MAURICIO LIMA É DESTAQUE NO MAIO FOTOGRAFIA

09/03/2021 18:47

 Este ano, a mostra Maio Fotografia no MIS 2017 fica em cartaz de 13 de abril a 28 de maio, quando todos os espaços expositivos do Museu serão tomados por obras de artistas singulares e fundamentais na história da fotografia.


Uma das exposições é Farida, um Conto Sírio, de autoria de Mauricio Lima, representado no Brasil pela DOC Galeria, que ganhou o Prêmio Pulitzer em 2016 com o ensaio da migração de refugiados do Oriente Médio rumo à Europa. Mauricio Lima é o primeiro brasileiro a receber este importante reconhecimento administrado pela Universidade de Columbia, em Nova Iorque, que este ano completa 101 anos e é outorgado a pessoas que realizam trabalhos de excelência nas áreas da literatura, composição musical, jornalismo e fotografia.

A edição de 2017 do Maio Fotografia também apresenta a exposição Revista Camera  A fotografia dos séculos XIX e XX, mostra que surgiu a partir da coleção do fotógrafo Allan Porter, editor da cultuada revista suíça Camera, uma das mais importantes publicações do mundo da fotografia.


A fotografia produzida em smartphones ou celulares integra a programação do Maio Fotografia com três exposições que ocuparão o Espaço Expositivo 2º Andar e o Foyer do Auditório LABMIS. Avessos e paradigmas reúne quatro decanos da fotografia brasileira, Penna Prearo, German Lorca, Maureen Bisiliat e Nair Benedito para uma produção de mobgrafias que abraça a inovação.

O coletivo internacional Hikari Creative, formado por premiados fotógrafos internacionais, integra a mostra com suas produções com smartphones com a exposição A arte da observação urbana e o Festival Latino-Americano de Mobgrafias (FLAMOB) apresenta as fotografias premiadas em seis categorias.

Maio Fotografia ainda traz a mostra Passagens da inocência de Giullia Paulinelli, uma das artistas selecionadas pelo programa Nova Fotografia 2017, espaço do MIS dedicado a fotógrafos promissores. Completa a programação uma curadoria especial com acervo do próprio museu, intitulada Caçador e construtor, que tem entre seus destaques obras de Cristiano Mascaro, Arnaldo Pappalardo, Fernando Natalici e Gal Oppido.

A seguir mais informações sobre cada uma das exposições do Maio Fotografia no MIS 2017.



Farida, um Conto Sírio | Mauricio Lima
O Espaço Redondo do Museu é ocupado pela exposição Farida, um Conto Sírio, do fotógrafo Mauricio Lima, que acompanhou por seis meses em 2015 a longa jornada de migração de refugiados do Oriente Médio rumo a Europa. O título da mostra, que conta com curadoria da alemã Elisabeth Biondi, alude ao nome do bebê que nasceu em Karlstad, interior da Suécia, após todas as dificuldades físicas e emocionais que seus pais ─ que representam os mais de cinco milhões de refugiados sírios ─ foram obrigados a enfrentar por mais de 50 dias durante a travessia, ocasionada pela guerra em seu país. Este ensaio sobre os refugiados em busca de asilo na Europa rendeu a Mauricio Lima o Prêmio Pulitzer em 2016, tornando-o o único cidadão brasileiro a receber esse prestigioso reconhecimento.

Desde a invasão norte-americana do Iraque, em 2003, Mauricio Lima vem documentando o êxodo e as consequências de povos afetados por conflitos. Em 2015, ele passou 38 dias entre o norte da Síria e o Iraque, depois visitou as principais fronteiras que os refugiados usam para fugir: Turquia, Grécia, Bulgária, Macedônia, Sérvia, Croácia e Hungria; e os destinos ou rotas: Áustria, Alemanha, Suécia e Noruega. Passou entre uma e duas semanas em cada lugar, no total de seis meses. As fotos de Mauricio iluminam a montanha-russa emocional por que os refugiados passam em sua jornada pelo desconhecido, na esperança de encontrar um lugar para viver com dignidade e respeito.

