SiteJornalOlhodeAguia
Noticias
08/05/2018 11:50
fotografando as comunidades trans brasileiras. por: Sam Davies.Foto:Pep Bonet

 

Documentar uma comunidade importante em um momento crucial da história cultural do Brasil.Fonte:https://i-d.vice.com

Este poderia ser um momento decisivo para as comunidades queer do Brasil. Em um país de renome mundial por suas atitudes sexualmente liberais e festivais fluidos de gênero, um aumento recente no apoio a valores conservadores profundamente religiosos está criando uma divisão nacional.

Uma exposição em Porto Alegre, Queermuseu, foi encerrada recentemente após fortes protestos de pessoas que alegam ter promovido bestialidade e pedofilia. Outra exposição no Museu de Arte de São Paulo foi recebida com manifestações de hordas de cristãos evangélicos, cujo número aumentou de 9% da população para quase 25% nos últimos 25 anos. Os políticos de direita estão ganhando destaque também, com o bispo evangélico Marcelo Crivella eleito prefeito do Rio de Janeiro em 2016, enquanto o presidente de centro-direita Michel Temer permanece no cargo em meio a alegações de corrupção.

 

As comunidades transgênero do Brasil têm uma história rica, que remonta às boates cariocas dos anos 50 e 60, mas também foram alvo de um número alarmante de crimes de ódio. O Brasil é responsável por 40% dos assassinatos de pessoas trans no mundo (de acordo com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento). No ano passado, mais de 170 pessoas transexuais foram assassinadas no Brasil.

Enquanto isso, mais e mais fotógrafos estão voltando suas lentes para a cultura trans brasileira. As pessoas nessas fotos enfrentam tempos difíceis, muitas vezes forçadas a trabalhar como prostitutas para ganhar a vida e vivenciar preconceitos como parte de suas vidas cotidianas. No entanto, em meio à turbulência, os fotógrafos muitas vezes capturaram a vitalidade desafiadora que existe nesses grupos. Falei com as pessoas que mantinham as câmeras sobre o papel delas em preservar uma parte essencial da cultura brasileira.

Imagem cortesia de Pep Bonet. Rio de Janeiro, Brasil. Abril de 2012.

Em 2012, o fotógrafo espanhol Pep Bonet passou alguns dias com diferentes comunidades de transexuais no Rio de Janeiro e arredores para um projeto chamado All Imperfect Things . Um assunto especialmente fotogênico foi Shaw, de 19 anos, na foto acima, que aluga um quarto em uma casa com cerca de 25 outros transexuais na Lapa, um bairro no Rio de Janeiro.

Embora a casa, de propriedade da ativista Luana Muniz, seja uma espécie de refúgio seguro, as meninas que moram lá têm poucas opções a não ser trabalhar como prostitutas, e muitos vêem isso como pagamento por quererem mudar. No Skype, Pep me disse que há pontos positivos a serem tirados da situação das pessoas trans no Brasil, mas que há um longo caminho a percorrer. Ele fala de um futuro em que “eles são levados a sério por causa de suas habilidades de fazer o trabalho e não porque eles parecem diferentes do resto da sociedade”.

 

Quando pergunto a Pep sobre o impacto da direita religiosa, sua resposta é enfática: "Acredito que a Igreja cometeu muitos erros, feriu muitas comunidades". Solicitado detalhes, ele aponta para a pregação contra o uso de preservativos e a condenação de relações sexuais “não-convencionais”.

Imagem cortesia de Jetmir Idrizi. São Paulo, Brasil

O projeto da Jetmir Idrizi, TransBrazil, foi premiado com o 1º lugar na categoria Campanha dos 2016 Sony World Photography Awards. Pergunto-lhe sobre o seu papel no atual clima político e ele me diz que documentar a situação das comunidades LGBT + nunca foi tão importante. Mesmo assim, ele enfatiza a necessidade de retratá-los de maneira positiva. "Foi muito importante para capturar o carnaval e celebrações", diz ele. "Porque esses momentos vitais são uma importante fonte de força."

Dito isto, ele tem medo de glamourizar o estilo de vida. "Eu não queria criar uma imagem de conto de fadas da comunidade LGBT", diz ele. “A expectativa de vida trans é de 35 anos, abaixo da metade da média nacional”. Para isso, suas fotografias têm uma qualidade sedutora, mas contemplativa, como na imagem acima, de Ronalda Bi, maquiadora de São Paulo.

Esse contraste na vida da população trans do Brasil - entre as dificuldades e a vivacidade predominante - também serviu de inspiração para o fotojornalista português Bruno Colaço. Por seu projeto An Ordinary World Cup Day , Bruno buscou capturar o cotidiano de três transexuais na cidade de Campinas, no estado de São Paulo, enquanto o Brasil sediou a Copa do Mundo da FIFA em 2014. “Eu simplesmente queria retratar a simplicidade de suas vida ", ele me diz. "Levar as pessoas a saber o que essas garotas lutaram para chegar aqui e o que enfrentam todos os dias me pareceu um bom ponto de partida."

