SiteJornalOlhodeAguia
Not?cias
08/01/2015 10:47
Ataque Paris.Foto:Joel Saget / AFP / Getty Images)
France Presse

08/01/2015 04h53 - Atualizado em 08/01/2015 08h53

Suspeito de ataque em Paris, Chérif Kouachi é um jihadista conhecido

Em 2008, francês foi condenado por integrar rede que auxiliava a Al-Qaeda.
Seu nome também foi citado em plano de fuga de combatente islâmico.

 

Da France Presse

 

O francês Chérif Kouachi, 32 anos, procurado pelo ataque que deixou 12 mortos na revista parisiense "Charlie Hebdo", é um jihadista muito conhecido pelos serviços antiterroristas franceses e foi condenado em 2008 por participar de uma rede de recrutamento de combatentes para o Iraque. Seu irmão Said, 34, também é suspeito de atuar no ataque desta quarta-feira (7).

Imagem obtida pela agência France Presse através de uma fonte policial mostra reprodução do documento de identidade de Said Kouachi, um dos suspeitos do atentado em Paris, deixada no carro usado pelos suspeitos (Foto: AFP)Imagem obtida pela agência France Presse mostra
reprodução do documento de identidade de Said
Kouachi (Foto: AFP)

Nascido em 28 de novembro de 1982 em Paris, francês de nacionalidade e apelidado Abu Isen, Chérif Kouachi integrava a chamada "rede de Buttes-Chaumont", comandada pelo "emir"' Farid Benyettu. Ela era encarregada de enviar jihadistas para combater no braço iraquiano da Al-Qaeda, então liderado por Abu Mussab al Zarkaui.

Detido pouco antes de viajar à Síria, Chérif foi julgado em 2008 e condenado a três anos de prisão, com 18 meses sob liberdade condicional.

Segundo o jornal "Guardian", Chérif trabalhava na época como entregador de pizza e havia dito às autoridades que foi motivado a viajar ao Iraque por imagens de atrocidades cometidas pelas tropas americanas na prisão de Abu Ghraib, em Bagdá.

Seus advogados da época disseram que ele não era um muçulmano ortodoxo, que bebia, fumava e tinha uma namorada antes de se envolver com o grupo. "Antes eu era um delinquente. Mas depois eu me senti ótimo. Não conseguia nem imaginar que um dia poderia morrer", ele teria dito à Corte, segundo o "Guardian".

Dois meses depois de solto, seu nome apareceu em um plano de fuga da prisão do combatente islâmico Smain Ait Ali Belkacem, membro do Grupo Islâmico Armado Argelino (GIA) que foi condenado em 2002 à prisão perpétua pelo atentado que deixou 30 feridos na estação Museu de Orsay de Paris, em outubro de 1995.

Chérif Kouachi era suspeito de ser ligado a outro membro do Islã radical francês, Djamel Beghal, que cumpriu dez anos de prisão por preparar atentados, e com quem teria treinado.

Segundo o "Guardian", Kouachi era órfão de pais de origem argelina do oeste da França e tinha formação técnica em instrutor de educação física.

Identidade dos suspeitos
A carteira de identidade de um dos irmãos foi encontrada em um carro abandonado pelos foragidos no nordeste de Paris.

Na foto divulgada na madrugada desta quinta (8) pela polícia, Chérif Kouachi aparece com cabeça raspada e barbicha rala. Ele pode "estar armado e ser perigoso", segundo as autoridades.

Seu irmão Said nasceu em 7 de setembro de 1980, também em Paris, e tem nacionalidade francesa. Ele aparece na foto policial com cabelo curto castanho e barba.

Chérif Kouachi e Said Kouachi, suspeitos do ataque à revista 'Charlie Hebdo' (Foto: Divulgação)Chérif Kouachi e Said Kouachi, suspeitos do ataque à revista 'Charlie Hebdo' (Foto: Divulgação)

Suposto cúmplice detido
O suposto cúmplice dos dois irmãos, que se apresentou à polícia na noite de quarta-feira no nordeste da França, Mourad Hamyd, de 18 anos, é cunhado de Cherif Kouachi. É suspeito de ter ajudado os atiradores. Uma testemunha informou sobre a presença de um terceiro cúmplice no carro no momento da fuga dos agressores.

Hamyd se apresentou à polícia na cidade de Charleville-Mézières "ao ver que seu nome circulava nas redes sociais", explicou à agência de notícias France Presse uma fonte próxima ao caso.

