SiteJornalOlhodeAguia
Not?cias
26/05/2014 18:52
Vik Muniz conta como investiga temas que v?o da alta cultura a Simpsons.foto:Mariele Salgado/Divulga??o.

 Em entrevista exclusiva ao Correio, o paulista defende arte "mais aberta", mas sem vulgarizá-la. Ele faz parte dos 100 artistas vivos que mais venderam no mundo:Fonte:http://www.correiobraziliense.com.br/


Publicação: 25/05/2014 08:00 Atualização: 25/05/2014 14:52

 

 (Fotos: Vik Muniz/Divulgação)  
Porto Alegre — No primeiro dia da exposição, Vik Muniz fica à espreita, observando o público que toma a galeria. Tira fotos, observa as reações, passeia por entre os presentes e passa, quase sempre, despercebido. “Gosto desse contato. Dessa sensação de pertencimento”, segredou o artista paulista, um dos mais consagrados nomes das artes plásticas brasileiras. 

Vik esteve na capital gaúcha, na semana passada, para abrir a exposição O tamanho do mundo, que reúne 70 obras e revisita os 25 anos de carreira do brasileiro, radicado nos Estados Unidos. Trata-se da primeira exposição individual do artista, na região Sul do país. No momento, ele está em Brasília. Veio participar da abertura de Arte para Crianças, que ocupa o CCBB desde ontem e conta com trabalhos de sua autoria. 

Em entrevista ao Correio, Vik relembrou o início da trajetória, falou sobre os preceitos que o carregam e comparou o próprio trabalho aos Simpsons. Filho de pernambucanos e nascido em São Paulo, Vicente José de Oliveira Muniz preferiu desbravar a vocação artística em Nova York, para onde foi nos anos 1980. Desde então, chama a atenção pelo material inusitado que emprega nas obras. 

Fez, entre outros, uma Monalisa de geleia e um Freud de calda de chocolate. O trabalho com detritos ganhou o mundo a partir do documentário Lixo extraordinário, indicado ao Oscar em 2011. Atualmente, figura como o mais rentável brasileiro nas artes plásticas. “Mas não dou a mínima para isso.” 


Ponto a ponto Vik Muniz

Começo
Eu não virei artista. As pessoas, ao meu redor, deixaram de ser. Minha vó nunca foi à escola, mas aprendeu a ler sozinha. E foi ela quem me ensinou. Eu decorava as formas das palavras. Então, aos 7 anos, eu lia livros inteiros, mas não escrevia. Eu era um disléxico autodidata. Por conta dessa leitura por meio de formas, comecei a desenhar muito cedo. Se eu não conseguisse escrever a palavra, eu a “desenhava”.

Retribuição
Eu venho de uma família pobre. Voltar para o Brasil como artista plástico de Nova York... Para eu compatibilizar essas duas coisas, eu preciso enxergar de uma forma maior, de uma maneira real. Precisa ser algo honesto. Então, o único caminho que vislumbro é participando, plenamente, da sociedade. Fisicamente e ativamente. As pessoas me chamam de “ativista”, mas não exerço ativismo político. Quero interagir com cada e todo setor social.

Leia mais notícias em Diversão&Arte

Mensagem
Eu coloco minha cara à tapa por tentar propor uma arte um pouco mais “aberta”. Sofro com isso. Muitos consideram pouco ortodoxa essa tentativa de sair do nicho da arte. A intenção é tentar produzir algo acessível sem vulgarizá-lo. Mais do que uma mensagem, a experiência que proponho busca ser a mais ampla possível. Tenho preocupações sociais, como cidadão. E tento não as traduzi, de forma muito literal, no meu trabalho. Minha interação com o público não é altruísmo ou coisa parecida. Eu me sinto bem em fazer parte de um contexto maior. Foi a única maneira que encontrei de integrar o cenário cultural brasileiro.

Simpsons
Alguma peça ou outra que faço acaba tendo um apelo erudito. Mas, no todo, é como os Simpsons. Outro dia um cara me disse que era impossível fazer uma arte ou arquitetura que agradasse a todos e eu respondi: “Dá sim”. Perguntei a ele: “Você gosta de Simpsons?”. Depois da resposta afirmativa, retruquei: “Minha filha de 7 anos também gosta. Tá aí”.

 



A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.
Link:
0 Comentários | Escrever comentário

 

Motörhead "Heroes" (David Bowie Cover)

Motörhead to release Under Cöver in September 2017 Covers compilation to include new version of David Bowie’s “Heroes”, (above)
Bruce Springsteen, U2, Patti Smith - Because The Night RNR HOF 2009


Renato Teixeira - Tocando em Frente


 

 

 

GERALDO Magela parabens amigo Ivaldo pela sua luta e honestidade e carater valeu amigo
Contador de Visitas
Hoje: 357
Desde 15/05/2011: 5.286.543
Voc? e a favor que o Jardim Bot?nico de Bras?lia - JBB. cobre da popula??o pra tirar foto?
n
sim