CORONAVÍRUS (variante) CEPA DA ÍNDIA Por LOWRY LANDI

15/06/2021 09:57

 Desde o momento em que a Índia foi assolada pelo COVID-19,

numa forte onda causada pela chamada VARIANTE INDIANA, o
mundo segue em alerta para conter o avanço desta nova cepa.
Locais como o Reino Unido, por exemplo, já enxergam riscos à
saída do LOCKDOWN diante da ameaça, apontada pelos cientistas
britânicos como até 50% mais transmissíveis.
Identificada em 50 países, a cepa ou variante indiana foi verificada
em território brasileiro nesta semana, mas o Brasil segue recebendo
voos e embarcações da Índia.
Mas o que é esta CEPA DA ÍNDIA?
A CEPA INDIANA tem mais de uma variação. Elas são a B.1.617.1,
a B.1.617.2 e a B.1.617.3 e foram descobertas na Índia entre
outubro e dezembro de 2020.
Pela Organização Mundial de Saúde, sabemos que a B.1.617 é
uma variante de atenção em nível global.
A OMS classificou apenas outras três cepas como variantes de
atenção além da indiana: B.1.1.7 (do Reino Unido), B.1.351 (da
África do Sul) e a P1 (de Manaus, no Brasil).
As mutações do vírus funcionam como válvulas de escape, uma
forma de burlar o sistema imunológico e, por isso, podem ocorrer as
reinfecções. Isso pode acontecer mesmo com quem já foi vacinado,
por isso a preocupação.
Atualmente, o estudo mais avançado sobre a variante indiana é do
Grupo Independente de Aconselhamento Científico para
Emergências (INDIE-SAGE), DO Reino Unido.
No momento, a cepa que atinge mais o país é a B.1.1.7, também
conhecida como VUI.
Segundo a Indie-Sage, caso da variante indiana seja de 30% a 40%
mais transmissível que a VUI, é possível que no Reino Unido, viva
uma terceira onda muito pior que as anteriores.
Segundo a BBC, no entanto, cientistas britânicos, no entanto, já
trabalham com a possibilidade de cepa ser de 50% mais
transmissível.
A Índia bateu recordes de mortes em 24 horas pelo novo
coronavírus, com 4.529 mortes no país em um dia.
A marca anterior era dos Estados Unidos, com 4.475 mortes em um
dia. Atualmente a Índia está no 3º lugar com países com mais
 
1
mortes, atrás dos Estados Unidos e Brasil. O certo é que a variante
indiana foi encontrada em mais de 50 países.
A variante indiana da cepa indiana da COVID 19 é mais infecciosa e
mais grave. Médicos da índia observaram o aumento de deficiência
auditiva, distúrbios gástricos sérios, fungo negro e coágulos em
pacientes infectados pela variante indiana do coronavírus.
A cepa indiana é considerada a mais infecciosa até o momento e,
com as descobertas, também pode ser a mais grave é ela que
impulsiona a devastadora segunda onda de COVID-19 no aís
asiático.
Na Inglaterra e na Escócia, por sua vez, as primeiras evidências
sugerem que a cepa carrega um risco maior de hospitalização.
Esta cepa, também conhecida por VARIANTE DELTA, e conhecida
cientificamente pelo código B.1.617, já tem oito casos confirmados
no Brasil, (desde a confecção desta matéria), e se espalhou em
mais de 60 países nos últimos seis meses, o que gerou restrições
de viagens mundo afora.
Um aumento nas infecções, alimentado pela cepa, forçou o Reino
Unido a reconsiderar os planos para reabrir o país no fim de junho,
com um relatório local informando que os planos podem ser adiados
em duas semanas.
Com taxas mais altas de transmissão e uma redução na eficácia
das vacinas, a compreensão dos efeitos da variante indiana se
tornou algo especialmente crítico.
Dor de estômago, náuseas, vômitos, perda de apetite, perda de
audição e dores nas articulações estão entre os sintomas que os
pacientes de COVID-19 estão enfrentando em toda a Índia.
Alguns pacientes desenvolveram MICROTROMBOS, que são
pequenos coágulos sanguíneos, tão graves que levam o tecido
afetado a morrer e desenvolver gangrena.
Os profissionais médicos se espantam com a velocidade com que o
vírus está se espalhando e com o aumento da quantidade de
sintomas específicos, diferentes de um paciente para outro.
A infecção foi detectada em mais de 8.800 pacientes e
sobreviventes do COVID-19, forçando as autoridades de saúde a
considera-la uma epidemia específica.
Esta variante indiana do coronavírus é considerada a mais
infecciosa, provocando gangrena e perda de auditiva, indicando que
esta variante é a mais severa, sendo inclusive 40% mais
contagiosa, apesar da ciência ainda saber muito pouco sobre a
cepa indiana.

Compartilhas Noticia

Tags

Comentários

Comentários

Escrever Comentário

57969

Subscribe to see what we're thinking

Subscribe to get access to premium content or contact us if you have any questions.

Subscribe Now