O FUTURO DAS INSTITUIÇÕES CULTURAIS: TECNOLOGIA E COLABORAÇÃO EM REDE

Fonte:https://agenciadenoticias.bndes.gov.br/

14/06/2021 09:28

Os museus brasileiros fazem parte do grupo de instituições responsáveis pela manutenção e preservação do patrimônio cultural e, portanto, da identidade e da memória do país. Diante da transformação digital vivida pelo mundo nas últimas décadas, essas instituições têm a oportunidade de adotar novos modelos de gestão e de interação com a sociedade, que favoreçam sua longevidade e sustentabilidade financeira.

 

O potencial das TIC para as instituições culturais

 

As novas tecnologias de informação e comunicação (TIC) podem ter grande impacto na produção, armazenamento, circulação, fruição e consumo dos conteúdos disponíveis em museus, arquivos, bibliotecas, cinematecas, etc. Com a pandemia de Covid-19, isso ficou ainda mais evidente e a incorporação de soluções tecnológicas tornou-se fundamental para a própria manutenção das atividades e da interação com o público, sem falar na sustentabilidade financeira.

 

Segundo a pesquisa TIC Cultura, realizada em 2018, a maioria das instituições culturais mapeadas ainda utilizava a internet principalmente como meio de divulgação de suas atividades, e não como uma plataforma para acesso a seus acervos. Como exemplo, apenas 10% das instituições ofereciam algum tipo de visita virtual e somente 15% dos museus disponibilizavam catálogos de seus acervos na internet.

 

Sendo assim, estimular a adoção de soluções tecnológicas inovadoras é um dos principais campos em que gestores, financiadores e patrocinadores podem contribuir para o futuro das instituições culturais, seja por meio da estruturação de novos modelos de negócio ou da formulação de políticas públicas direcionadas a isso. Como exemplos dessas soluções, é possível citar a criação de produtos “servicificados” (product as a service), resultantes da utilização de inteligência artificial (IA), machine learning, internet das coisas (IoT) e da integração de repositórios digitais (metadados), ou ainda o uso de  plataformas peer-to-peer ou marketplaces para criação de produtos, financiamento de projetos e solução de problemas.

 

As vantagens do trabalho em rede

 

O trabalho em rede pode incentivar modelos inovadores de relacionamento entre as instituições, seus pesquisadores e a comunidade em geral, além de alterar a relação da sociedade com a oferta/consumo de serviços e produtos ofertados por essas instituições, rompendo com os modelos tradicionais, suas cadeias produtivas e regulamentações. Pode contribuir também para potencializar parcerias entre diferentes setores (tecnológico, cultural, científico etc.), atores (setor público, privado e terceiro setor) e níveis (federal, estadual e municipal).

 

O meio digital ajuda a promover espaços colaborativos, o que possibilitaria às instituições culturais e de memória estabelecer redes integradas com o objetivo de partilhar recursos humanos, financeiros e tecnológicos, além de saberes e capacidades. Na Europa, por exemplo, a biblioteca virtual Europeana abriga cerca de 53 milhões de itens digitalizados provenientes de 3,7 mil instituições memoriais espalhadas pelo continente. Já nos EUA, a Digital Public Library of America (DPLA) é uma rede formada por 2 mil bibliotecas, arquivos e outras instituições norte-americanas, que reúne cerca de 14,5 milhões de itens digitalizados.

 

Algumas estratégias que podem favorecer as práticas colaborativas em instituições culturais são:

  • Engajamento – estratégias de envolvimento coletivo, como crowdsourcing (tipo modelo wiki de catalogação, como Wikipedia), desenvolvimento compartilhado de APIs (aplicattion programming interface), credenciamento voluntário, etc.
  • Economia colaborativa – crowdfunding de produto ou de investimentos.
  • Gamificação ou ludificação – dinâmica de mimetização de mecânicas competitivas e colaborativas promovidas na esfera lúdica em que o engajamento está diretamente associado a retornos crescentes sobre a obtenção de resultados.

 

Um novo modelo de financiamento para o patrimônio histórico

 

Lançado em 2019, o programa Matchfunding BNDES+ foi estruturado como ação de economia colaborativa voltada para alavancar recursos para o financiamento de projetos de patrimônio cultural selecionados de acordo com o interesse da sociedade. O programa foi baseado em um aporte do BNDES equivalente ao dobro do valor captado com doadores individuais por meio de de crowdfunding.

 

Em sua mais recente edição, chamada de BNDES+Lab, o programa teve como foco a seleção de projetos que utilizassem a internet para ampliar a experiência do público com patrimônios materiais e imateriais – saiba mais sobre os projetos apoiados. Dessa forma, a iniciativa vem contribuindo para valorizar o engajamento do público, potencializar o impacto financeiro e incorporar soluções tecnológicas aos projetos de preservação do patrimônio histórico brasileiro apoiados pelo Banco.

 

A adaptação da gestão das instituições culturais, com a incorporação de tecnologias digitais e de modelos de trabalho em rede, é um processo complexo, mas que preza por expandir o acesso e a preservação ao patrimônio artístico e cultural brasileiro. É ainda um caminho para responder as demandas identificadas na sociedade de tornar a visitação mais atrativa, aumentar o investimento em educação e diminuir a distância dos consumidores de cultura.

 

Esse texto é baseado no artigo Cultura, instituições e sustentabilidade: novos horizontes para a gestão de projetos, da autora Fernanda Menezes Balbi, publicado na Revista do BNDES 52.

 

Leia o estudo completo

 

 

Conteúdo relacionado

 

O financiamento coletivo no apoio a causas sociais urgentes

 

Uma estratégia de financiamento inovadora para o patrimônio

 

5 pontos para entender os fundos patrimoniais

 

Patrimônio cultural e turismo como indutores do desenvolvimento

 

Matchfunding: turbinando o financiamento coletivo

Compartilhas Noticia

Tags

Comentários

Comentários

Escrever Comentário

13528

Subscribe to see what we're thinking

Subscribe to get access to premium content or contact us if you have any questions.

Subscribe Now