SiteJornalOlhodeAguia
Not?cias
15/08/2014 09:49
Chico Sant?Anna candidato a Dep: Distrital pelo Psol: ?Por uma pol?tica p?blica de comunica??o social para o DF? por Rom?rio Schettino.

 Dentro do processo de debates das propostas que levo em minha candidatura pelo Psol à Câmara Legislativa do Distrito Federal,  fui sabatinado, dia 29/7, pelo Blog “Jornal do Romário”, editado pelo jornalista Romário Schettino. 

A reportagem leva o título ‘Chico Sant’Anna: “Por uma política pública de comunicação social para o DF”’

Convido os amigos que leiam a entrevista e que deixem seus comentários e que repassem a seus amigos.

boneco Planalto ao fundoChico é jornalista concursado da TV Senado e ex-presidente do Sindicato dos Jornalistas do DF. Foi candidato a senador na eleição passada e é um militante das causas pela democratização da comunicação. Como candango que é, está ligado nas principais questões de Brasília. Eis o que ele tem a dizer aos eleitores brasilienses:

Chico, para quê ser deputado distrital?

A luta da população pela representação política não pode ter sido em vão. É preciso resgatar a Câmara para os brasilienses. É urgente passar das críticas aos nossos deputados para uma retomada do seu papel central na vida da cidade. É a Câmara, que aprova os planos de ocupação e desenvolvimento urbanos; estabelece as prioridades de gastos por meio do orçamento; investiga os desmandos do governo com comissões de inquérito. Os deputados distritais têm o poder de convocar os governantes a dar explicações dos seus atos. A Câmara Legislativa pode até destituir um governador.

Uma ação firme, comprometida, da Câmara Legislativa, pode reverter o quadro socioeconômico em que se encontra o Distrito Federal. Um mandato sem rabo preso com os interesses dos grupos econômicos pode recolocar a Câmara Legislativa e Brasília no rumo certo. Um Legislativo transparente, comprometido com a ética, com o moderno, interativo, que dialogue permanentemente com os eleitores.

Quais são suas principais preocupações com o DF?

Os compromissos fundamentais da minha candidatura são com a mobilidade urbana, a preservação do meio ambiente, o crescimento sustentável, o apoio à Cultura, enfim, à qualidade de vida dos brasilienses.

Estudos do próprio GDF apontam a saturação em 100% das principais artérias do DF em apenas seis anos. Com 54 anos, Brasília não possui um sistema de transporte público eficiente e confiável. Prevalece o uso individual dos carros. O sistema baseado apenas em ônibus, que o GDF insiste em priorizar, não atende a uma cidade de três milhões de habitantes. O resultado é um tratamento desumano para quem necessita de transporte público e engarrafamentos insuportáveis para os que podem se valer de veículos individuais. É um desserviço a todo o DF.

Mesmo com recursos federais em caixa, o Buriti posterga, sem explicações, a ampliação do metrô, em Ceilândia, Samambaia e rumo à Asa Norte, e a introdução do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT).

Há muito, o Trem Bandeirante da extinta RFFSA deveria ter sido transformado em trem regional – como aconteceu no Ceará, na região do Cariri – para atender aos moradores do Entorno Sul, Santa Maria, Gama, Park Way e Núcleo Bandeirante, reduzindo, assim, o trânsito de veículos particulares.

É preciso dar um basta à especulação imobiliária que lança suas garras sobre o verde do Distrito Federal – seja nas áreas verdes urbanas, seja no meio rural. Nas cidades do DF, parques e áreas verdes públicas correm o risco de virarem lotes. A verticalização das cidades não tem mais limites. Já temos arranha-céus de 30 andares. Por isso, os brasilienses rejeitam a aprovação do Plano de Preservação do Conjunto Urbanístico de Brasília (PPCUB) e da Lei de Uso e Ocupação do Solo – LUOS, da maneira como se encontram.

Creio que devemos lutar para que nosso Legislativo redirecione as políticas públicas para um novo modelo de desenvolvimento econômico ,mais sustentável, menos poluente, menos predador e baseado na produção do conhecimento, na potencialização do verde, no fornecimento de serviços públicos de qualidade, no incremento do turismo e da produção cultural. A juventude de Brasília possui os índices mais altos de formação e qualificação. O modelo econômico deve dar oportunidade a ela.