No entanto, internautas que se apresentaram como companheiros de classe tuitaram anteriormente que Mourad Hamyd estava na aula com eles no momento do ataque. Fonte:http://g1.globo.com/

 

 As autoridades estão procurando os homens armados que invadiram o escritório do jornal satírico Charlie Hebdo semanal em Paris e matou 12 pessoas, incluindo o editor e dois policiais. O papel tinha um histórico de publicar caricaturas consideradas ofensivas aos muçulmanos.Fonte:http://www.bostonglobe.com/

1
As pessoas tentam acender velas para formar a palavra "Charlie" para prestar homenagem às vítimas de um tiroteio por pistoleiros nos escritórios de jornal satírico Charlie Hebdo semanal em Paris, em frente ao Parlamento Europeu em Bruxelas, em janeiro 7. Homens armados invadiram os escritórios de Paris do jornal satírico Charlie Hebdo semanal, conhecido pela satirizando o Islã radical, matando pelo menos 12 pessoas, incluindo dois policiais, no pior ataque de militantes em solo francês nas últimas décadas. (Francois Lenoir / Reuters)

2
As pessoas se reúnem em Toulouse em 07 de janeiro para mostrar a sua solidariedade para com as vítimas do ataque por desconhecidos armados em escritórios do semanário satírico Charlie Hebdo. Pistoleiros fortemente armados massacrou 12 pessoas na quarta-feira depois de estourar para os escritórios de Paris de um semanário satírico que tiveram longas muçulmanos indignados com charges do profeta Maomé. (Eric Cabanis / AFP / Getty Images)

3
Um lápis e uma vela é colocada sobre a calçada portuguesa durante o flash mob para prestar homenagem às vítimas de um tiroteio no jornal satírico francês "Charlie Hebdo" em Paris, do lado de fora da Embaixada da França em Roma, Itália, em 07 de janeiro. Dois homens armados e mascarados com rifles automáticos matou 12 pessoas na sede de Paris jornal francês satírico Charlie Hebdo, o que irritou os muçulmanos há dois anos, com a publicação de caricaturas do profeta Maomé. O governo francês havia levantado o nível de alerta na capital para o mais alto como caçada policial para os homens armados, que fugiram após o tiroteio. (Angelo Carconi / EPA)

4
Pessoas segurar uma vela luz vigília, enquanto milhares se reúnem em silêncio sobre 'Place de la Republique' no centro de Paris horas após o ataque por homens armados e mascarados em sede da Charlie Hebdo "em Paris, França, no dia 7. Jan (Ian Langsdon / EPA)

5
As pessoas têm cartazes de leitura em francês "Sou Charlie" (à esquerda) e "Somos todos Charlie", durante uma reunião na Place de la Republique (Praça da República), em Paris, em 07 de janeiro, na sequência de um ataque por pistoleiros desconhecidos na escritórios do semanário satírico Charlie Hebdo. Liderança muçulmana da França condenou fortemente o tiroteio no semanário satírico Paris, que deixou pelo menos 12 pessoas mortas como um ataque "bárbaro" e um ataque à liberdade de imprensa e democracia. (Joel Saget / AFP / Getty Images)

6
Homens armados fogem os escritórios do jornal satírico francês Charlie Hebdo em Paris, nesta imagem ainda tomado de tiro vídeo amador em 7 de janeiro e obtido pela Reuters. Pistoleiros encapuzados invadiram os escritórios de Paris da revista satírica semanal conhecido por satirizando o Islã radical, matando pelo menos 12 pessoas, incluindo dois policiais, no pior ataque de militantes em solo francês nas últimas décadas. (TV Reuters)

7
Homens armados atirar um policial ferido no chão a queima-roupa, em frente aos escritórios do jornal satírico francês Charlie Hebdo em Paris, nesta imagem ainda tomado de tiro vídeo amador em 7 de janeiro e obtido pela Reuters. Pistoleiros encapuzados invadiram os escritórios de Paris da revista satírica semanal conhecido por satirizando o Islã radical, matando pelo menos 12 pessoas, incluindo dois policiais, no pior ataque de militantes em solo francês nas últimas décadas. (TV Reuters)

8
Pistoleiros armados enfrentam policiais perto das instalações do jornal satírico francês Charlie Hebdo em Paris, durante um ataque aos escritórios do jornal que deixou doze mortos, incluindo dois policiais, de acordo com fontes próximas à investigação. (Anne Gelbard / AFP / Getty Images)

9
Policiais franceses e peritos forenses examinar o carro usado por homens armados que invadiram os escritórios de Paris do jornal satírico Charlie Hebdo, matando 12 pessoas, no dia 7 de janeiro, em Paris. Uma fonte próxima à investigação disse que dois homens "armados com um fuzil Kalashnikov e um lançador de foguetes" invadiram o prédio no centro de Paris e "fogo foi trocada com as forças de segurança". A fonte disse que um homem armado tinha seqüestrado um carro e derrubou um pedestre ao tentar acelerar distância. (Dominique Faget / Getty Images)

