Ch?o de Flores, mostra fotogr?fica de Zuleika de Souza

15/04/2015 08:24

--Chão de Flores, mostra fotográfica de Zuleika de Souza

De 9 de maio a 29 de junho, o Centro Cultural Banco do Brasil – Brasília (CCBB-Brasília), recebe a mostra fotográficaChão de Flores, de Zuleika de Souza. São 56 fotos de tamanhos, formatos e suportes variados que retratam uma Brasília de estética e arquitetura divergentes da capital federal concebida por Lúcio Costa e Oscar Niemeyer. A mostra tem visitação de quarta a segunda, das 9h às 21h, a entrada é gratuita e livre para todos os públicos.

SERVIÇO

Chão de Flores

Mostra fotográfica de Zuleika de Souza

Curadoria: Paula Simas

Local: Galeria 4

CCBB – Brasília

Data: De 9 de maio a 29 de junho

Visitação: De quarta a segunda

Horário: Das 9h às 21h

Entrada franca

Classificação indicativa: Livre para todos os públicos

Patrocínio: Banco do Brasil

 

Assessoria de imprensa CCBB: Ricardo Torres – ricftorres@bb.com.br - (61) 3108-7629 / 7630

 

O CCBB disponibiliza ônibus gratuito, identificado com a marca do Centro Cultural. O transporte funciona de quarta a segunda-feira. Consulte todos os locais e horários de saída no site e no Facebook.

 

O Centro Cultural também oferece transporte escolar gratuito para escolas públicas, ONGs e instituições assistenciais do Distrito Federal e entorno mediante agendamento pelo número 3108-7623 ou 3108-7624.

 

CCBB BrasíliaAberto de quarta a segunda-feira das 9h às 21h
SCES Trecho 2 – Brasília/DF  Tel: (61) 3108-7600

E-mail: 
ccbbdf@bb.com.br   Site: bb.com.br/cultura

Redes sociais: facebook.com/ccbb.brasilia e twitter.com/CCBB_DF

 Exibindo Parede Azul 02 - B - Copia.jpg

Chão de Flores

“Com a paleta de cores de um Volpi extasiado”, mostra fotográfica de Zuleika de 

Souza retrata uma Brasília de estética divergente, bela e humana

De 9 de maio a 29 de junho, o Centro Cultural Banco do Brasil – Brasília (CCBB-Brasília), recebe a 

mostra fotográfica Chão de Flores, de Zuleika de Souza. Coletadas ao longo de oito anos, as imagens 

retratam muros, paredes, fachadas e grafites que apresentam uma Brasília de estética divergente, criada 

por pessoas que buscam resgatar suas raízes e demonstrar resistência ao igual e ao indiferente.  Com 

curadoria de Paula Simas, projeto expográfico de Ralph Gehre e textos de Conceição Freitas, Daniel 

Mangabeira e Luiza Venturelli, a exposição terá uma programação paralela, com oficinas de fotografia e 

projeção ao ar livre. A entrada para a mostra é gratuita e livre para todos os públicos. A participação nas 

oficinas é gratuita, mas sujeita à disponibilidade de vagas e livre para todos os públicos.    

Quanto mais nos afastamos do centro da cidade, mais vemos o diverso, o improvisado, a diversidade, a 

cor. “Se é arte, não sei, mas é uma forma totalmente diferente da estabelecida por arquitetos e designers 

de interiores que as pessoas encontraram para habitar Brasília”, afirma Zuleika de Souza. A presença da 

cor, dos padrões e da falta de ordem criou uma cidade com estética paralela à de Lucio Costa e Niemeyer, 

mas ainda assim reconhecível e habitada. Desde 2008, a fotógrafa circula por regiões como Recanto das 

Emas, Ceilândia, Vila Planalto e não raro volta para casa com farto material para se debruçar em busca de 

espaços que contem histórias e ofereçam beleza, em lugar degradado e sem a presença do Estado 

divulgado à exaustão pelos meios de imprensa. “As dificuldades existem ali, mas também existe beleza, 

harmonia, leveza de formas. Só que de uma maneira diferente”. 

Para a curadora da mostra, Paula Simas, Zuleika realiza, por meio de um recorte jornalístico, um retrato 

artístico da cidade que viu crescer e se desenvolver. Com um apurado olhar sociológico, Zuleika percebeu 

ao longo dos anos a nítida ascensão social da população que vivia à margem do poder e da modernidade. 

Enquanto uns procuram enxergar apenas buracos e infortúnios, Zuleika atrai o olhar do espectador para 

A ideia de fotografar muros, casas e detalhes internos das residências surgiu depois que Zuleika visitou 

uma das regiões administrativas e sugeriu a pauta à jornalista Conceição de Freitas, que assina um dos 

textos da mostra. “As casas das cidades-satélites estão coloridas!  Zuleika já vinha fotografando as 

fachadas pintadas nas cores das bandeirinhas de São João. Depois da matéria publicada, seguiu 

documentando a arquitetura popular brasiliense, uma outra arquitetura, que de moderna restou pouco. As 

casinhas viraram sobrado, perderam o telhado, ganharam puxadinhos e toda a paleta de cores de um Volpi 

 O mármore branco e o toque áspero e rude do concreto aparente ficaram nos palácios monumentais. “As 

cidades-satélites são fogosas, divertidas, singelas, floridas. São escolas de samba em eterno desfile nas 

avenidas da periferia da modernidade”, sentencia. 