Mais do que ser a maior realização da inteligência urbanística brasileira em todos os tempos, Brasília e suas cidades são a nossa casa. Por isso, precisamos tratá-las com toda a atenção e todo o cuidado, com base em uma nova abordagem, ambientalmente correta, onde a qualidade de vida esteja no foco central.

Você fala em mobilidade em Brasília, como diminuir o índice de violência no trânsito?

Brasília é reconhecida nacionalmente pela má qualidade de sua mobilidade urbana. Não temos um bom transporte urbano, faltam linhas de metrô, o VLT não foi implantado, apesar de o governo federal ter repassado os recursos necessários.

De outro lado, temos políticas fiscais com redução de IPI e isenção do IPVA para carros zero km que resultam na entrada de 10 mil novos carros nas ruas do DF mensalmente. Isso, sem contar com as motos.

Aqui, o problema começa com o pedestre que não tem passeio público e, quando o tem, ele está detonado, muitas vezes por carros que estacionam onde pessoas deveriam caminhar.

Por mês, morrem dois ciclistas na cidade. No Brasil, a cada ano, morrem mais de 12 mil motociclistas, sendo que o DF responde por cerca de 10% dessas mortes. Cerca de 400 pessoas,vítimas de acidentes de trânsito, morrem na Capital Federal, a cada ano.

Esses números comprovam que dirigimos mal, que a formação de pedestres, ciclistas, motociclistas e motoristas não tem trazido bom resultado. Todos desempenham mal seus papéis. Defendo que nossas escolas possuam a disciplina Formação para o Trânsito e que esta disciplina nas escolas de ensino médio, a exemplo dos Estados Unidos, sirva para formar os futuros motoristas e motociclistas, além de propiciar uma consciência a pedestres e ciclistas. Auto Escola tem que ser na Escola. E podemos financiar esta iniciativa com os recursos obtidos com as multas de trânsito.

Você acha que a Câmara Legislativa deve discutir e aprovar o Conselho de Comunicação Social, conforme está previsto na Lei Orgânica do DF? Você lutaria por isso?

A aprovação do Conselho de Comunicação Social do DF é uma dívida que a CLDF até hoje não pagou. Ele está previsto na Lei Orgânica por meio de emenda apresentada a pedido dos sindicatos dos Jornalistas e dos Radialistas do DF pela então deputada Rose Mary Miranda. Desde então, todos os governadores que passaram pelo Buriti se negaram a encaminhar a criação do Conselho. Em 1994, o então candidato Cristovam Buarque prometeu se eleito fosse, que o regulamentaria o Conselho em 90 dias. Nunca enviou o projeto à Câmara. Pior, em 1998, uma iniciativa do Comitê pela Democratização da Comunicação do DF, que resultou numa proposta apresentada pelo então deputado Miquéias Paz foi retirada da pauta na hora de ser votada, a pedido do GDF. A secretaria de Comunicação, na gestão da jornalista Samanta Salum, chegou a realizar seminários visando à elaboração de um projeto de lei. O projeto foi apresentado mas este também nunca se materializou.

Este é um tema que não interessa nem a governantes, nem a empresários da comunicação, pois traz mais transparência aos gastos com publicidade oficial e interfere na política de comunicação pública no Distrito Federal. Políticas que se referem ao fortalecimento da Rádio Cultura, a criação de um canal público educativo/cultural de TV, dentre outros temas. Por isso, ninguém quer tocar nisso, mas, chegando à CLDF, terei este tema como uma de minhas pautas principais.

Na área da Comunicação Social, que outras propostas envolvem a sua plataforma?

Brasília possui a maior concentração per capita de jornalistas, proporcionalmente à população. A cada semestre, centenas de jornalistas, publicitários, relações públicas, produtores de rádio, cinema e TV se formam nas faculdades da cidade. Isso, sem contar com os que vêm de fora para tentar a vida na Capital.

