SiteJornalOlhodeAguia
Not?cias
28/07/2020 09:13
Protestos e coronavírus: risco duplo para fotojornalistas.
porSHERRY RICCHIARDIJul 18, 2020 em REPORTAGEM SOBRE COVID-19.FONTE:https://ijnet.org/

 Desde o início do coronavírus, muita gente da mídia está trabalhando de casa. Fotojornalistas não têm esse luxo. Para fazer seu trabalho, eles devem estar no meio da ação, e mesmo veteranos experientes ficam nervosos com os riscos que isso representa.

O fotógrafo do Los Angeles Times, Marcus Yam, estava fotografando trabalhadores de hospitais que tratavam pacientes com coronavírus em terapia intensiva quando se viu no espelho. No começo, ele pensou que alguém estava olhando de volta para ele.

"Não me reconheci no equipamento de proteção individual e no respirador que cobria toda minha cara", escreveu o bicampeão vencedor do Prêmio Pulitzer no The Los Angeles Times. "Como fotojornalista, vivo navegando o desconhecido. Mas essa pandemia é imprevisível e nebulosa e desafiou meu equilíbrio pessoal.”

No mesmo artigo, o fotógrafo Allen J. Schaben, fez uma nota sombria: "Um erro na nossa rotina pode ser mortal para nós mesmos, nossas famílias e outras pessoas."

Fotojornalistas também correm risco em outra frente. Multidões de manifestantes contra a violência policial após a morte de George Floyd, um negro de 46 anos que estava sob custódia policial em Minneapolis no mês passado, são um terreno fértil para a COVID-19. Além da angústia, os ataques policiais contra fotógrafos durante esses protestos e a agitação civil estão aumentando. Fotógrafos foram feridos por balas de borracha, spray de pimenta e outros irritantes químicos. Um deles, Linda Tirado, perdeu a visão de um olho permanentemente.

Em junho, os chefes de quatro agências fotográficas aderiram ao Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ) em uma carta à Associação Nacional de Governadores, pedindo investigações sobre a brutalidade policial contra jornalistas visuais.

"Estamos particularmente alarmados com os mais de 60 casos relatados envolvendo fotógrafos e jornalistas de vídeo, a maioria nas mãos da polícia", afirmou a carta assinada por líderes da Associated Press, Reuters, Getty Images e Agence France Presse.

Se os fotógrafos precisam trabalhar nas linhas de frente e enfrentar maiores riscos, que estratégias de segurança eles adotam? A IJNet pediu que três veteranos da cobertura do Black Lives Matter (BLM) e COVID-19 compartilhassem suas experiências. Todos eles fizeram uma observação comum: o planejamento é vital.

[Leia mais: Dicas para cobrir os protestos contra a violência policial nos EUA e ao redor do mundo]

 

Em meados de março, o fotógrafo freelance Yunghi Kim passou três dias documentando como o vírus estava mudando a vida no metrô de Nova York, uma artéria importante para milhões de nova-iorquinos.

"Eu trabalhava enquanto a doença estava evoluindo", disse Kim, que cobriu conflitos em todo o mundo, incluindo Somália, Ruanda e Afeganistão. “Eu não fazia ideia de quantas pessoas entrei em contato que poderiam estar infectadas. Quando soube que poderia ser assintomático, pensei: 'Uau, eu poderia ter pegado'.”

As fotos do metrô foram publicadas na Rolling Stone, e o New York Times publicou o ensaio fotográfico de Kim sobre a distribuição de alimentos em bairros devastados pelo vírus.

Kim, residente no Brooklyn, adere a um rigoroso regime de segurança. Quando ela chega em casa depois de fotografar, ela joga suas roupas -- incluindo tênis -- em um saco de lixo e as leva para a lavanderia. Depois de tomar banho, enxuga o equipamento da câmera, as baterias, o iPhone, a senha, a porta e o chão com uma mistura de água sanitária e água. No campo, ela usa máscaras N100 ou N95: o mesmo tipo que os profissionais de saúde usam.

"Aprendi a fazer o que os médicos de emergência fazem", disse Kim. "É daí que recebemos nossas dicas." 

