SiteJornalOlhodeAguia
Not?cias
08/05/2018 10:20
Uma luz dentro "A Light Inside" de Danielle Villasana: Um livro de fotos que documenta a vida das mulheres trans na América Latina.

 

Uma luz sobre a vida difícil e curta das mulheres trans na América Latina.

Fonte:https://www.kickstarter.com/projects/2066133663/a-light-inside?ref=thanks_share

ESP —Uma luz sobre o difícil e a vida das mulheres trans em América Latina

Em parceria com a FotoEvidence, o A Light Inside será publicado como um livro fotográfico bilíngüe que estará acessível em todo o Peru e chegará a forças policiais, instituições médicas, religiosos e legisladores - setores que são frequentemente cúmplices no abuso contra mulheres trans por causa da institucionalidade. preconceito e falta de compreensão.

Por favor, junte-se a mim e à FotoEvidence para imprimir o A Light Inside e ajudar a criar uma mudança positiva e duradoura para essas mulheres.

ESP— En colaboración con FotoEvidence, "Una luz adentro" será comunicado como um jornal revelador e letreiro, que será acessível em todo o país e em todas as comunidades da polícia, instituições médicas, práticas sociais e legislativas - filho cómplicado no abuso contra as mulheres trans debido nos preconceitos institucionais e na falta de conhecimento sobre o tema.

Por favor, use o aplicativo "Una luz adentro" para criar e imprimir uma mudança duradoura e positiva para estas mulheres.

Quase todas as semanas, Yasuri visita o Cemitério do Baquijano para deixar flores e rezar no túmulo de um santo peruano.  Ela disse que não pode mais suportar a prostituição.  "Isso me deixa doente", disse Yasuri, que sonha em ter uma família e se casar um dia.
Quase todas as semanas, Yasuri visita o Cemitério do Baquijano para deixar flores e rezar no túmulo de um santo peruano. Ela disse que não pode mais suportar a prostituição. "Isso me deixa doente", disse Yasuri, que sonha em ter uma família e se casar um dia.

As violações dos direitos humanos perpetradas contra as mulheres trans em toda a América Latina são o resultado de forças sociais tóxicas. A cultura altamente machista, conservadora e transfóbica da região ostraciza e estigmatiza, o que representa uma séria ameaça à sua saúde, segurança social, perspectivas de emprego e expectativa de vida.

Com 80 por cento, a América Latina lidera o mundo em homicídios de transgêneros e a maioria não vive além dos 35 anos. Sem proteções legais, muitos casos de violência e assassinato não são documentados, deixando esses abusos de direitos humanos invisíveis. O que é visível, no entanto, são as narrativas sensacionalistas de mulheres trans na mídia tradicional que contribuem para uma perspectiva estreita que as estigmatiza ainda mais.

A Light Inside procura contrapor os retratos estereotipados das mulheres trans, concentrando-se em suas vidas diárias com amigos, familiares e parceiros, a fim de mostrar que eles buscam a mesma felicidade, satisfação e amor que todos os outros.

ESP —Las mujeres trans en América Latina são frequentemente afectadas pela sociedade masculina e conservadora que exerce sobre as ellas serias violaciones a sus derechos humanos. Este é um programa altamente transfóbico da relação, a sociedade social e a estigmatização, ocasionando as crises para a saúde mental, a segurança social, as possibilidades de emprego e as esperanças de vida.

Latinoamérica lidera com um 80 por crianças, a tarefa de homicídio de pessoas trans e a maioria das ellas não vive mais de todos os 35 años. Debbie a that las mujeres transgéro en Latinoamérica no gozan de protección legal, muchos cases de violencia y asesinato pasan perecutibidos, dejando indocumentados estos abusos of derechos humanos. O embargo é, as narrativas sensacionalistas sobre as mulheres trans, filho ampliavel visibles en los medios tradicionales, creando una perspectiva social estrecha que as estigmatiza aún más.

“Una luz adentro” busca contrarrestar los estereótipos comúnmente asociados as mujeres trans, enfocándose en su vida cotidiana, reuniones con amigos, familiares y pareja, para as demostrar que ellas buscan la misma felicidad, plenitude y amor que todos os demãos seres humanos, Independiente do género o identidad sexual.

