SiteJornalOlhodeAguia
Noticias
10/11/2016 08:32
É HOJE!! LANÇAMENTO DE LIVRO:CÁUSTICO LUNAR. De Malcolm Lowry Traduzido por Maurício Búrigo.Quinta-feira, 10 de novembro de 2016, às 20 horas – Galeria Olho de Águia, CNF 01, Edifício Praia Mar, Loja 12 – Praça da CNF (Taguatinga Norte)

 

LANÇAMENTO DE LIVRO:CÁUSTICO LUNAR (título original: Lunar Caustic) apoio:

 

De Malcolm Lowry

Traduzido por Maurício Búrigo

LGE / Círculo de Brasília Editora

Realizado com apoio do FAC-Fundo das Artes e da Cultura Secretaria

de Cultura De 80 págs. 13x21cm

Ilustrado com xilogravuras de Sylvio Carneiro Monteiro

Preço: R$ 30,00

 

LANÇAMENTO: Quinta-feira, 10 de novembro de 2016, às 20 horas – Galeria Olho

de Águia, CNF 01, Edifício Praia Mar, Loja 12 – Praça da CNF (Taguatinga Norte)

 

RESUMO: O tradutor Maurício Búrigo lança pelo Círculo de Brasília Editora e LGE


o livro Cáustico Lunar, de Malcolm Lowry, um dos maiores escritores do século XX.

A novela, selecionada pelo edital de 2003 do FAC – Fundo das Artes e da Cultura,

apresenta a narrativa semi-biográfica e delirante de um marinheiro e músico de jazz

inglês durante um período de auto-internação no hospital público de Nova Iorque

durante os anos 30 (do séc. XX) para recuperar-se momentaneamente de seu alcoolismo

crônico. A narrativa retrata, em meio ao delírio, o próprio mundo do marujo, que

dialoga com seus colegas de catre e ao mesmo tempo com seus ícones literários mais

importantes, como Herman Melville e Arthur Rimbaud.


O livro traz ainda apresentação sobre a obra e o autor, por Alex Cojorian. Além

disso, o livro é ilustrado com xilogravuras produzidas pelo artista Sylvio Carneiro

Monteiro.

 

O AUTOR:

 

Malcolm Lowry (New Brighton, 1909-Inglaterra, 1957), é um dos maiores

romancistas do século XX, e sua obra principal, o romance Under the Volcano (Sob o

Vulcão), que se passa num vilarejo mexicano durante o dia dos mortos, foi, na década

de 1980, brilhantemente adaptado para o cinema pelo cineasta John Huston. Da

admiração por Melville e da atração por tudo o que diz respeito ao mar, fez-se, ele

mesmo, ao mar: entre a escola secundária e a universidade embarcou para o oriente,

como taifeiro e estivador, numa viagem que durou cerca de seis meses. Dessa

experiência resultou Ultramarine (1932), seu primeiro livro. Terminada a graduação em

literatura inglesa, em Cambridge, andou por todo o mundo, sempre bêbado – daí talvez

ter desistido da vida marítima, porque parece que sofria de enjôos. A própria vida de

Lowry é um romance, cheio de azares e de lances desafortunados. Quase todos os seus

livros tiveram de ser reescritos: os originais se perdiam, se queimavam, se destruíam

nos acidentes mais lastimosos. Passou a maior parte de sua vida de escritor numa

cabana de um usucapiente em Vancouver, no Canadá. Bêbado contumaz, morreu da

ingestão excessiva de barbitúricos, misturados ao álcool – o que leva à hipótese de

suicídio – após uma violenta briga com a esposa.

 

O TRADUTOR: Cáustico Lunar marca a estréia de Maurício Búrigo como tradutor.

Círculo de Brasília Editora


fax (61) 447 2074 CP 4423 CEP 70.919-970 Brasília/DF www.circulodebrasilia.org editora@circulodebrasilia.org

 

O ILUSTRADOR: Sylvio Carneiro Monteiro é gravador e professor.

 

O LIVRO:

 

esta edição apresenta pela primeira vez no

Brasil a tradução da novela Cáustico Lunar, de

Malcolm Lowry.

Malcolm Lowry imaginara uma espécie de

Divina Comédia alcoólica, em que o romance Sob o

Vulcão seria o Inferno, enquanto que Cáustico Lunar

seria o Purgatório, e In Ballast to the White Sea seria o

Paraíso. Mas se Lowry nunca levou a versão definitiva

de Cáustico Lunar ao prelo, In Ballast... nem a isso

chegou, tendo sido o manuscrito devorado pelo fogo.

Do conjunto da obra, restaram Hear Us O Lord from

Heaven Thy Dwelling Place (1949), Dark as the Grave

Wherein my Friend is Laid (1952) e October Ferry to

Gabriola (1953).

 

A edição do texto original (1963), póstuma,

coube a Margerie Lowry, esposa de Lowry e a Earle Birney, vizinho do autor e

professor da University of British Columbia, num trabalho aproximativo do método de

Lowry e de suas junções de infinitas versões de frases, parágrafos e capítulos.

 

Trecho do livro:

 

“O homem que ora dava o nome de Bill Plantagenet, mas que primeiro se

anunciara como o s. s. Lawhill, despertou com a certeza de, pelo menos, estar num

navio. Se não, de onde viriam tais clangores isolados, tais sons de ferro contra ferro? Ele

reconhecia o rangido da água vertendo da escotilha, a marcha pesada de pés no

tombadilho acima, o constante Frère Jacques, Frère Jacques das máquinas. Estava num

navio, que o levava de volta à Inglaterra, a qual nunca deveria ter deixado em primeiro

lugar. Ora tinha consciência do seu corpo torturado, tremebundo, malcheiroso. A luz do

dia desferia tentas de agonia contra suas pálpebras. Abrindo-as, viu três marujos negros

lavando vigorosamente o tombadilho. Fechou os olhos novamente. Impossível,

pensava.”

 

Da introdução de A. Cojorian:

 

“Cáustico Lunar, loucura decantada no fundo

da garrafa. A garrafa, ora mar, ora à mão do que singra, e o homem, um barco ébrio

soçobrando na tempestade. O s. s. Lawhill, ou Bill Plantagenet, ou Malcolm Lowry,

alcança abrigo. Na balbúrdia das tabernas portuárias de Nova Iorque, o sanatório

público é um abrigo. À chegada, a garrafa fica com o porteiro, que a restituirá à saída.”

 

LANÇAMENTO: Quinta-feira, 10 de novembro de 2016, às 20 horas.

Local: Galeria Olho de Águia (CNF 01, Edifício Praiamar, Loja 12 – Taguatinga Norte),
Entrada franca.

Link:
0 Comentários | Escrever comentário

 

Motörhead "Heroes" (David Bowie Cover)

Motörhead to release Under Cöver in September 2017 Covers compilation to include new version of David Bowie’s “Heroes”, (above)
Bruce Springsteen, U2, Patti Smith - Because The Night RNR HOF 2009


Renato Teixeira - Tocando em Frente


 

 

 

GERALDO Magela parabens amigo Ivaldo pela sua luta e honestidade e carater valeu amigo
Contador de Visitas
Hoje: 1.113
Desde 15/05/2011: 5.245.497
Voc? e a favor que o Jardim Bot?nico de Bras?lia - JBB. cobre da popula??o pra tirar foto?
n
sim