Enquanto documentava a saga dos refugiados, Mauricio percebeu que devia humanizar o acontecimento catastrófico e quis se aproximar de uma família e fotografar suas provações árduas até o exílio. Ele se conectou com a família Majid, que dormia em uma barraca em uma praça de Belgrado, na Sérvia. Durante 29 dias, o fotógrafo compartilhou da vida deles, os perigos e as dificuldades para ir da Sérvia à Suécia. “Com suas imagens, Mauricio Lima dá a nós, espectadores, a oportunidade de compartilhar visual e intimamente os altos e baixos da viagem da família em busca de asilo”, diz a curadora Elisabeth Biondi.

A exposição, que apresenta 30 imagens, é co-realizada pelo MIS e pela DOC Galeria|Escritório de Fotografia.


Revista Camera  A fotografia dos séculos XIX e XX
Allan Porter resguardou aproximadamente três mil negativos, cromos, e ampliações de diversos fotógrafos que tiveram seus trabalhos publicados durante os 15 anos em que ele esteve à frente do periódico (1966 – 1981), e que mostram o percurso da fotografia desde o século XIX. A mostra Revista Camera – A fotografia dos séculos XIX e XX ocupa o Espaço Expositivo 1º andar e apresenta 219 imagens de importantes nomes da fotografia, como Eugène Atget, Cartier-Bresson, Aleksander Rodchenko, Robert Mapplethorpe, Robert Frank, Sarah Moon e Larry Clark, entre outros. Sobre a revista Camera Criada em 1922, a Camera encerrou suas atividades em 1981 e voltou a ser editada em 2013, em uma versão bilíngue (francês-inglês) com quatro edições anuais. A versão original da revista foi um marco, e assim permaneceu durante os períodos mais importantes da fotografia. Sob a direção de Porter, a revista experimentou um sucesso sem precedentes. A publicação testemunhou a época de ouro do documentário, o advento da cor e os experimentos em abstração e minimalismo e publicou importantes figuras como Josef Koudelka, Ralph Gibson, Duane Michals, Lua de Sarah, Eikoh Hosoe, Bernard Plossu, David Goldblatt e Leslie Krims.

Avessos e paradigmas | Penna Prearo, Maureen Bisiliat, Nair Benedicto e German Lorca
A mostra, com curadoria de Fausto Chermont, traz obras dos veteranos Penna Prearo, Maureen Bisilliat, Nair Benedicto e German Lorca. As séries apresentam o resultado do desafio proposto: utilização de câmeras de captura digital de telefones celulares. A não proposição de temas para os ensaios e a confiança plena do curador com o resultado como alternativa de elaboração autoral, na temporalidade do evento, são parte das provocações a formatos hegemônicos da contemporaneidade, tornando a exposição uma surpresa até mesmo para seus participantes. German Lorca, Maureen Bisilliat, Nair Benedicto e Penna Prearo podem ou não se ater a suas linhas de pesquisa e produção costumeiras. Liberdade de escolha é um dos principais ingredientes da proposição.

A arte da observação urbana | Hikari Creative
Uma seleção de 75 trabalhos dos cinco fotógrafos que compõe o Hikari Creative – coletivo formado por Adriana Zehbrauskas, Ako Salemi, Eric Mencher, Marina Sersale e Q. Sakamaki – compõe a mostra A arte da observação urbana, que traz registros que buscam dar uma dimensão apropriada para a importância das narrativas visuais, com imagens urbanas que atestam o lema do grupo: “nos unimos através da fotografia para afirmar a arte como essencial em nossas vidas”.

Em lugares que vão desde Veneza até Nova York, passando por cidades e vilarejos, como San Miguel Allende, no México, todas as coisas possíveis e imagináveis podem ser vistas até mesmo pelo observador mais casual. Hikari Creative é um coletivo baseado no Instagram, fundado com o objetivo de explorar um estilo de fotografia que mescla as tradições das belas-artes às do fotodocumentário. Hikari significa luz em japonês e é também uma metáfora para esperança.

FLAMOB 2017
O Festival Latino-Americano de Mobgrafias (FLAMOB) 2017 exibe uma mostra com as fotografias produzidas e compartilhadas com smartphones em seis categorias diferentes e nesta edição privilegia as narrativas visuais a partir da questão: Qual a sua história?. Um júri formado por profissionais do Brasil, Canadá, França, Alemanha e Portugal, seleciona, por categoria, os vencedores que são anunciados no dia da abertura da mostra. O FLAMOB  também promove o  encontros, palestras, workshops e leituras de portfólio durante o período do festival.