Danuska, à esquerda, e Oriana, à direita, conversam com uma jovem e sua mãe, não fotografadas, na rua, enquanto vivenciam o tempo de folga durante o trabalho.
Danuska, à esquerda, e Oriana, à direita, conversam com uma jovem e sua mãe, não fotografadas, na rua, enquanto vivenciam o tempo de folga durante o trabalho.

Morar no Peru por três anos permitiu-me construir fortes relacionamentos com mulheres como Tamara, que foi a primeira mulher trans que comecei a fotografar em Lima. Tamara havia lutado durante toda a escola primária, onde foi intimidada por seus colegas, levando-a a desistir na quinta série. Aos 16 anos, ela começou a cheirar "terocal", ou cola, para lidar com a depressão. Aos 18 anos, ela começou a trabalhar como prostituta. 

“Eu quero ter um emprego com alguém que conheço, alguém que confie em mim. Porque, de outra forma, eles discriminam você, olham para você de alto a baixo quando você está procurando trabalho ”, ela me disse.

ESP —Vivir en Perú during tres años me permitió establecer relaciones fuertes con mujeres como Tamara, que fue la primera mujer trans que comen de a fotografiar en Lima. A Tamara teve um grande crescimento na escola primaria, onde a intimidação e a recaída de seus companheiros foram levadas para a escola no Quinto Grado. A los 16, Tamara comedia um "terocal", uma forma ineficiente de pegamento que a servia para lidiar com a depresión. A los 18 años, empezó a trabajar como prostituta. 

Quiero tener un trabajo con alguien que conozco, alguien que confié en mí. Porque de contrario, la gente te discrimina, te miran de arriba para abajo cuando estás procurando trabajo, me dijo. 

Tamara conforta sua mãe, Evila, depois de uma discussão.  Embora muitas mulheres trans não tenham apoio da família, Tamara tem um relacionamento muito próximo com a mãe.
Tamara conforta sua mãe, Evila, depois de uma discussão. Embora muitas mulheres trans não tenham apoio da família, Tamara tem um relacionamento muito próximo com a mãe.

As palavras de Tamara soavam como as de outras mulheres trans que procuravam emprego, mas eram sempre rejeitadas. Para a maioria das mulheres trans em Lima, sua única opção é o trabalho sexual, que cria ambientes hostis e exploradores, onde eles correm maior risco de violência e abuso e são menos capazes de proteger sua saúde.

Apesar da atitude calorosa, amigável e positiva de Tamara, muitas vezes ela me disse que não ia viver além dos 30 anos. Como ela poderia, desafiadora, quando a sociedade a tratava como menos que humana? Como uma profecia auto-realizável, a morte de Tamara devido ao HIV e Tuberculose veio menos de um mês após o seu trigésimo aniversário.

ESP - Las palabras de Tamara sonaron as las de otras mujeres trans que haban buscado empleo, pero que siempre fueron rechazadas. Para a maioria das mulheres em Lima, sua única oportunidade é o sexo sexual, que se desenrola em ambientes hostis e explodidores, onde você pode encontrar um violento abuso e abuso, e sua saúde física e mental à deriva.

A pesadelo da Cálculo, amistosa e positiva de Tamara, é uma peça que pode ser usada como uma opção para viver mais de 30 anos. ¿Poderia, em vez de desafogar, acompanhar a sociedade como um ser humano? Você pode desenvolver uma autocumplência, a morte de Tamara pelo VIH e a tuberculose com menos de 30 anos de idade. 

Evila, a mãe de Tamara, chora ao lado do caixão de Tamara.  Tamara morreu de Aids e Tuberculose em 11 de janeiro de 2017 - menos de um mês após o seu trigésimo aniversário.
Evila, a mãe de Tamara, chora ao lado do caixão de Tamara. Tamara morreu de Aids e Tuberculose em 11 de janeiro de 2017 - menos de um mês após o seu trigésimo aniversário.

Embora sua morte tenha me atingido muito, morrer tão jovem é tragicamente comum. Ao longo de anos documentando as dificuldades que as mulheres trans enfrentam, percebi que uma morte prematura é mais comum do que uma longa vida - toda vez que eu visito, outra pessoa já morreu. 

