Fotografias Contaminadas Pela Fotografia, por Fernanda Magalh?es. foto: Fernanda Magalh?es

19/02/2013 19:52

 Imagens. Pensar livremente a fotografia, como eu a sentia e via. Sempre pensei fotografia como arte, nunca a considerei somente como um registro da realidade.

A máquina Polaroid foi a minha primeira câmera, depois dela tive uma câmeraReflex sem fotômetro. Entender a luz para fotografar, no “olhômetro”, levou-me a  inúmeras investigações e aprendizagens através da prática. As aberturas de diafragma, as velocidades do obturador, as diversas lentes e os resultados como foco, nitidez, forma, cor, composição, sombras, borrões e contrastes, foram desafios compreendidos a partir das experiências e de seus resultados.

Fotografar com uma câmera simples, na qual não havia um recurso para medir a luz, era romper o culto às máquinas fotográficas superpotentes, assim como uma quebra dos paradigmas estabelecidos pela necessidade de precisão. Foi um caminho para chegar a modos inusitados de produção, contando com o acaso. A falta de controle, a flexibilidade e a impossibilidade de repetir uma imagem casual permitiam trabalhos em constante mudança e construção. As experiências davam-se na hora da realização da fotografia ou no laboratório fotográfico, através do uso de solarizações, montagens, cortes, viragens em sépia, em cobre, em ouro e platina, além dos fotolitos, filmes infravermelhos e as reversões, ou depois ainda, sobre a cópia fotográfica com interferências em suas superfícies.

Cresci fazendo e pensando a fotografia. Desta forma sempre a entendi com liberdade em suas construções, sem ter que restringí-la a uma forma de representação do real, como uma simples reprodução técnica, apesar de esta sombra sempre pairar sobre ela.

Quando saí da produção íntima, caseira, para o mundo, as expressões - fotografia e as outras artes - eram divididas. Nunca me enquadrei totalmente no perfil de fotógrafa e nem de pintora, desenhista ou gravadora. O que eu fazia eram experimentações.  Sempre utilizei elementos de linguagem como parte de minhas investigações, como meio de expressão pessoal. Os riscos, borrões, manipulações, pinturas e escritas sobre a fotografia ou sobre o negativo eram pesquisas cotidianas. Também utilizei outros suportes e outras formas de impressão da imagem fotográfica como:Polaroid1, Pinhole2, Cianótipo3, Goma Bicromatada, Calótipo, Marrom Van Dick, Janótipo4, as diversas técnicas de gravura além das reproduções térmicas, como a reprografia e as fotocópias. Transitava entre as expressões. Para as artes plásticas, como a pintura e o desenho, meu trabalho era muito tecnológico, para a fotografia, ele era contaminado. Minhas imagens já eram híbridas, minha busca por uma linguagem própria levou-me a muitos procedimentos associados.

O que mais me interessa na fotografia são as múltiplas possibilidades de criação. Ainda que eu conheça a fundo as técnicas e a linguagem, ainda assim, sempre há o que experimentar, outras possibilidades de construção, outros caminhos a percorrer. Como numa progressão geométrica, quanto mais conheço, mais possibilidades encontro nela, uma curva exponencial. Este sempre foi o ponto de sedução da linguagem fotográfica. Na minha concepção a fotografia não se encerra no acabamento da cópia, pois existem sempre outras alterações as quais podem ser feitas e que permitem a incorporação de outras significações. Abordo a fotografia como a poética central de meus trabalhos, mas estes procedimentos estendem-se, também, às outras expressões, principalmente quando estas se articulam em construções híbridas, permitindo ir além da própria linguagem.

Algumas séries constituem-se de fotografias sem interferências, comoBorder. Outras nascem de recortes, colagens ou pinturas sobre as fotografias, como A Representação da Mulher Gorda Nua na Fotografia. No caso de Fotos em Conserva, as fotografias são transformadas em objetos-cenários e abordam questões como o espaço e a aparência. Tudo depende do sentido dado à obra.  São muitas as possibilidades de construção a partir da imagem fotográfica: pintar, colar, montar, desenhar ou construir sobre-entre-com ela.

Trato as fotografias como imagens múltiplas e livres para que existam em seus percursos fluidos, efêmeros e multiplicadores. Imagens que se constroem e reconstroem indefinidamente. Penso num resultado que pode ir muito além do instante fotografado e pode ocorrer sobre uma mesa onde as imagens em construção passam por várias transformações.

Utilizo,  na fotografia,  referências visuais de áreas diversas, incorpo-rando a ela procedimentos plásticos, como colagens, interferências, anotações, desenhos, pinturas e retoques direto nas cópias ou sobre os negativos, além das manipulações realizadas nos laboratórios fotográficos. Estes procedimentos foram utilizados por diversos artistas que afetaram meus trabalhos. Assim, construí a minha poética, conectada com o que acontecia pelo mundo, pela antena de meu pai e, depois, pelas minhas próprias investigações.

   Quando as expressões fundem-se, passam a ser parte do mesmo trabalho, perdendo, assim, os significados de suas diferenças essenciais de produção. Para mim, tudo é fotografia, fotografia entendida como linguagem expandida, incluindo aí movimentos com o corpo, cinema, desenho e outras expressões. Entendo isto como a forma de pensar e produzir o meu trabalho, como penso e faço arte.

________________

1. Polaroid - fotografia positiva direta.

2. Pinhole - Câmera fotográfica construída artesanalmente com caixas ou latas, onde o diafragma é um buraco de alfinete.

3 ianótipo, Goma Bicromatada, Calótipo, Marrom Van Dick - técnicas de fotografia utilizadas no século XIX. Realiza-se a mistura de químicas com gomas e  emulsiona-se o papel com o material foto-sensível para realizar cópias fotográficas a partir do contato com o negativo. Em geral, estas sensibilizações são realizadas à luz do sol e sua revelação acontece com vários banhos de água. Técnicas de fazer fotografias artesanalmente. Processos históricos.

4. Janótipo: Técnica inventada por um grupo de fotógrafos em 1988 em um curso sobre as técnicas do século XIX, realizado durante o Festival de Inverno da UFMG em São João Del Rey. Consiste na mistura das técnicas goma bicromatada e cianótipo. O nome Janótipo é uma homenagem a um dos fotógrafos do grupo que realizou a mistura e a primeira impressão, Jean Guimarães. Além de Jean, faziam parte deste grupo, Rosângela Rennó, Rochelle Costi, Fernanda Magalhães e outros.

Acesse o site oficial :http://www.fernandamagalhaes.com.br/index.html

Compartilhas Noticia

Tags

Comentários

Comentários

Escrever Comentário

27554

Subscribe to see what we're thinking

Subscribe to get access to premium content or contact us if you have any questions.

Subscribe Now