SiteJornalOlhodeAguia
Noticias
15/01/2019 10:00
fotógrafos de guerra Os bastidores da guerra contra o Estado Islâmico revelam cenas posadas, tédio e emocionantes histórias fora da linha de frente.
Gervasio Baptista no vietnã
 
Por Cristina Veit
Em 2 de janeiro, o brasileiro Yan Boechat (no meio, entre os espanhóis Ángel Manuel Sastre e Pablo Cobos) trabalhava em Ganus, a 40 quilômetros de Mosul. O atirador curdo disparava contra posições do Isis logo adiante.

No segundo semestre de 2016, muitos fotógrafos se dirigiram ao norte do Iraque a fim de registrar a luta para libertar Mosul e outras cidades da Planície de Níneve do domínio do Estado Islâmico (Isis, na sigla em inglês). De veteranos em zonas de conflito a jovens freelancers; de fotojornalistas da grande imprensa a fotógrafos fine art com projetos conceituais; passando pelos viciados na adrenalina da linha de frente: esses homens e mulheres são os responsáveis pelas imagens que o mundo todo recebe do conflito. É através do olhar pessoal de cada um deles que podemos nos informar, nos comover, nos indignar. 

[ Assista The State no canal National Geographic. Hoje, 26 de setembro, às 23h20 ]

As experiências desses profissionais são a base do projeto que batizei de “Fotógrafos em Campo – A Batalha por Mosul”. É meu primeiro ensaio, e o considero uma extensão dos meus anos como diretora de arte e editora de fotos da National Geographic, entre 2001 e 2013. Nunca havia sido atraída pela fotografia de guerra. Mas, em outubro de 2016, me encontrei com dois fotógrafos que partiam para o Iraque: Yan Boechat, experiente em conflitos, e Marcio Pimenta, que veria a guerra pela primeira vez. Fiquei intrigada e, meses depois, também embarquei. A presença brasileira lá era crescente: Mauricio Lima, André Liohn, Alice Martins e Felipe Dana são alguns nomes entre os que se dedicam a essa especialidade até recentemente pouco comum, uma vez que “o país está distante das principais regiões conflagradas do mundo e desde a Segunda Guerra não se envolve militarmente em um conflito”, escreveu o jornalista Diogo Schelp no livro Correspondente de Guerra.  

Assim como todos, fizemos nossa base na relativamente segura cidade de Erbil, no território do Curdistão. A 80 quilômetros de Mosul, Erbil é protegida por vários checkpoints. O Exército controla o trânsito pelas rodovias. Na cidade, hotéis são opção para os profissionais de agências e jornais; já os jovens freelancers alugam quartos em casas, montando repúblicas multinacionais. Compartilhar uma casa facilita dividir os custos do deslocamento até Mosul: o aluguel de um carro, mais o valor da diária de um motorista, tradutor e fixer (uma espécie de produtor de campo), varia entre 80 e 300 dólares por pessoa.

O COTIDIANO DA COBERTURA DE GUERRA EM MOSSUL
A fotógrafa e editora de fotos Cristina Veit viajou ao Iraque para documentar a vida de quem se arrisca para contar histórias da guerra.

Minha primeira experiência em campo foi marcante: acompanhei os brasileiros João Castellano e Yan Boechat em uma reportagem sobre o Natal de uma família cristã em um campo de deslocados internos. No dia seguinte, assisti à primeira missa realizada em Qaraqosh, cidade cristã recém-retomada do Estado Islâmico – a igreja fora vandalizada pelos terroristas durante a ocupação. Em Erbil, depois de um dia de trabalho, fotógrafos, fixers e jornalistas costumam confraternizar no Teacher’s Club, um misto de restaurante, bar e bingo frequentado também por moradores do bairro cristão Ankawa.

Ao longo dos dois meses e meio em que passei no Iraque, conheci fotógrafos com trabalhos muito particulares. Juntos, levamos alguns sustos: de morteiros caindo próximos ao carro a drones do Isis sobrevoando a área onde entrevistávamos civis.

Quando eu editava a revista, sempre era indagada sobre que tipo de história um fotógrafo devia contar para se destacar. Sempre recomendei que buscassem um assunto com o qual tivessem intimidade. E foi assim que aconteceu este ensaio para mim: à medida que os correspondentes cruzavam o meu caminho, eu estabelecia uma relação para poder registrá-los.  

Confira a reportagem completa: Na linha de fogo na edição de agosto de 2017 da revista National Geographic Brasil.
Publicada por ContentStuff.

Link:
0 Comentários | Escrever comentário

 

Motörhead "Heroes" (David Bowie Cover)

Motörhead to release Under Cöver in September 2017 Covers compilation to include new version of David Bowie’s “Heroes”, (above)
Bruce Springsteen, U2, Patti Smith - Because The Night RNR HOF 2009


Renato Teixeira - Tocando em Frente


 

 

 

GERALDO Magela parabens amigo Ivaldo pela sua luta e honestidade e carater valeu amigo
Contador de Visitas
Hoje: 337
Desde 15/05/2011: 5.596.282
Voc? e a favor que o Jardim Bot?nico de Bras?lia - JBB. cobre da popula??o pra tirar foto?
n
sim