Imagem cortesia de Bruno Colaço. São Paulo, Brasil 2014

As três meninas em questão, Raíca (foto acima), Lara e Sasha, todas trabalham como prostitutas e disseram que o aumento da segurança durante o torneio teve um impacto negativo em sua renda. No entanto, um claro desafio transparece nos sorrisos e linguagem corporal capturados no trabalho de Bruno. “Era óbvio que agora o dia-a-dia deles era como uma declaração”, ele diz. “Eles estavam vivendo a vida em seus próprios termos agora. Não que tudo estivesse indo bem, mas de certa forma eles estavam no controle, para o bem e para o mal ”.

A positividade desafiadora é o que une grande parte das comunidades mais jovens do Brasil contra o ressurgimento da direita religiosa, muitas vezes em estilo deslumbrante. Isso raramente é melhor demonstrado do que nas festas de Mamba Negra de São Paulo. Criada em 2013 em resposta à opressão das mulheres e da comunidade LGBT + no Brasil, Mamba Negra combina conjuntos de techno com um vestido extravagante de cair o queixo. A seção 'Sobre' da página do Facebook do grupo não oferece mais do que uma definição da cobra mortal após a qual foi denominada: “Serpente venenosa com hábitos nocturnos libidinosos”.

 

Falando com Ivi Maiga Bugrimenko, fotógrafa oficial de Mamba Negra, tenho a impressão de que as festas são tão divertidas quanto politicamente carregadas. Pessoas trans, que têm acesso VIP em todos os eventos da Mamba Negra, aparecem muito nas fotos de Ivi. “Eu acabo tirando muitas fotos trans porque elas sempre parecem muito exuberantes”, diz ela. "E porque eles estão lá, bem na minha frente, curtindo a festa como todo mundo."

Neste mês, o mundialmente famoso Carnaval do Brasil voltou às ruas. Ivi me conta que a comemoração cresceu tanto em tamanho quanto em importância devido à repressão do Estado, já que, como Mamba Negra, as festividades no Carnaval geralmente proporcionam um espaço seguro para a expressão sexual. Não é sem controvérsia, no entanto.

Imagem cortesia de Ivi Maiga Bugrimenko. São Paulo, Brasil

Pergunto a Ivi sobre a tradição de homens freqüentando festas de rua vestidos com roupas femininas. “É algo que os mais jovens e politizados realmente associam a um humor antiquado que está desconectado do avanço da luta pela igualdade de gênero”, diz ela. Para as gerações mais jovens, como a de Ivi, os homens que usam vestidos e saias parecem uma forma pejorativa de satirizar as mulheres e os grupos LGBT +. "Não há nada realmente engraçado em se vestir de mulher, não é?" Ivi acrescenta. "É apenas um reflexo de um estado opressivo e religioso".

O que nos traz de volta para onde começamos, sobre o impacto negativo dos ensinamentos religiosos sobre a população trans no Brasil. "A igreja está sempre tentando dar uma mão para os necessitados", diz Pep Bonet. “Mas o que precisamos no Brasil é uma sociedade em que as pessoas entendam o que são essas pessoas, que são seres humanos com uma orientação diferente ou com um corpo ao qual não pertencem”.

 

Entre a complexa mistura de emoções e temas que percorre todas essas fotografias - adversidade, magnetismo estético e vibração desafiadora, para citar algumas - é o humanismo subjacente que tem o efeito mais duradouro. Talvez isso nunca seja capturado melhor do que na imagem acima, uma fotografia de Aline Becket nos bastidores do Site Club, um espaço gay e trans localizado a 50 quilômetros do centro do Rio. Um triunfo da simplicidade, o assunto da imagem confronta o espectador com uma aparência de vulnerabilidade trivial. É como se, com um único olhar, estivéssemos sendo forçados a nos perguntar por que a sociedade está falhando em suas comunidades trans.

Pep me assegura que a fotografia, por si só, não é a solução, enfatizando a importância do ativismo ao lado da arte. Mas dando pequenos passos em direção à melhoria? "Eu acho que é onde entra o meu trabalho", diz Pep. “É importante porque ajuda as pessoas a se abrirem e entenderem que são seres humanos que também têm vidas, que também têm famílias, também têm sonhos e desejam um bom futuro.”

Link:
0 Comentários | Escrever comentário

 

Motörhead "Heroes" (David Bowie Cover)

Motörhead to release Under Cöver in September 2017 Covers compilation to include new version of David Bowie’s “Heroes”, (above)
Bruce Springsteen, U2, Patti Smith - Because The Night RNR HOF 2009


Renato Teixeira - Tocando em Frente


 

 

 

GERALDO Magela parabens amigo Ivaldo pela sua luta e honestidade e carater valeu amigo
Contador de Visitas
Hoje: 934
Desde 15/05/2011: 4.799.232
Voc? e a favor que o Jardim Bot?nico de Bras?lia - JBB. cobre da popula??o pra tirar foto?
n
sim