Hoje 27/07, é Dia Mundial do Câncer de Cabeça e Pescoço. E o Centro de Oncologia do Hospital Sírio-Libanês — Unidade Brasília, faz um alerta para a doença, sintomas e prevenção.

Julho Verde alerta para o Câncer de Cabeça e Pescoço A data, celebrada em 27 de julho, visa conscientizar sobre formas de prevenção à doença

27/07/2017 10:35

 O câncer de cabeça e pescoço — quinto tumor mais comum no mundo — engloba vários tipos de neoplasias que atingem essa importante área do organismo. Para 2016, o Instituto Nacional de Câncer (INCA) estimou a ocorrência de cerca de 25 mil novos casos no Brasil, considerando os tumores de cavidade oral e glândula tireoide. Porém, o câncer de cabeça e pescoço também engloba outros tipos de tumores que incluem a orofaringe, nasofaringe, laringofaringe, entre outros mais raros, como o de glândulas salivares. Para conscientizar sobre a doença, o dia 27 de julho foi escolhido para ser o Dia Mundial do Câncer de Cabeça e Pescoço.

 "Esses tumores crescem de maneira silenciosa, com poucos sinais e sintomas na fase inicial", alerta o oncologista Igor Morbeck, do Centro de Oncologia do Hospital Sírio-Libanês — Unidade Brasília. Assim, há o grande risco de que o diagnóstico precoce não seja feito. "Geralmente, a progressão dos tumores de cabeça e pescoço é rápida, atingindo os linfonodos [gânglios linfáticos que atuam no sistema de defesa do corpo], o que já torna a doença localmente avançada", explica o especialista.

Por isso, é necessário dar atenção aos sinais suspeitos. "Nódulos ou 'caroços' no pescoço, feridas na boca que não cicatrizam, dificuldade para engolir ou respirar, e alterações na voz como rouquidão persistente são alguns dos sintomas que merecem avaliação médica. Quanto mais precoce for o diagnóstico, maiores as chances de cura", afirma o oncologista Rodrigo Medeiros, também do Hospital Sírio-Libanês – Unidade Brasília.

A melhor prevenção é evitar os fatores de risco, sendo que os principais são o tabagismo e o consumo abusivo de bebidas alcóolicas. Há também uma doença sexualmente transmissível (DST) que predispõe a esses tipos de câncer e tem ganhado cada vez mais atenção nas campanhas educativas. "A infecção pelo papilomavírus humano (HPV), em especial o subtipo HPV-16, é observada em 60% dos tumores de orofaringe, alcançando presença em até 90% dos tumores primários das amígdalas", destaca Medeiros.

O especialista se preocupa, principalmente devido à ampla incidência do vírus. "Milhares de homens e mulheres no mundo todo, de todas as classes sociais, homo ou heterossexuais, apresentam lesões genitais causadas pelo HPV. Ele é a DST mais frequente do planeta. Câncer de colo uterino, vagina, vulva, pênis, de canal anal e de cabeça e pescoço são os tumores relacionados ao vírus. A vacinação tem o potencial de reduzir a incidência dessas doenças. Mas, uma parcela significativa da população ainda resiste à vacina por falta de informação adequada", avalia.

Outros fatores de risco importantes são dieta pobre em vegetais crus, infecção pelo vírus de Epstein-Barr (EBV), responsável por tumores da nasofaringe, irritação crônica da mucosa (próteses dentárias mal ajustadas, por exemplo) e má higiene oral.

Tratamento

 O diagnóstico precoce é a chave para o sucesso do tratamento, pois assim é possível preservar funções como a deglutição, a capacidade do olfato e de respiração, e manter a estética dos pacientes, que pode ser afetada por procedimentos cirúrgicos. "O tratamento envolve diversas especialidades médicas e também a odontologia, fisioterapia, fonoaudiologia e enfermagem. Há etapas como cirurgia, radioterapia, quimioterapia e imunoterapia, além de diversas medidas de apoio. O sucesso depende muito desta abordagem multidisciplinar", considera Morbeck.

O radioterapeuta Rafael Gadia, do Sírio-Libanês – Unidade Brasília, também destaca o papel dos avanços tecnológicos na área. "É importante ressaltar que a radioterapia em cabeça e pescoço é muito complexa e, por isso, a alta tecnologia é crucial para melhorar os resultados", afirma. Ele explica que "por ser uma região com anatomia complexa e com a presença de órgãos responsáveis por funções vitais, como fonação, audição, deglutição, visão e audição, vários efeitos colaterais podem surgir. Os mais frequentes são dor para engolir, inflamação da pele, boca seca, alteração do paladar e feridas na boca".

Com o contínuo aprimoramento das técnicas, é possível reduzir efeitos colaterais como a mucosite, inflamação na mucosa. "Com o objetivo de minimizá-la, são empregadas técnicas modernas de radioterapia, como a IMRT (radioterapia de intensidade modulada) e esquemas menos tóxicos de quimioterapia. Também é fundamental o papel do dentista especialista em oncologia, que faz aplicações diárias de laser e orienta o uso de medicamentos com ação local", descreve o oncologista Rodrigo Medeiros.

As chances de cura, mesmo em níveis avançados, também têm aumentado. "Atualmente, mais de 50% desses indivíduos [pacientes que são diagnosticados com a doença localmente avançada] são curados em centros de referência com o tratamento multidisciplinar", afirma Medeiros.

De modo geral, os cânceres de cabeça e pescoço atingem mais os homens que as mulheres e a incidência é maior a partir dos 40 anos, com pico entre a sexta e a sétima décadas de vida.

Previna-se!

Como prevenir o câncer de cabeça e pescoço:

  • Evitar o tabagismo;
  • Evitar o consumo abusivo de bebidas alcoólicas;
  • Vacinar-se contra o papilomavírus humano (HPV);
  • Usar preservativos;
  • Manter uma boa higiene bucal;
  • Consultar-se regularmente com um dentista. "Geralmente, o dentista é o profissional habilitado para o diagnóstico precoce", destaca o oncologista Igor Morbeck.
  • Ter uma alimentação equilibrada.

Compartilhas Noticia

Tags

Comentários

Comentários

Escrever Comentário

89280

Subscribe to see what we're thinking

Subscribe to get access to premium content or contact us if you have any questions.

Subscribe Now