ACERVO MIS | Caçador e construtor
A mostra Caçador e construtor traz uma seleção de imagens apresentada por jovens fotógrafos que participaram entre 1989 e 1997 do Projeto Fotografia de Autor ‒ encontros quinzenais realizados no MIS que resultavam em exposições e deram origem à coleção Expressão Pessoal do acervo fotográfico do museu ‒, e acabaram se tornando grandes nomes da fotografia brasileira. Arnaldo Pappalardo, Cristiano Mascaro, Gal Oppido e Hilton Ribeiro são alguns nomes presentes nesta exposição, cujo título faz referência aos fotógrafos que ora são viscerais, agarrando a realidade e fazendo um recorte dela como forma de alimentar sua expressividade; ora erigem um mundo de símbolos e significados para seus espectadores desvendarem.

A exposição conta com 38 imagens e está exposta no Foyer do Auditório MIS.

Passagens da inocência | Giullia Paulinelli | Nova Fotografia 2017
Passagens da inocência, de Giullia Paulinelli, é a segunda mostra apresentada pelo programa Nova Fotografia 2017, espaço do MIS dedicado a fotógrafos promissores. Na exposição, a artista apresenta figuras humanas nuas, sem definir símbolos que imponham uma ideia ou pensamento. O observador é confrontado com indícios, nada mais. Com uma nudez que não se liga a questões de pudor ou moralidade. Com um olhar não revelado; indeterminado pelas personagens que dão as costas aos observadores. O conceito da exposição surgiu a partir de um incômodo da fotógrafa com a banalização do corpo, da nudez. “Um assunto ainda muito presente e mal resolvido”, diz a artista. A série é composta por 12 imagens que foram feitas em diversos lugares do Brasil.

Foto Feira Cavalete #6
Nos dias 6 e 7 de maio, o MIS recebe a Foto Feira Cavalete, evento para amantes da fotografia, que reúne fotógrafos, galerias, editoras, selos independentes, artistas visuais e produtores. O objetivo é oferecer todo e qualquer objeto fotográfico: impressões, publicações, fotolivros, fotozines, livros de artistas, caixas de fotografias, fotos soltas e também roupas e serviços como impressão fine art. A Foto Feira Cavalete é organizado pela DOC Galeria | Escritório de Fotografia.

Sobre o Maio Fotografia no MIS
Criado em 2012, o projeto Maio Fotografia no MIS dedica cerca de dois meses por ano à fotografia, com todos os espaços do Museu tomados por exposições, seminários e oficinas. Em suas cinco edições figuraram importantes artistas, nacionais e internacionais, como André Kertész, Andy Warhol, Carlos Eber, Chico Albuquerque Claudio Edinger, Gregory Crewdson, Josef Koudelka, Martin Parr, Valdir Cruz, Vivian Maier e Willy Ronnis.

Serviço

MAIO FOTOGRAFIA NO MIS 2017
 Abertura 12 de abril (quarta-feira), às 18h (entrada gratuita)
 Data 13 de abril a 28 de maio de 2017 
Horário terças a sábados, das 12h às 21h; domingos e feriados, das 11h às 20h 
Local Espaço Redondo, Espaço Expositivo 1º andar, Espaço Expositivo 2º andar, Nicho, Foyer do Auditório MIS e foyer do Auditório LABMIS. 
Ingresso R$ 6,00 (inteira) e R$ 3,00 (meia)
Classificação etária livre

SEMANA DOCFOTO Mesa Refugiados 4 de maio, 19h30 
Mesa 10FOT10MIN 5 de maio, 19h30 
Foto Feira Cavalete 6 e 7 de maio, estacionamento do MIS. Sábado das 11h às 20h, dom das 11h às 19h.
 Local 
 

Museu da Imagem e do Som – MIS
 Avenida Europa, 158, Jardim Europa, São Paulo | (11) 2117 4777 | www.mis-sp.org.br
 Estacionamento conveniado: R$ 18 
Acesso e elevador para cadeirantes. Ar condicionado.

DOC Galeria | contato@docgaleria.com.br

Compartilhas Noticia

Tags

Comentários

Comentários

Escrever Comentário

72827

Subscribe to see what we're thinking

Subscribe to get access to premium content or contact us if you have any questions.

Subscribe Now