? HOJE!!! Cine Clube Pra?a do Rel?gio apresenta o Document?rio "Rize" do Fotografo David LaChapelle.Galeria Olho de ?guia,Dia 16/09- Ter?a-Feira. Partir das 22h

15/09/2014 18:06

 A Galeria Olho de Águia, em Taguatinga, tradicionalmente atuante no campo da fotografia, cinema e novas mídias, lança o Cine Clube Praça do Relogio com o Documentário "Rize" do Fotografo David LaChapelle e convida a comunidade para participar. 

Todas as terças feiras, passaremos um Doc ou um filme  O objetivo é contribuir para a valorização e disseminação do artista e incentivar a formação de varias formas das artes.Entrada Franca.

SOBRE O FILME "RIZE"

Surgida na parte Sul do Centro urbano de Los Angeles, uma dança de estilo livre, expressiva e bastante energética dominou a cena Break, plena de movimentos vigorosos, da cintura e dos braços – é o Krumping. Nas “batalhas”, ou seja, disputas entre dançarinosexistente desde o início do hiphopo Krumping inclui uma noção própria de performance evolutiva. O estilo Krump renovou este princípio, acrescentando maior vigor no balanço da cintura e peitoral, num gestual de desacato e competição de agressividade (conhecida como “buck moves”). Como ocorreu com o rock e o funk, a sensualidade da dança também causa polêmica, mas neste caso é uma coreografia “stripper” mesmo, tirada das boites de mulher pelada – uma parte disso entra na dança, como parte do jogo Krump.  


.............................................

 

A pintura das faces está ligada ao “clown”, arte circense dos palhaços da tradição medieval européia, idéia fundamental para a cultura Krump. No contexto norte-americano foram famosos os circos que espalharam a cultura da música blues, com encenações humorísticas com pretos (ou brancos de face pintada) desfazendo-se dos fazendeiros escravocratas. Apesar das referências negras, maior efeito causaram os caracteres clown, sólido berço do palhaço Bozo. Nariz vermelho, pinturas na boca e nos olhos, cabeleira arrepiada e sapatões gigantes, roupas largas – muitas cores. A estética do clown fluiu e recentemente esteve presente nos video-clipes de Miss Eliot e nas filmagens do documentário Rize.  


.............................................

...... Os “krumpers” atuais preferem usar pinturas africanas, comuns em algumas comunidades daquele continente. A história dos negros norte-americanos costuma fazer referências contundentes a procedência africana, inclusive, já ultrapassaram a fase afro-americana e atualmente denominam-se africanos-americanos. Operam com simbolismos gestuais de tribos africanas, danças de guerra. São elementos, portanto, valorizados, escolhidos e tirados da cultura pagã. Contraditoriamente, Tight Eyez, nome de um dos principais professores e incentivadores deste estilo, prega o cristianismo como elemento espiritual para a dança Krump. Usa uma noção de engajamento religioso através da dança, a qual faz abrir o “Reino Radicalmente Inspirado e Poderoso da Oração”.  


.............................................

...... As primeiras músicas dedicadas a este estilo foram “Shake City” and “Get Ya Krump On”, que deram impulso a indústria pop do Krump, idealizadas pelo produtor Wendell C. Wellman do estúdio ShakeCity 101. Inserido na cultura hip hop, o Krump teve um grupo fundamental para dar originalidade ao estilo, Tha J-Squad, que se dedicou a dizer como deveria ser. O trabalho restante foi motivado pelo próprio dançarino Tight Eyez, que também produziu suas faixas sonoras, para uma dança espiritulmente motivada. O Gangsta Rap de Nova Yorque e o Grime também marcam presença. Dentro da noção de Rap para B-Boys, a sonoridade Krump faz uso de um compasso mais rápido, de letras e tonalidades agressivas, mas ultimamente são retiradas as letras, trocadas por instrumentais. 

Para conhecer um pouco, clica aqui: GRIME.
 

.............................................

...... No lugar de Crews, já antigas no hip hop, os grupos ligados ao estilo Krump usam a noção de famílias, ou “fams”. As Famílias são organizadas entorno de um B-Boy veterano, capaz de servir de elo espiritual e instrutor de dança, que eles chamam de “Big Homie” – que oferecem uma graduação de acordo com a técnica e jeito de cada um, numa noção de hierarquia. São as graduações, da mais alta ao nível básico: Twin [Homie], Junior [Homie], Lil [Homie], jovem, criança, bebê, ou algo parecido. O nível Twin é dado a quem é capaz de ajudar e desenvolver o estilo de um outro membro da Família. Não há um padrão de dança fechado, mas o Homie é responsável por tudo, desde problemas sociais aos passos e estilos criados por seus seguidores.  


.............................................

...... A origem da dança é atribuída a certas pessoas africanas, que formaram uma Comunidade Crump e tiveram um encontro no México para formar esta dança. É curioso, nas fontes consultadas não falam de onde eram, de que parte da África? Um continente imenso, com pessoas tão diversas, africanos de cor de pele preta, mas também moreninhos e brancos... Nebuloso, mas é tradição derivar a cidadania entre brancos, nativos, latinos, e a lógica black - o lugar de procedência dos escravos pretos é o continente africano generalizado. Oprimidos pelo passado e pelo presente - surge o segmento de expressão black na mídia. Filmes famosos fizeram o Krump fluir. O início foi através do DVD Shakecity 101, dos produtores Mark St. Juste e Wendell C. Wellman, lançado em 2003. Outro documentário fundamental com a cena de Los Angeles foi criado por David LaChapelle, em 2005, com o nome Rize, mostrando a contra-cultura do B-Boy palhaço e sua “clown dancing”, onde figuram nomes como Royal, Loyal, Phanatik, Gutta, Skust, and Knockout Kid. Aparecendo em reality shows ou episódios dos Simpsons, com Bart Simpson botando pra quebrar – o Krump estrelou na TV.

