SiteJornalOlhodeAguia
Noticias
05/11/2014 08:50
WAGNER HERMUCHE Exp?e 2014 - padr?es contempor?neos - MITOLOGIA DE BACIA DO RIO AMAZONAS em Dessau -Alemanha.

PADRÕES HERMUSCHE CONTEMPORÂNEAS

MITOLOGIA DE BACIA DO RIO AMAZONAS

é uma pequena parte de um projeto muito maior: MITOLOGIA DOS RECURSOS HÍDRICOS global que incidem sobre a mitologia ea cultura de 53 bacias hidrográficas em todo o mundo.

A obra de arte padrões contemporâneos apresenta uma escultura brasileira nativa originais de madeira que representa uma águia dirigida dois colocado no centro da instalação. É um banco de cerimonial, usada em seus rituais xamânicos e é colocado sob uma árvore mock-up representando uma Sumaúma, uma espécie de árvore muito amazônicas. Pendurado sob IT'S ramos - como metáforas de frutas - há dezenas de folhetos de papel, representando uma seleção de mitos que são muito representativas da cultura da região amazônica. O visitante deverá sentar-se no banco cerimonial sob a árvore e pegar os folhetos a fim de ler o conteúdo impresso.

Nos lados extremos da área, temos dois grandes pinturas nas laterais sul e norte.

A pintura do norte descreve uma rapariga. Ela coloca em um tapete decorado com padrões brasileiros natos e virar as costas para uma grande janela através da qual se pode ver o céu a noite atrás de grandes árvores. A menina está segurando um dispositivo eletrônico, visando uma fonte de frio luz- um aparelho de TV - que diverte e pega completamente sua atenção.

A pintura retrata um sul tecido de camuflagem militar ao lado de uma pele de leopardo todo. Padrões simbólicos na cultura hoje em dia rio Amazonas, pertencem um ao outro. Dez outras pinturas de pequeno porte estão espalhados por toda a área, flutuando a uma altura baixa perto do chão. São metáforas simbólicas de milhares de fluxos de rios que correm para o rio Amazonas.

A água é viva, sensível e sagrado, o elemento unificador da Humanidade.

 

 

°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°

O ESPÍRITO DE ÁGUAS

Por Ademir Assunção

Uma rápida olhada em um dicionário mostra: Água - um líquido claro, incolor, inodoro e insípido, H2O, essencial para a vida animal mais ativo.

Devido à sua essencialidade, a água flui profundamente nas veias da imaginação mítica de todos os culturas. Um dos símbolos mais evidentes associados com o cristal líquido límpido é purificação. Além do significado de "banhos purificadores", lagos tranquilos e rios que ruge, existem segredos, mistérios e desejos. Líquido de todos os líquidos, a água é obviamente associada a natureza feminina, como a Sun está associada a Masculine Natureza: os embriões são formados no calor das placenta's líquidos.

Os placenta's ruptura resulta em nascimento. Parece que essa "ruptura" deixa vestígios profundos na inconsciência humana, o reino onde mitos nascem. Mergulho na inconsciência pode dar um insight sobre a experiência de iluminação, assim como one' rendição aos impulsos totais de sedução pode levar à morte. Os mitos representam a mergulhar em

as águas desconhecidas de inconsciência, cheio de medos, desejos, anseios, paixões. A profundidade das águas é misterioso, nebuloso, assustador, mas extremamente sedutor.

A água que acalma a sede também pode se afogar.

Na Amazônia, os nativos fala sobre Serek-á, um ser aquático, principalmente uma mulher transformada por seu marido não amado em uma serpente de acordo com os ensinamentos da Tribo Aruá, como retratado nas pinturas corporais com tinta "Jenipapo". Ou o conto de Siboob e Taakar, dois irmãos que vão para a captura de caranguejos, ouvir a música dos espíritos Goanei das águas e, finalmente, afogar-se, tornando-se entidades que

proteger a comunidade Suruí. Entre os Macurap, o arco-íris é uma serpente que mostra as pessoas como atravessar uma ponte entre reinos a vida ea morte.

Muitos dos seres mitológicos associados à água representam aspectos claramente relacionadas com o sexo. Na Amazônia é comum ouvir sobre o golfinho-de-rosa que seduz as mulheres de banho, provocando a gravidez. Um peixe, que vive em um universo líquido, úmido e misteriosa, está ligada em diversas culturas amazônicas para a representação do pênis e testículos como uma encarnação do poder gerador.

