SiteJornalOlhodeAguia
Noticias
25/11/2018 10:40
Exposição sem plano nem piloto, de luis jungmann girafa.abertura 20 nov 2018 (ter), 19h30 visitação 21 nov 2018 a 6 jan 2019 ter a dom, 9h às 18h30 local museu nacional da república brasília/df entrada franca

 Brasília foi idealizada entre a matemática do planejamento e a mística da utopia. Que cidade é essa — lugar geométrico e compartimentado, traçado para poucos, uma dádiva a eleitos — que nasceu sob a promessa de se tornar terra prometida? E a massa de trabalhadores que veio erguê-la — os candangos, seus habitantes originais, de direito — por que não tomou parte nas escalas residencial, monumental, gregária e bucólica? Essas são perguntas que a própria cidade respondeu com uma expansão incontrolável. Hoje, há várias Brasílias em Brasília, abstratas, surgidas da rigidez do concreto. Em Sem plano nem piloto, exposição concebida para o Museu Nacional da República, o artista plástico Luis Jungmann Girafa, em uma catarse poético-visual, expõe uma Brasília imaginária e existencial, da invenção criativa à realidade vivida.

Também arquiteto, fotógrafo e cineasta, Girafa monta nesta exposição quatro ambientes provocativos:

1) Setor de Pentimentos, palavra essa que tem origem no italiano e significa “arrependimento”, e que, nas artes plásticas, caracteriza um refazer do processo pictórico que o artista coloca em prática para cobrir aquilo que não considera satisfatório;

2) Praça dos sem Poderes, instalação sobre os descontornos do planejamento e da utopia, onde o quadro principal chama-se “Esplanada dos Mistérios”;

3) Eixe-o ou Deixe-o, espécie de câmara escura que metaforiza o projeto do Plano Piloto por meio de fotografias, de desenhos, de uma escultura orgânica e de uma linha gráfica conduzida pelo artista e percorrida por oito estagiários do museu;

4) Entreasas, expressão imagética intuitiva formada por pinturas e desenhos de várias épocas e pontuada por reticências fotográficas atuais.

Tudo isso expõe uma Brasília pensada livremente por um artista que a respira desde a infância, um filho do sonho utópico, e que com ela se desencantou, e se encantou novamente, e tornou a se desencantar, num ciclo infindável; uma Brasília pensada a partir de espaços recategorizados e não definidos, como, quem sabe, o Setor de Palavras de Ordem, o Setor de Direitos Ameaçados, o Setor de Deveres Esquecidos, o Comércio Local de Tumultos, a Área Especial de Incômodos, o Parque de Águas Passadas, o Eixo Desentendido, o Lago do Nada Azul; uma Brasília pensada pela ótica da desconstrução, uma Brasília notadamente sem plano nem piloto.FONTE:http://brasilia.deboa.com

Link:
0 Comentários | Escrever comentário

 

Rua Augusta - Emicida


Joe Satriani - Always with me, always with you


Jeff Beck - A Day in A Life


 

 

 

Thalyta Ribeiro de Oliveira Incrível seus projetos, tanto de fotografia, quanto com a galeria e as produções audiovisuais. Apenas continue!!
Contador de Visitas
Hoje: 666
Desde 15/05/2011: 6.266.838
você é a favor do impeachment de Bolsonaro? Vote.
n
sim