[Leia mais: COVID-19: Um novo território para fotojornalistas]

 

Quando o movimento BLM começou, Kim decidiu documentá-lo. Suas fotos de protesto apareceram no New York Times e no Washington Post

Mas não tem sido fácil. Tarde da noite, Kim estava fotografando confrontos entre a polícia e os manifestantes. A identificação da imprensa e o equipamento da câmera estavam à vista quando um policial atirou spray de pimenta em seus olhos. "Eu estava literalmente cega e paralisada", disse Kim. Uma pessoa que viu o que aconteceu a levou a médicos na rua que tratavam manifestantes feridos.

Segundo Kim, a rede é vital. Ela formou um grupo de mensagens com outros fotógrafos para compartilhar informações. "Nas áreas de conflito, você precisa fazer amizade com as pessoas", disse ela. "Nessas situações, há muita camaradagem."

Kim também usa o Twitter como um scanner de polícia para rastrear o que está acontecendo, monitorando os tuítes de ativistas e manifestantes. “Aprenda a correr riscos calculados. Conheça a situação, preste atenção no que você quer focar e tenha uma noção para onde a história está indo”, disse ela. "Isso ajuda a ter bons instintos, inteligência de rua e coragem". E esteja preparado para o imprevisível, ela acrescentou. 

Em maio, o instinto salvou o cinegrafista Ralf Oberti de um desastre iminente. Ele estava filmando um impasse entre os manifestantes e a polícia em Washington, quando a multidão começou a passar por uma fila de policiais em equipamento anti-motim. Oficiais a cavalo chegaram ao local. "Eu sabia que era hora de sair de lá", disse Oberti, que começou a filmar protestos anos atrás em seu país natal, o Chile. Ele trabalhou em projetos para a National Geographic, Smithsonian e Discovery Channel.

"Quando os manifestantes começam a fugir da polícia, esse é o verdadeiro perigo, especialmente quando você está carregando equipamentos pesados", disse Oberti. “Você tem que ter uma noção da multidão. Fique fora do meio, onde você pode ficar preso. Vá para o lado de fora e procure uma saída. Se possível, não trabalhe sozinho."

Para Kim e Oberti, cobrir as crises e a agitação é rotina, mas quando os apoiadores do BLM saíram às ruas em maio, a mídia local precisou planejar rapidamente. Cara Owsley, diretora de fotografia do Cincinnati Enquirer, buscou óculos de segurança para sua equipe. Ela pediu que eles usassem qualquer equipamento de proteção que tivessem, e alguns fotógrafos usaram capacetes de bicicleta e coletes refletivos para cobrir os protestos.

A equipe fotográfica trabalhou em grupos e se comunicou a cada 30 a 40 minutos. Ela os aconselhou a usar sapatos confortáveis, beber água para evitar a desidratação, levar lanches e pouco peso.

Em 30 de maio, Owsley e algumas pessoas da sua equipe estavam no meio da multidão quando a polícia lançou bolas de pimenta, um produto químico que afeta os olhos e o nariz.

"De todos os protestos que cobri [em Cincinnati] ao longo dos anos, nunca senti medo", disse ela. “Dessa vez, senti que poderia voltar para casa machucada. Foi muito mais intenso com a polícia, e a pandemia de coronavírus tornou a situação ainda mais perigosa.”

Se você ou sua equipe estão saindo para rua, considere fazer um plano de segurança. Alguns recursos para ajudar a desenvolver esses planos estão abaixo:


Sherry Ricchiardi, Ph.D.é co-autora do guia de cobertura de desastres e crises do ICFJ e instrutora de mídia internacional. Ela trabalhou com jornalistas de todo o mundo em reportagem de conflitos, trauma e questões de segurança.

Imagem sob licença CC no Unsplash via Nathan Dumlao

Link:
0 Comentários | Escrever comentário

 

Rua Augusta - Emicida


Joe Satriani - Always with me, always with you


Jeff Beck - A Day in A Life


 

 

 

Thalyta Ribeiro de Oliveira Incrível seus projetos, tanto de fotografia, quanto com a galeria e as produções audiovisuais. Apenas continue!!
Contador de Visitas
Hoje: 325
Desde 15/05/2011: 5.766.276
você é a favor do impeachment de Bolsonaro? Vote.
n
sim