Nos mitos afro-brasileiros, encontramos Oxum, deusa do amor, beleza, fertilidade, mãe de aves e peixes, protetor dos rios e água fresca.Uma narrativa conta que Xangô, Oranian's filho e neto Ogum's, é viril e uma máquina de justiça. Depois de perder a sua riqueza material, com os pés, ele bateu no chão com tal violência que ele cai na Terra, tornando-se um Orixá. Sua esposa, OiáIansa segue-o nesta viagem como fazer duas de suas outras esposas, o doce Oxum e Obá o bravo, transformando-se em rios.

Percebemos todos esses mitos construir uma rede misteriosa de paisagens imaginárias, um espelho que reflete diretamente o inconsciente coletivo. Olhando para um poço de água, Narciso se apaixonou com ele e se afogou.

Limpando esse espelho, revelando o significado mitológico das Águas será uma verdadeira viagem na profundidade de nós mesmos.

AMAZÔNIA BACIA DO RIO

Cerca de 1.000 rios, incluindo 17 grandes rios correm para o rio Amazonas vem de três diferentes regiões: O Ucayali, Marañón, Pastaza, Urubamba, Putamayo vêm com suas águas amarelo branco das montanhas dos Andes. O Negro com suas águas negras, Branco, Mapuera, Trombetas, Paru, Jari vêm com suas águas amareladas do Norte. O Xingu, Tocantins, Araguaia, Tapajós, Madeira, Purús, Juruá e outros vêm com suas águas azuis limpas do Savannah do Sul do Brasil. Somando-se a esses rios, os cientistas acreditam que 100.000 outros pequenos riachos de águas correm para ele.

Contos fazem parte do Amazonas inconsciente coletivo. No cidades, as crianças começam a conhecê-los na escola. Mas no lado do país, em comunidades distantes e vilarejos nas florestas, onde o misticismo é mais forte, contos transformar em mitos. Eles são informados no house's porta da frente, em reuniões à noite como uma questão de entretenimento ou poesia. Mas as pessoas manter uma crença especial sobre eles. Na região amazônica, é parte da cultura humana para alimentar tais crenças. É algo coletadas Popular bocas. Mitos, contos, perigos, boas e más whishes para com os outros, crenças, folclore, tabus, piadas ...

Como o rio Amazonas, é um fluxo viva e eterna no inconsciente coletivo da população.

Conto de CURUPIRA

Curupira é a figura mitológica mais famosa da Região Amazônica. Ele é um menino de cabelos vermelhos hermafrodita, com lotes de cabelo em todo o corpo. Ele é aquele que protege a fauna ea flora. Ele punir severamente os caçadores predadores que matam animais grávidas - por esporte ou matar sem necessidade. Ele pode facilmente se transformar em qualquer animal e não é bom caçador pode atirar nele. Então, ele atrai os caçadores na floresta e torna-los se perdido para sempre nas profundezas da selva e, finalmente, foi devorado pelos animais que eles queriam matar. Ele vai rapidamente desaparecer sem deixar pistas. Ele é conhecido por ressuscitar animais sem a sua vontade.

Sempre que ele vê uma tentativa de assassinato, ele também pode fazer a volta presa em um ser humano e enfrentar o caçador que se apaixona aterrorizou não ser capaz de apontar a presa e, em seguida, fugir em desespero e medo. Hoje em dia, ele é protetor environment's figura emblemática por excelência.

Conto de BOTO

Boto também chamado Uauiara é um golfinho-de-rosa dos rios. Ele é o guardião de todos os peixes. As pessoas dizem que à noite ele vem para a beira do rio e se transformar em um homem jovem e bonito vestindo roupas brancas e vão às aldeias à procura após as senhoras para seduzir e dançar com eles. Ele usa um chapéu branco para esconder um orifício na parte superior de sua cabeça por isso, ele respira. Em sua forma de golfinho, ele protege as mulheres trazendo-os para a margem do rio, sempre que acontece um navio afundando.

As senhoras não são capazes de resistir a ele. Caboclas são usados ​​para dizer que foram seduzidos pelo Boto escutando seus cânticos melodiosos no luar ou durante as festas folclóricas populares perto dos rios. Nativos fêmeas diz que eles foram seduzidos por ele quando iam tomar banho ao longo da margem do rio. Boto é mencionado como sendo o pai de todos os filhos de mães solteiras.

