia 5, o administrador de Taguatinga, Renato Andrade, afirmou, em reunião com os diretores da ATL Admilson Queiroz e José Maria da Silva Mourão, representando o presidente da entidade, Gustavo Dourado, que a ATL será mantida no espaço onde se encontra por força da lei e do decreto de tombamento. Segundo ele, a instituição será, posteriormente, incluída nos projetos culturais propostos pela Administração Regional.

Manifestação dos acadêmicos

A escritora e professora Hilda Mendonça, fundadora da ATL, afirma que a instituição “é fruto do esforço diuturno de pessoas que amaram e amam a cidade, sua gente e quer que Taguatinga se orgulhe de sua cultura, das letras taguatinguenses e, por isso, sua sede precisa ser mantida”. 

“Neste momento, junto-me às vozes que clamam pela permanência da ATL em sua sede, no Centro Cultural de Taguatinga, proporcionando que a instituição mantenha o exercício de suas atividades socioculturais junto à comunidade”, observa o escritor e poeta Ildefonso de Sambaíba, membro-titular da ATL. 

   Os acadêmicos José Aureliano dos Reis e Pedro Gomes da Silva também se manifestaram. Aureliano comenta: “A ATL não pode ser despejada de sua sede pelo poder público seja a que pretexto for”. E Pedro Gomes disse esperar “que os governantes respeitem as normas legais e mantenham a ATL no espaço que ocupa há 12 anos”.

Depoimentos dos amigos e parceiros da ATL

O presidente da Academia Candanga de Letras, o escritor e poeta Affonso Gomes, declara: “É inadmissível que uma conquista tão aplaudida pela classe literária do Distrito Federal seja simplesmente dizimada por pessoas que não têm compromisso com a cultura de Brasília; a Academia Taguatinguense de Letras ATL é um patrimônio cultural do DF e deve ser respeitada pelas autoridades e mantida na sua sede atual”.

O coordenador de produção da Feira do Livro de Brasília, Luciano Monteiro, afirma: “A Academia Taguatinguense de Letras sempre teve um papel de grande relevância não só no meio literário da cidade de Taguatinga, mas também em todo o universo da educação e da cultura do Distrito Federal. Fica ATL”.

O presidente da Academia de Letras do Brasil e do Conselho Nacional das Academias de Letras do Brasil, escritor e professor Mário Carabajal, em mensagem à ATL, lembra que “a cidade de Taguatinga é referência para o Brasil na arte das letras, encontrando-se a Academia Taguatinguense de Letras como centro difusor da literatura emanada pelo Distrito Federal e pelo Estado de Goiás”.

O professor, escritor e analista judiciário Elias Antunes, morador de Taguatinga, ao defender a manutenção do espaço da ATL ressalta que a entidade “é uma das mais atuantes de forma efetiva e transformadora, seja no fomento da cultura, da literatura e das artes, seja no embasamento para que surjam novos talentos”. 

O jornalista e poeta Nonato Freitas salienta que desmontar a ATL significa “trucidar sonhos não só de artistas das letras e de outros segmentos culturais do DF, mas também de toda a sua população”.

A cineasta, poeta e artista Maria Maia manifesta-se: “Viva a ATL, deixem no lugar esse templo da palavra”.

“É lamentável que uma instituição como a Academia Taguatinguense de Letras, que tão bem representa as manifestações culturais e a história de Taguatinga, esteja na iminência de perder o seu espaço-sede”, comentou o poeta e escritor Herbert Lago Castelo Branco.

O professor Marco Aurélio Silva, da Secretaria de Educação do Distrito Federal, conclui: “A Academia Taguatinguense de Letras precisa do apoio governamental, especialmente da Secretaria de Educação e de Cultura, e não do desprezo e ameaças de perda de sua sede, tombada como patrimônio há anos”.

 

Compartilhas Noticia

Tags

Comentários

Comentários

Escrever Comentário

23814

Subscribe to see what we're thinking

Subscribe to get access to premium content or contact us if you have any questions.

Subscribe Now