Mas nossa imprensa é frágil. Temos menos veículos do que em várias outras cidades com menor poder aquisitivo do que no Distrito Federal. A imprensa das cidades do DF, a webimprensa e também as rádios comunitárias não podem ficar sem apoio. Elas são importantes para a democratização da informação e também na geração de emprego e renda.

Aqui falta uma política pública de comunicação, uma política pública editorial que incentive o surgimento não apenas de novos veículos de comunicação, mas que também viabilize o Polo de Cinema, o apoio a vídeo e game makers e a desenvolvedores de aplicativos e softwares.

Além disso, urge a criação de um o sistema público de radiodifusão, com a revitalização da rádio Cultura-DF, reabertura da TV Distrital e a implantação do canal cultural a que o GDF tem direito, por lei, na TV a cabo. Brasília precisa de a liberdade de expressão democratizada, precisa de liberdade de informação.

No Distrito Federal inexiste uma lei fixando piso salarial, como há para médicos e advogados. No setor público não há uma carreira profissional regulamentada e concursos para que profissionais de Comunicação atuem no GDF, na Câmara Legislativa e no Tribunal de Contas do DF. Precisamos criar, a exemplo de outros Estados, as leis que assegurem no serviço público a jornada de trabalho de 5 horas para jornalistas e de 6 horas para radialistas, bem como que nos concursos públicos seja garantida a exigência do diploma de nível superior para o exercício do Jornalismo.

O que ainda pode ser feito para melhorar a imagem da Câmara Legislativa?

A CLDF deve ser menos gastadora, mais produtiva, mais transparente e mais próxima à sociedade de Brasília. A CLDF deve inovar e criar os mecanismos de democraciadireta.Cada vez mais o cidadão busca uma democracia direta e participativa. Ele quer atuar diretamente, como acontece na Califórnia ou na Suíça, na tomada de decisões. Não só com o já conhecido orçamento participativo, mas, principalmente com a cessão do poder de deliberação aos cidadãos. Constrói-se hospital, ou estádio? Implanta-se um sistema de mobilidade, de transporte público, com base em ônibus ou sobre trilhos? Implanta-se UPAs ou retoma-se o Saúde em Casa? Vai ter hotéis na orla do Lago, ou não? O PPCUB, por exemplo, deveria ser submetido a um plebiscito. Eu defendo esta ideia.

As novas tecnologias facilitam esta tomada de decisão popular. O poder público tem que estar atento aos novos anseios, caso contrário será atropelado por eles.As mudanças já estão acontecendo. As manifestações de junho de 2013, o surgimento de mídias ninjas, os novos valores, paradigmas de organização político social, tudo isso já está em curso. A CLDF não pode parar no tempo.

Creio, também, que como instrumento de transparência, ela deve retomar o funcionamento da TV Distrital e criar uma rádio Distrital. A população aprendeu com as TVs e rádios Senado e Câmara a exercer seu papel de fiscal. Exercer a cidadania. Se isso ocorre em relação ao parlamento federal, porque não aqui na Capital Federal?

Eu vou além, se eleito, penso colocar câmeras web em meu gabinete para que o cidadão, via Internet, possa acompanhar tudo o que acontece num gabinete parlamentar. O Big Brother CLDF.  Quem entra? Quem sai? Que temas e assuntos são tratados? Se os assessores são pontuais e assíduos ao trabalho. Assim, haverá mais chances para que se conheça a real dinâmica de um parlamentar e com quem ele interage em seu mandato.

Embora a responsabilidade pela Reforma Política seja do Congresso Nacional, como um deputado distrital poderia se envolver nessa luta? Você acha que a reforma deveria ser feita por uma Constituinte exclusiva?

Uma reforma política e de Estado urge em nosso país. Veja as declarações de gastos dos principais candidatos ao GDF. Uns vão gastar R$ 50 milhões, outros R$ 70 milhões ou mais. Quem banca isso? Empreiteiras? Imobiliárias? Grandes Empresários? Ruralistas? Como dizia o saudoso Plínio de Arruda Sampaio, empresas não possuem cidadania, e sim interesses. Então, estamos diante de uma situação curiosa: comprar voto é crime, mas comprar candidaturas é permitido.