Conto de Boitatá

Boitatá é o protetor dos campos iluminando as noites. Conhecida como Cobra de Fogo, com grandes olhos, ele assusta as pessoas e os animais. Ele luta contra os homens incendiárias destruindo as florestas. Vive no

Waters e é muito assustador para as pessoas, às vezes, é visto como um branco corrida fantasma transparente e iluminando os campos.Sempre que morre sua luz permanece espalhado por toda a região que ele usa para viver.

Conto de SACI-PERERÊ

Saci Pererê é um menino alegre preto que veste um chapéu vermelho e fumando um cachimbo que gosta de correr atrás de animais na sua uma única perna, só para assustá-los. Ele gosta de montar os cavalos, entretanto, ele faz com que nós em seus cabelos. Ele é esperto e rápido e, de repente desaparece rindo e assobiando alto, principalmente em noites escuras, sem luar. Ele é muito conhecido em todo o Brasil e é o mestre de fazer pequenas coisas dão errado: Esconder objetos para que as pessoas não são capazes de encontrá-lo facilmente, deixe comida ficar queimada nas panelas, secar o abastecimento de água da cozinha nas panelas ...

Ele sempre vem em um pequeno tornado como twirl vento batendo portas e janelas e uma maneira de tirá-lo é jogar uma faca de mesa para o rodopio do vento. Ele encarna um humor particular e vibração provocante.

Conto de AÇAÍ

Era uma vez a cidade de Belém ainda não existia, havia uma grande tribo que vive nativa lá. Durante um período de escassez de alimentos era difícil alimentar adequadamente todos os membros tribe's. Em seguida, o principal chefe Itaki decidiu que os bebês recém-nascidos tudo seria sacrificado para evitar o excesso de população. IAÇÃ, sua filha também deu à luz a uma linda garota que impiedoso também teve de ser sacrificada. IAÇÃ foi todos os dias chorando em desespero, chorando e perdendo o bebê. Ela era longos dias fechado em sua tenda pedindo o deus Tupã ao seu pai outra maneira de ajudar sua tribo sem sacrificar as crianças. Uma noite, ela ouviu um choro de bebê e viu sua filha sorridente fora perto de uma palmeira. Primeiro, ela não podia se mover, mas finalmente ela agarra sua filha nos braços, mas eventualmente ela desaparece sem deixar vestígios.

Dia após pessoas acharam dela abraçando a palmeira, sorrindo com seus olhos negros bem abertos olhando o topo cheio de pequenos frutos redondos escuros. O chefe Itaki ordenou para pegar os frutos e fez um forte suco vermelho que deu o nome de AÇAÍ para homenagear sua filha IAÇÃ. Em seguida, ele alimentou o seu povo e ergueu a lei do sacrifício. E este é o conto nativa do AÇAÍ de bom gosto que comer e desfrutar nos dias de hoje.

Conto de GUARANÁ

Em Maués tribo nativa brasileira havia um casal com um único filho bonito, saudável e alegre. Ele era amado por todos os membros da tribo e era esperado para ser um futuro grande chefe guerreiro.

O evento surgiu enviousness de Jurupari, o Deus do Mal, que decidiram matá-lo e se transformando em uma serpente, matar o garoto enquanto ele estava jogando na margem do rio. Seus pais não sabiam sobre o evento e estavam esperando o menino até o pôr do sol. A noite chegou e luar espalhados por toda

over. Toda a tribo reuniu e saiu para cuidar do menino. Estavam todos chorando quando seu corpo sem vida foi encontrado. Em seguida, uma enorme tempestade veio e uma iluminação atingiu o lugar onde o menino estava. Estavam todos muito assustado ea mãe disse que Tupã, o Deus do Trovão estava mostrando sua compaixão e dizendo-lhes para enterrar seus son's olhos naquele ponto, então uma árvore de fruta vai crescer e trazer felicidade a todos. E isso foi feito.

Depois de um tempo uma planta desconhecida estava crescendo. E acabam por ser a árvore que cresce Guaraná frutas que são sementes pretas redondas com uma pele branca e fina em torno dela, deixando uma mancha preta descoberto que se assemelha ao olho humano ..

E este é o conto nativo para o Guaraná, fruto estimulante que desfrutamos suco IT'S.

Conto de Matinta Perera

Assobiando alto e forte nas noites de lua cheia, assustando a todos, esta senhora velha estranha com seu cabelo branco caindo e cobrindo o rosto é um dos contos mais conhecidos da Amazônia. Ela também pode aparecer na forma de um porco, um cavalo, pato, pássaro, galinha só para chegar no Popular nervos. Na manhã seguinte, se algum estranho aparece em janela one' pedindo um cigarro ou uma xícara de café, pode-se ter certeza é Matinta disfarçando em outro ser.