   

.............................................

...... O filme Rize é emblemático. Somos guiados pelo diretor David LaChapelle ao encontro de alguns eventos marcantes daquilo que podemos chamar de insurgência anti-racista nos Estados Unidos. Quando foram assassinados Malcom X e Martin Luther King, o racismo de Estado foi apontado como responsável pela dupla tragédia. Nesta ocasião ocorreu o levante de Watts (1965), bairro negro de Los Angeles, uma reação enfática contra a perseguição por cor. Até esta época, existiam bairros para separar os negros do resto da sociedade, como fizeram com judeus, comunidade da qual deriva a palavra gueto. A fúria se alastrou sobre as residências dos brancos, os comerciantes, os policiais, as diferentes instituições públicas e privadas dominadas pela maioria branca, onde um olhar discriminador pudesse ser apontado. Tomados de revolta, quebradeiras e incêndios também marcaram o segundo evento, a reação do povo ao assassinato de Rodney King, um negro de Los Angeles. A TV levou ao ar a filmagem do espancamento, que chocou o ano de 1992 e serviu de base para diversas manifestações, políticas e culturais. Além dos versos de Cop Killer, de Body Count, que escandalizaram a sociedade nesta época, também daí a dança krump ganhou espaço.  


.............................................

...... Por outro lado, uma perspectiva salvacionista é parte da trama do hip hop em Rize. Tommy The Clown é o personagem central, tipo “celebridade do gueto”, que na vida passou pelo mundo das drogas. Como traficante terminou preso, o que marcou sua firme decisão ajustar sua conduta. Sem emprego ou perspectivas, vestiu-se de palhaço e partiu como animador de festa infantil. Apegou-se ao protestantismo e fez uso dos aconselhamentos de Martin Luther King, ao menos é como surge na voz de uma das crianças entrevistadas: “Seremos alguém, ficaremos de pé, não importa como” (“We’re gonna be somebody, we’re gonna rise no matter what.” Daí saiu, também, o nome do filme, rise com z.) Apesar de sua tentativa de politizar a cena, com as imagens dos piores pesadelos do racismo norte-americano, sua reação ocorreu no plano da indústria do hip hop e a busca pelo negro “autêntico”. O “autêntico negro” é rebelde, instintivo, não encontra os melhores empregos, salários ou moradias. Por outro lado, é este o tipo que inova a música e a dança norte-americanas, seu espaço no segmento black music. Se o instinto é traidor, a igreja protestante norte-americana está sempre aberta para tratar da alma deste sujeito rebelde e oprimido, para levantá-lo.  


.............................................

...... Deixemos a questão religiosa de lado, para dar atenção ao tema: uma nova dança. Se o hip hop pouco se modifica, ao menos suas variações servem para pensar. Uma combinação de musical pesado, letras hilariantes e expressão artística da dança de rua... O que é isso? Certamente, falamos de uma inovação e o quanto esta novidade é envolvente, capaz de trabalhar identidades. Mais que em outras comunidades negras, foi na parte sul do Centro de Los Angeles onde a linguagem primeiro fluiu. O filme Rize ganhou aquela comunidade, percorreu os traumas dali, do racismo e da juventude rebelde, atribulada. Preocupação de todas as mães pobres dali, o movimento propõe auto-estima, numa entrada altiva para a criançada estar presente, de forma saudável e previnida dos “perigos do gueto”. As drogas em especial. O estilo Krump une essas propostas através de figuras próximas. A própria garotada como protagonista, fazendo o que mais gosta dentro da cultura hip hop.  


.............................................
...... 

Tommy The Clown está no centro da cena Krump, cultura que se globalizou tendo como foco central as crianças e os palhaços. Através de uma dança crua, natural e plena de liberdade na expressão corporal, o movimento pretende o “make a difference”, fazer a diferença entre os jovens em situação de risco, molecada dos guetos. O evento The Battle Zone foi criado para desenvolver o Krump, é realizado uma vez por ano no Japão, e Tommy conta com a presença de astros, como Snoopy Dog, seu apoiador e amigo. Sua crença neste movimento está sustentada na dança, num estilo livre capaz de dar forças, “empower”, fazer a juventude canalizar suas energias, revoltas e paixões para a dança de chão. Por tudo isso, vale ir na locadora mais próxima e dar aquele confere no documentário. Chega de blá-blá-blá.
 

 

Filme: Rize - 2005; Classificação: M; Duração: 86mins; Genero: Documentário; Diretor: David Lachapelle; Produtor: David Lachapelle; Música: Music Supervisor - Jonathan McHugh; Original Music - Red Ronin Productions; Original Score - Amy Marie Beauchamp and Jose Cancella; Distribuidora: Hopscotch;Linguagem: English; País: United States; 

 

Local Galeria Olho de Águia  
Data:16/09- Terça-Feira. Partir das 22h

Endereço: Cnf O1 Edficio Praiamar loja 12 - Taguatinga Norte  
Classificação indicativa: Livre  
Entrada: Franca  
Informações:99962575
Sitewww.facebook.com/GaleriaOlhodeAguia 

Compartilhas Noticia

Tags

Comentários

Comentários

Escrever Comentário

55702

Subscribe to see what we're thinking

Subscribe to get access to premium content or contact us if you have any questions.

Subscribe Now