De acordo com um estudo da Universidade Cayetano Heredia, no Peru, a Igreja Católica e os “serenazgos”, ou policiais municipais, são as duas instituições mais homofóbicas do Peru. A Anistia Internacional descobriu que sete dos dez atos de violência contra as mulheres trans são cometidos pela polícia. Além disso, enquanto países como Chile, Argentina, Uruguai e Bolívia aprovaram leis de identidade de gênero, como permitir que pessoas trans mudem de nome e gênero para identidades governamentais, o Peru não possui nenhuma legislação que proteja a identidade das pessoas transgênero acesso à educação, saúde e emprego.

ESP —Aunque é muerte me golpeou muy fuerte, a realidade de miles de mujeres trans morir a temprana edad. Durante os anos que ele documentando os retornos que estão enfrentando as mulheres trans, comprendí que que muerte a temprana edad es mais queún una vida longeva. Cada vez que você visita o grupo de mulheres ao vivo, per person, ha muerto.

Segue um estudo realizado pela Universidade Cayetano Heredia do Peru, a Igreja Católica e os "serenazgos," as políticas municipais, filho dos institutos mais homofóbicos do Peru. La Amnistía Internacional ha encontrado que siete de cada caso casos de violencia contra as mulheres trans filho cometidos pela policia. Además, minhas comunidades como Chile, Argentina, Uruguai e Bolívia ha aprobado leyes de identidad de género, contos que permitem que as pessoas transmutem o seu género e género nas identificações gubernamentais, Perú no tem legislación que proteja a identidade das pessoas trans, lo cual afecta gravemente acc acceso a la educación, la salud y el empleo.

Kiara é tomada por “serenazgos”, ou policiais municipais, nas ruas do centro de Lima, onde ela trabalha.  As mulheres trans são frequentemente presas e abusadas verbal e fisicamente pelos oficiais.
Kiara é tomada por “serenazgos”, ou policiais municipais, nas ruas do centro de Lima, onde ela trabalha. As mulheres trans são frequentemente presas e abusadas verbal e fisicamente pelos oficiais.

Um profundo exame das causas e conseqüências da transfobia está gravemente ausente na mídia peruana. Meu objetivo é usar meu projeto criativo para promover a compreensão e gerar conversas sobre os desafios que as mulheres trans enfrentam e também para educar a sociedade peruana sobre a identidade de gênero.

Preciso da tua ajuda. Por favor, considere apoiar para tornar este livro uma realidade.

A Light Inside irá juntar-se a outros livros da FotoEvidence na intersecção entre arte e advocacia. A intimidade da fotografia neste projeto de longo prazo promete produzir um livro fotográfico impressionante e poderoso para ser usado para fins educacionais. O livro também irá desafiar narrativas sensacionalistas de mulheres trans na América Latina, mostrando os momentos da vida diária.

ESP —Una mirada grave the causes and consecuencias of the transfobia se encuentra gravemente ausente nas media de comunicación peruanos. O objetivo deste projeto criativo é fomentar a compreensão e gerar conversas sobre os desafios que enfrentam as mulheres trans e por consecuencia educar à sociedade peruana sobre a identidade do género. 

Necesito tu ayuda. Por favor, considere apoyar este libro para that sea una realidad. 

“A luz adentro” se unirá a outros espaços de FotoEvidência na intersección de arte y defensa. A intimidad da fotografía em um projeto largo do plazo promete produzir um impresionante y potente libro fotográfico com multa educativos. El libro também desafiou as narrativas sensacionais das mulheres na América Latina mostrando momentos de sua vida íntima e cotidiana.

Alice, no centro à direita, ri com suas amigas em um torneio de vôlei durante uma campanha para aumentar a conscientização sobre o HIV / AIDS.
Alice, no centro à direita, ri com suas amigas em um torneio de vôlei durante uma campanha para aumentar a conscientização sobre o HIV / AIDS.

O livro / El libro

 A Light Inside incluirá aproximadamente 80 fotografias a cores e um texto de Leyla Ariana Huerta Castillo, uma proeminente ativista trans no Peru. Ele medirá 8 x 20 polegadas e será impresso em papel de 170 lb do Ártico e com uma encadernação semi-suave.