É necessário, como em democracias avançadas, como a francesa, estabelecer um teto de gastos em campanha, criar o financiamento público, estabelecer que os tempos de rádio e TV no horário eleitoral serão iguais a todos partidos e coligações, independentemente de quantos partidos formem essa ou aquela coligação. Só essa medida faria desaparecer dezenas de partidos, que hoje só existem para vender seu tempo de TV.

Temos que implantar o voto revogatório, como existe na Califórnia e na Venezuela. Passado um determinado período do mandato, o político eleito que não correspondeu ao voto recebido, poderia ter seu mandato revogado por meio de um plebiscito. Seria o Procon da Política.

Quando me candidatei ao Senado Federal, em 2010, defendi a redução do mandato de senadores de oito para seis anos e o fim dos suplentes. O atual mandato é muito longo e, defendo a ideia de que na vacância do senador eleito, quem deve assumir seu lugar é o que obteve a segunda maior votação. Assim, acabaria com a dança de cargos, pela qual, o cidadão vota num senador e ele vira ministro, secretário de estado ou outra coisa.

Perfil:

Sou Jornalista e Documentarista. Nasci no Rio de Janeiro, cheguei a Brasília em 1958 e aqui fui criado. Meus pais, Cláudio e Norma Sant’Anna, engenheiro civil e professora de idiomas, foram pioneiros da primeira hora da Nova Capital.

Me formei em Jornalismo e em Produção de Cinema, Rádio, TV e conclui Mestrado em Comunicação, com pesquisa no campo de Imprensa e Integração Latino- americana, na Faculdade de Comunicação da UnB.

Em 2007, fiz Doutorado em Ciências da Informação e Comunicação na Universidade de Rennes 1, na França, onde defendi tese sobre Comunicação Pública – Legislativa. Por este trabalho, recebi o prêmio Le Prix de Thèse du Sénat, conferido, em 2008, pelo parlamento da República da França. A tese virou livro na França e no Brasil e está disponível para compra no site do Senado Federal.

Em Brasília, lecionei Jornalismo nos cursos de graduação do UniCeub, Iesb e UnB. Também nas pós-graduação das universidades Católica de Palmas (TO), Tuiuti (SC) e JK, no Distrito Federal. No campo acadêmico científico, sou autor ou coordenador das seguintes obras:

  • Mídia das Fontes: um novo ator no cenário jornalístico brasileiro. Um olhar sobre a ação midiática do Senado Federal. Edições Técnicas do Senado Federal, 2009.
  • Média de source: un nouvel acteur sur la scène journalistique brésilienne. Éditions du Sénat de la Republique Française, 2008.
  • Mídias das Fontes: o difusor do jornalismo corporativo. Casa das Musas, 2005
  • Mulher e imprensa na América Latina/Mujer y prensa en América Latina. Brasília: Sind. Jornalistas Prof. do DF; Unesco, 2002. (com NARDELLI, E.).
  • Direito autoral: taxas e compensações por reutilização eletrônica. Brasília: Sind. Jornalistas Prof. do DF /FIJ, 2000.
  • Jornalismo de Brasília: Impressões e Vivência. Brasília: Sind. dos Jornalistas do Distrito Federal, 1993.

Como jornalista, já atuei em importantes meios de comunicação do País, tais como o jornal Folha de São Paulo, as TVs Globo e SBT, Bloch Editores (Revista Manchete, Fatos & Fotos, Geográfica Universal), e as rádios Manchete e Capital.

Link:
0 Comentários | Escrever comentário

 

Motörhead "Heroes" (David Bowie Cover)

Motörhead to release Under Cöver in September 2017 Covers compilation to include new version of David Bowie’s “Heroes”, (above)
Bruce Springsteen, U2, Patti Smith - Because The Night RNR HOF 2009


Renato Teixeira - Tocando em Frente


 

 

 

GERALDO Magela parabens amigo Ivaldo pela sua luta e honestidade e carater valeu amigo
Contador de Visitas
Hoje: 53
Desde 15/05/2011: 5.445.246
Voc? e a favor que o Jardim Bot?nico de Bras?lia - JBB. cobre da popula??o pra tirar foto?
n
sim