Novo https://alemdasparedes.wordpress.com/ por Keyane Dias.

09/02/2015 12:33

 Desaversadora

*  *  *

Memórias

Nasci em Taguatinga (DF), no Cerrado, e trago no meu ser heranças do Nordeste, de quem sou filha e neta. Na educação formal, estudei Comunicação Social – Jornalismo, me especializando em comunicação para a cultura. Foi por essa época que criei o Além das Paredes, em um outro formato que ficou pra trás. Em 2013, comecei a intensificar caminhos que fossem além da comunicação. Foi quando fiz o curso Educação Gaia – Design para a Sustentabilidade e conheci a Permacultura. Com o despertar espiritual, em especial no contato com o Daime, comecei a estudar a medicina natural e a buscar vivências relacionadas à tradição, educação e cultura popular. Essas novas descobertas culminaram com as vivências no Mercado Sul, um território histórico de encontros, memória, autonomia e aprendizados, em Taguatinga. A partir daí, me integrei a ações culturais e educativas, como o Coletivo Eu Livre e o Espaço Cultural Mercado Sul. Em 2012, descobri a Capoeira Angola como prática corporal e filosofia. Com esses chamados, sigo pelas veredas dos saberes de tradição oral e da minha ancestralidade, que passa pelo sertão nordestino e pelo Cerrado. Mais além… não cabe aq

Doc “Qual o seu lugar no mundo?”

O fotojornalista Ivaldo Cavalcante acaba de lançar mais um de seus gritos audivisuais. O curta “Qual o seu lugar no mundo” continua a trajetória de Ivaldo pelas ruas do DF, registrando Fábios e tant@s outros jovens entregues ao vício do crack. Um doc-denúncia com direção e captação de Ivaldo Cavalcante; montagem, finalização e direção de arte de Carina Aguiar; e trilha sonora de Dillo Daraujo.

Trailer documental pela liberdade da saúde feminina

.
Cada vez mais, mulheres pelo mundo se unem e se voltam aos saberes ancestrais que envolvem a saúde da mulher: a ginecologia natural e autônoma. Na contramão e na luta contra a opressão que sofremos por anos, nos unimos para pesquisar, praticar e compartilhar os saberes que sempre foram nossos, de nossas madres, avós, irmãs, tias, amigas, antepassadas. Os séculos de sociedade patriarcal tentaram nos conter, nos impondo uma medicina antinatural e machista, mas jamais apagarão a memória daquelas que persistem em ser o que são.

No Chile, esse movimento é forte. Muitas iniciativas são realizadas e difundidas de hermanas para hermanas. A mais nova é esse trailer documental abaixo, produzido pelo Movimiento Insurrecto por la Autonomía de Una Misma (MIAU).


Sobre esse tema, veja também:

* Prosas Paridas
Matricaria
Ginecologia Natural

Alberto Caeiro sobre a pressa

Não tenho pressa. Pressa de quê?
Não têm pressa o sol e a lua: estão certos.
Ter pressa é crer que a gente passe adiante das pernas,
Ou que, dando um pulo, salte por cima da sombra
Não; não tenho pressa.
Se estendo o braço, chego exatamente aonde o meu braço chega -
Nem um centímetro mais longe.
Toco só aonde toco, não aonde penso.
Só me posso sentar aonde estou.
E isto faz rir como todas as verdades absolutamente verdadeiras,
Mas o que faz rir a valer é que nós pensamos sempre noutra coisa,
E somos vadios do nosso corpo.
E estamos sempre fora dele porque estamos aqui.

Fernando Pessoa, como Alberto Caeiro

Pedaços do Tao

Eu sou a tocaia
E a redenção
O fogo que queima
Os ventos que vão

balanco

Ilustração: autoria desconhecida

Sou a plenitude
E a inconstância
O fim e o início
Da minha ânsia

Eu lanço a moeda
Nem cara ou coroa
O medo me pega
E a coragem ecoa

Se existem dois lados
Nenhum escolhi
Caminho é no meio
Do meu prosseguir

Esse meio é o fio
Me tece e destece
O sentir, o agora
É o que enobrece

Muitos caminhos
Nem igual ou rival
Cada um é apenas
Pedaços do Tao.

Keyane Dias 
18.01.14

A Língua das Coisas

O poeta Manoel de Barros soube extrair, provar e compartilhar o néctar da simplicidade, esse item essencial que está em tudo e que é fundamental para gente tentar entender a vida. Com seu manoelês, o Maneco traduziu a língua de um montão de coisa, inspirando gentes por esse mundo. Bebendo desse néctar, a Caraminhola Filmes lançou em 2010 o curta A Língua das Coisas. Só hoje conheci o filme, que já recebeu prêmios no Brasil e na América Latina. Muito bom para assistir com as crianças e com as nossas crianças internas.

 

.

 

.

Se brincar poesia não é, como falarei sério?

Compartilhas Noticia

Tags

Comentários

Comentários

Escrever Comentário

29838

Subscribe to see what we're thinking

Subscribe to get access to premium content or contact us if you have any questions.

Subscribe Now