O livro é editado por Régina Monfort , que desde que se juntou à equipe FotoEvidence como editora de fotos, trabalhou com fotógrafos premiados em traduzir seus projetos de longo prazo em testemunhos duradouros em forma de livro. O design do livro é de Melike Taşçıoğlu, professora associada do Departamento de Design Gráfico da Faculdade de Belas Artes da Universidade Anadolu da Turquia.

Dedico este livro a Tamara e a todas as mulheres trans que me inspiraram com sua força e verdade. 

ESP - "Una luz adentro" setou mais de 80 fotografias em cores e num texto de Leyla Ariana Huerta Castillo, uma proeminente ativista trans no Peru. Medirá 8 x 20 pulgadas, impreso en papel de volumen Ártico de 170 libras e com um atascamiento semi-suave.

O livro será editado por Régina Monfort , que cumple el rol de edição de fotografía del equipo de FotoEvidence. Régina ha trabajado con fotógrafos galardonados, ayudándolos a convert proyectos de largo plazo en fuertes testimonios con formato de libro. O diseño del libro será diseñado por Melike Taşçıoğlu, profesora del Departamento de diseño gráfico da Faculdade de artes plásticas da Universidade Anadolu de Turquía.

Quiero dedicar este livro a Tamara ya todas las mujeres trans que me han inspirado por sua experiência e por honestidade consigo mismas.

A Light Inside na mídia / "Una luz adentro" nos medios

  • The Washington Post : “A dura realidade das lutas das mulheres trans através da vida até a morte” (2017) 
  •  PDN : “Trabalhando como uma pessoa de fora: Danielle Villasana na captura de retratos de mulheres transexuais” (2017) 
  • Remezcla : “FOTOS: Danielle Villasana capta as lutas e a resiliência das mulheres trans vivendo no Peru” (2016) 
  • PBS Newshour : “Fotógrafo capta momentos íntimos entre um grupo de mulheres trans no Peru” (2015) 

Sobre Danielle Villasana / Acerca de Danielle Villasana

Danielle Villasana é uma fotojornalista independente com sede em Istambul, cujo trabalho documental se concentra em direitos humanos, mulheres, deslocamento e saúde em todo o mundo. 

A Light Inside, seu projeto em andamento de mulheres transexuais na América Latina, ganhou o Inge Morath Award 2015 da Magnum Foundation e foi finalista do FotoEvidence 2018 com o World Press Photo Award. 

Danielle é uma aluna do Eddie Adams Workshop, uma ex-assistente do New York Times Portfolio Review, foi selecionada para o Rosking Emerging Talent 2015-2016 na Getty Images Reportage, contribui para a Redux e é membro da International Women's Media Foundation .

Danielle acredita fortemente em retribuir através da fotografia, educação e comunidade. Em 2014, em colaboração com a Embaixada dos EUA no Peru, fundou a Fotos por el Cambio , um workshop anual de fotografia que visa capacitar comunidades e fotógrafos emergentes. 

Danielle também é membro da Equipe Comunitária do The Everyday Project , onde escreve, edita e produz peças para a Re-Picture e onde recentemente ajudou a criar o programa de orientação The Native and Everyday Projects , que visa nutrir fotógrafos emergentes de regiões subrepresentadas em todo o mundo .

Seu trabalho foi incluído em exposições individuais e coletivas e foi publicado no The New York Times, no Washington Post, na National Geographic, no The World, na PBS News, na ABC News, na News Deeply e na Al Jazeera, entre outros.

Link:
0 Comentários | Escrever comentário

 

Motörhead "Heroes" (David Bowie Cover)

Motörhead to release Under Cöver in September 2017 Covers compilation to include new version of David Bowie’s “Heroes”, (above)
Bruce Springsteen, U2, Patti Smith - Because The Night RNR HOF 2009


Renato Teixeira - Tocando em Frente


 

 

 

GERALDO Magela parabens amigo Ivaldo pela sua luta e honestidade e carater valeu amigo
Contador de Visitas
Hoje: 109
Desde 15/05/2011: 4.949.762
Voc? e a favor que o Jardim Bot?nico de Bras?lia - JBB. cobre da popula??o pra tirar foto?
n
sim