Quando ela está prestes a morrer, sua voz continua dizendo e perguntando: Quem quer ?! Quem quer ?! E se alguém -believing desconhecem é sobre a obtenção de algo de graça, como um joalheiro ou dinheiro, como de fato se torna um novo Matinta nascido.

Conto de Muiraquitã

Muiraquitã é um fetiche ventura real. Assemelha-se a um pequeno sapo feito de pedra, barro ou verde Jade.

Nativos diz o seguinte: Depois de um dia longo fest dedicada a Iaci - entidade acreditada para ser a mãe do Muiraquitã - estas rãs foram feitas pelo Icamiabas, os nativos do sexo feminino que vivem nas margens do rio Amazonas. Depois de ter relações sexuais com seus parceiros guacaris, as senhoras indiano considerável iria tomar banho em um quilo perto do rio Nhamundá para a lua brilhando noites.

Lá, eles iriam nadar e mergulhar para recolher as pedras preciosas do fundo e rapidamente eles esculpir as pequenas rãs e oferecê-los aos seus entes queridos. Estes guerreiros iria usá-los constantemente para trazer sorte em suas excursões de caça. Após dar à luz a Icamiabas elevaria apenas os bebês do sexo feminino.

Ainda hoje em dia, as pessoas têm este pequeno sapo de pedra como um portador de sorte. Muiraquitã também tomar outras formas como: crocodilo, tartaruga, pantera, mas o sapo é o amuleto mais popular.

Conto de UIRAPURU

Um jovem guerreiro nativo caiu no amor com a esposa principal chief's. Como ele não podia se aproximar dela, pediu ao deus Tupã para transformá-lo em um pássaro. Tupã fez isso eo jovem se transformou em um pássaro vermelho acastanhado que cantava todas as noites para a sua amada. No entanto, o chefe notou seu canto e se tornando tão fascinado que iria segui-lo tentando pegá-lo. Uirapuru voou para a floresta eo chefe se perdeu. Durante as noites Uirapuru canta continuamente esperando sua amada vai finalmente perceber ele e sua magia. É por isso que Uirapuru é considerado ser um amuleto para a felicidade e bem-venture no amor e nos negócios.

A Lenda dos rios

A origem dos rios Xingu e Amazonas também fazem parte do imaginário brasileiros natos.

Dizem que no passado era tudo seco. Juruna viveu na floresta e não havia água ou rios. Juriti era a entidade que possuía a água e os manteve em 3 tambores grandes redondos.

Eventualmente, os três filhos de Cinaã estavam com sede e pedir a ave um pouco de água. Juriti Não sofreu dar-lhes água e disse: "Seu pai é um poderoso xaman! Por que ele não lhe dá água? Chorando, eles voltaram para casa e disse à sua mãe o que aconteceu. Então Cinaã avisou que não deve ir lá novamente, porque era muito perigoso e havia peixes grandes nos tambores. Mas, apesar de sido advertido, eles foram lá e quebraram os tambores. Quando as águas voou o pássaro Juriti se transformou em um animal. Os irmãos pulou para fora da cena, mas Rubiatá (um dos irmãos) foi engolido por um grande peixe que estava escondido no tambor e só se podia ver suas pernas saindo da boca fish's.

Os outros dois irmãos começaram a correr e em seu caminho que eles estavam criando os rios e cachoeiras, seguido pelo peixe grande que trazendo as águas finalmente criou o rio Xingu. Eles correram até o rio Amazonas. Lá, os irmãos encontraram Rubiatá mortos. Em seguida, eles cortaram as pernas, tem o seu sangue e estragou tudo. Rubiatá transformado em humanos de novo. Eles explodiram água e que fez o rio Amazonas é tão grande. Depois que eles voltaram para casa e disse a sua mãe que ter quebrado os tambores e agora eles teriam de beber água sempre.

Conto de Mapinguari

Mapinguari é um ser fantástico da selva. Temido por caçadores e caboclos da região profunda Amazônia. É saber para correr e gritar por toda a selva. Se alguém vir cruzar seu caminho, ele eventualmente vai atacar, matar e devorar seu corpo começando com a cabeça. Ele tem cabelo por todo o corpo, um único olho e um poderoso boca na barriga.

Conto da SUN

Para os brasileiros alguns nativos do Sol era um ser humano chamado KUANDÚ, que tinha três filhos. Um viria para cima durante a estação seca. O outro viria na temporada de chuva. O terceiro ajudaria os dois irmãos em suas funções, sempre que precisava de ajuda.