Para a fotógrafa e professora do departamento de comunicação da Universidade de Brasília, Luiza 

Venturelli, a obra de Zuleika transita entre o fotojornalismo e a fotografia de autor, resultando uma 

linguagem própria e um trabalho criativo e original. Tudo acontece a partir de um olhar revelador e 

instigante, fruto de sua vasta experiência em retratar editorias de moda e, bem antes disso, as histórias da 

cidade. “...Que ela nos apresente essas casas como se vestidas estivessem para uma noite de gala. Os 

petits-pois sobre um fundo vermelho, o amarelo e verde, o azul pavão, o roxo, o amarelo-ocre, o rosa eaté mesmo o arco-íris completo, explodem como gritos de desobediência às normas acadêmicas de uma 

arquitetura erudita”, afirma Luiza em seu texto para a mostra. 

Imersão total

O arquiteto Daniel Mangabeira, autor de um dos textos presentes no catálogo da mostra, lembra que a 

arquitetura brasileira é, em grande medida, reconhecida no exterior por construções monocromáticas. No 

entanto, a cultura popular nacional é de forma genérica associada ao uso excessivo de cores e texturas. 

“55 anos após a sua inauguração, a capital brasileira apresenta contradições que retratam a nossa 

complexidade cultural e a realidade de grande parte das nossas cidades. Brasília não é apenas o Plano 

Piloto. Uma outra Brasília tão ou mais real do que a planejada é apresentada aqui pela fotos de Zuleika”. 

Chão de Flores apresenta ao público 56 fotografias em diversos tamanhos, formatos e suportes. Seis 

plotagens em lona plástica e uma adesivação recebem o público na Galeria 4. Na parte interna, 49 

impressões em papel fine art e pigmento mineral apresentam aos brasilienses sua cidade a partir de uma 

nova abordagem. Contígua à sala de exposições, a sala de Interação traz um totem em que os visitantes 

podem clicar em um mapa e ver mais locais retratados por Zuleika de Souza. 

Programação 

Paralelo à realização da mostra, serão realizados três workshops de fotografia, sendo dois no dia 16 de 

maio e um no dia 30 de maio. Nos encontros, Zuleika de Souza ensinará a fotografar arquitetura e 

ambientes com uso de aparelhos celulares. As oficinas, com duas horas de duração cada, serão divididas 

em duas partes. Na primeira, Zuleika ensinará os preceitos básicos da fotografia, como enquadramento, 

luz e sombra. Também serão apresentados alguns recursos que ajudam a realizar fotos de ambientes, 

objetos, casas e prédios e a armazenar corretamente as imagens. A segunda parte do workshop é dedicada 

à prática da fotografia. 

Os workshops acontecem no CCBB-Brasília, no dia 16 de maio, das 11h às 13h e das 15h às 17h, e no dia 

30 de maio, das 15h às 17h. As inscrições serão feitas pelo e-mail oficina.chaodeflores@gmail.com. As 

vagas são limitadas a 30 pessoas por turma. O workshop é gratuito, mas a participação é voltada para 

maiores de 16 anos. As fotos realizadas durante as oficinas serão projetadas no dia 30 de maio, sábado, 

das 19h às 21h, na Praça Central, em frente à Galeria 4, com entrada gratuita e livre para todos os 

públicos. 

SERVIÇO

Chão de Flores

Mostra fotográfica de Zuleika de Souza

Curadoria: Paula Simas

Local: Galeria 4 

CCBB – Brasília 

Data: De 9 de maio a 29 de junho

Visitação: De quarta a segunda

Horário: Das 9h às 21h

Entrada franca 

Classificação indicativa: Livre para todos os públicosSERVIÇO

Workshop de fotografia com celular

Com Zuleika de Souza

Local: Galeria 4 

CCBB – Brasília 

Datas: 16 de maio, sábado, em dois horários

Horário: Das 11h às 13h e das 15h às 17h 

30 de maio, sábado

Horário: Das 15h às 17h

Inscrições: oficina.chaodeflores@gmail.com

Inscrições gratuitas

Classificação indicativa: maiores de 16 anos

SERVIÇO

Projeção de fotos ao ar livre

Realizadas pelos participantes dos workshops de fotografia

Curadoria de Zuleika de Souza e Paula Simas

Local: Praça Central

CCBB – Brasília 

Datas: 30 de maio, sábado

Horário: Das 19h às 21h

Entrada gratuita

Classificação indicativa: Livre 

Informações para a imprensa: 

Assessoria de Imprensa:  Agenda KB Comunicação 

Contato: Luiz Alberto Osório

e-mail: luiz.alberto@agendakb.com.br

Telefones: (61) 3344-0143 / (61) 8116-4833

Compartilhas Noticia

Tags

Comentários

Comentários

Escrever Comentário

7199

Subscribe to see what we're thinking

Subscribe to get access to premium content or contact us if you have any questions.

Subscribe Now