10
Impacto de uma bala é visto em uma janela no local após um tiroteio no escritório de Paris do Charlie Hebdo, um jornal satírico, em janeiro 7. Doze pessoas foram mortas e outras ficaram feridas no tiroteio no escritório de Paris da satírico Charlie semanal Hebdo, já alvo de um bombardeio em 2011, após a publicação de caricaturas ridicularizando o profeta Maomé em sua capa, disse o porta-voz da polícia. Cinco dos feridos estavam em estado crítico, disse o porta-voz. Separadamente, o governo disse que estava elevando o nível de segurança nacional da França para o mais alto nível. (Jacky Naegelen / Reuters)

11
Uma pessoa ferida é transportado para uma ambulância após um tiroteio, no jornal satírico francês Charlie Hebdo escritório de, em Paris. Homens mascarados invadiram os escritórios de um jornal satírico francês quarta-feira, matando pelo menos 12 pessoas, antes de fugir, a polícia e uma testemunha disse. O semanário já chamou a condenação dos muçulmanos. (Thibault Camus / Associated Press)

12
Bandeiras francesas e da União Européia voar a meio mastro na embaixada da França em Londres, em janeiro 7. pistoleiros encapuzados invadiram os escritórios de Paris, de uma revista satírica semanal conhecido por satirizando o Islã radical, matando pelo menos 12 pessoas, incluindo dois policiais em o pior ataque de militantes em solo francês nas últimas décadas. (Luke MacGregor / Reuters)

13
Soldados franceses patrulham perto da Torre Eiffel, em Paris, como parte do mais alto nível de plano de segurança "Vigipirate" após um tiroteio no escritório de Paris de Charlie Hebdo em janeiro 7. Homens armados invadiram os escritórios de Paris da revista satírica Charlie Hebdo semanal, renomado para satirizando o Islã radical, matando pelo menos 12 pessoas, incluindo dois policiais, no pior ataque de militantes em solo francês nas últimas décadas. O presidente da França, se dirigiu ao local do ataque e o governo disse que estava elevando o nível de segurança da França ao mais alto nível. (Gonzalo Fuentes / Reuters)

14
As pessoas estão fora do jornal satírico francês Charlie Hebdo escritório de depois de um tiroteio, em Paris, em janeiro 7. Homens mascarados invadiram os escritórios de um jornal satírico francês quarta-feira, matando pelo menos 12 pessoas, antes de fugir, a polícia e uma testemunha disse. O semanário já chamou a condenação dos muçulmanos. (Thibault Camus / Associated Press)

15
Uma mulher prende leitura da página da frente do Charlie Hebdo um "amor mais forte do que o ódio", durante uma reunião em frente à prefeitura de Rennes, oeste da França, em 07 de janeiro, na sequência de um ataque por desconhecidos armados em escritórios do semanário satírico, Charlie Hebdo. Liderança muçulmana da França condenou fortemente o tiroteio no semanário satírico Paris, que deixou pelo menos 12 pessoas mortas como um ataque "bárbaro" e um ataque à liberdade de imprensa e democracia. (Damien Meyer / AFP / Getty Images)

16
Sombras de pessoas segurando canetas no ar em uma reunião em Trafalgar Square, no centro de Londres para mostrar seu respeito para as 12 pessoas mortas em Paris hoje em um ataque terrorista na sede da publicação satírica "Charlie Hebdo". (Leon Neal / AFP / Getty Images)

17
Pessoas segurar velas como eles prestar homenagem às vítimas de um tiroteio por pistoleiros nos escritórios de jornal satírico Charlie Hebdo semanal em Paris, em frente ao Parlamento Europeu em Bruxelas, em janeiro 7. Homens armados invadiram os escritórios de Paris da revista satírica semanal Charlie Hebdo, famosa por satirizando o Islã radical, matando pelo menos 12 pessoas, incluindo dois policiais, no pior ataque de militantes em solo francês nas últimas décadas. (Francios Lenoir / Reuters)

18
Uma mulher chora durante uma vigília para prestar homenagem às vítimas de um tiroteio por homens armados na sede da revista satírica Charlie Hebdo semanal em Paris, em Trafalgar Square, em Londres, em janeiro 7. pistoleiros encapuzados invadiram os escritórios de Paris da revista satírica semanal conhecido por satirizando o Islã e outras religiões, rematando mortos pelo menos 12 pessoas, incluindo dois policiais, no pior ataque de militantes em solo francês em décadas. (Stefan Wermuth / Reuters)

Link:
0 Comentários | Escrever comentário

 

Rua Augusta - Emicida


Joe Satriani - Always with me, always with you


Jeff Beck - A Day in A Life


 

 

 

Thalyta Ribeiro de Oliveira Incrível seus projetos, tanto de fotografia, quanto com a galeria e as produções audiovisuais. Apenas continue!!
Contador de Visitas
Hoje: 3.496
Desde 15/05/2011: 6.306.515
você é a favor do impeachment de Bolsonaro? Vote.
n
sim