Há muito tempo atrás, um nativo da tribo Juruna era suposto ter comido pai KUANDÚ's. Eventualmente Kuandú estava com raiva e foi para a floresta para colher cocos. Lá ele conheceu Juruna e disse que ele iria morrer. Mas Juruna agiu rápido e conseguiu acertar Kuandú primeiro com um banco de cocos.

Então, tudo se transformou em trevas.

As crianças começaram a morrer de fome porque Juruna não podia trabalhar nas lavouras ou quer ir pescar. Tudo estava na escuridão.

Na sua casa, Kuandú's esposa disse a um dos seus filhos para ir para fora da casa e de repente havia uma luz novamente. Os meninos não podia suportar o calor ea luz e voltou para a casa. A escuridão voltou. E assim, os três rapazes continuou fazendo. Saindo, entrando na casa. Assim, durante a estação seca é o filho mais velho, que está fora da casa. Quando os raios de sol são mais leves é o filho mais novo, que está fora da casa. O terceiro filho só aparece quando ambos estão cansados. E é assim que o conto explica o dia ea noite ea energia do sol durante as estações do ano.

Conto de Vitória-Régia flor

Pessoas diz que em uma tribo desconhecida nas profundezas das florestas viveu a jovem índia Naiá. Ela acreditava que a Lua iria escolher as mais belas senhoras e transformá-los em uma estrela brilhando para sempre no céu à noite. Ela desejou que iria acontecer com ela e todas as noites ia sair de sua casa esperando ela seria notado pela lua. Bu isso nunca aconteceu. Ela não conseguia dormir por mais tempo passar a noite toda andando em torno de um lago tentando pegar Moon's atenção.

Então ela viu a lua espelhamento na superfície lake's e acredita finalmente seu tempo estava lá. Saltar para as águas profundas, ela nunca mais voltou. A Lua, profundamente comovido pelo sacrifício lady's decidiu transformá-la em uma outra estrela, mas não brilhante no céu.

Então, ela virar a senhora em uma flor branca delicada que cresce em um enorme licença verde rodada flutuante em espelhos lagos de água. O Vitória Régia.

Curiosamente estas flores só florescem durante as noites. Com um cheiro muito forte, IT'S pétalas são brancas se transformando em um rosa claro, quando o sol está nascendo.

Conto de Tamba-Taja

Na tribo indígena Macuxi havia um homem forte e inteligente, que se apaixonou por uma mulher bonita de sua tribo. Eventualmente, eles se tornaram um casal e desfrutou de uma vida feliz até que ela ficou doente e handicap. O Macuxi iria realizar e levá-la em todos os lugares que ele iria. Uma diz que ele sentiu um peso mais pesado e descobriu que ela estava morta. Macuxi cometido um grave perto de um riacho de água e enterrou-se ao longo de sua amada, uma vez que ele não tinha razão para viver por mais tempo.

Vários lua cheia foi embora e uma noite uma planta graciosa e desconhecido começou a crescer no mesmo local que eles foram enterrados. Foi o Tamba Taja-o com as suas triângulo em forma de folhas verde-escuras tendo anexado na parte traseira outra pequena licença de que forma se assemelha a vulva sexual feminino. A união de ambas as folhas simbolizam o grande amor entre o casal morto Macuxi.

O caboclo da Amazônia cresce essa planta porque acredita É uma planta mística. Se ela cresce bem e tem o pequeno em IT'S volta ele significa que há muito amor na casa. Mas se não há nenhum sinal das folhas pequenas na parte de trás, não há amor na casa. Mas se houver mais de uma licença pequeno na parte de trás é porque existe infidelidade entre o casal.

Então .. é por isso que as pessoas gostam de ter Tamba-Taja em casa na Amazônia.

 

 http://hermusche.com/page.php?x=604

Link:
0 Comentários | Escrever comentário

 

Motörhead "Heroes" (David Bowie Cover)

Motörhead to release Under Cöver in September 2017 Covers compilation to include new version of David Bowie’s “Heroes”, (above)
Bruce Springsteen, U2, Patti Smith - Because The Night RNR HOF 2009


Renato Teixeira - Tocando em Frente


 

 

 

GERALDO Magela parabens amigo Ivaldo pela sua luta e honestidade e carater valeu amigo
Contador de Visitas
Hoje: 131
Desde 15/05/2011: 5.433.959
Voc? e a favor que o Jardim Bot?nico de Bras?lia - JBB. cobre da popula??o pra tirar foto?
n
sim