SiteJornalOlhodeAguia
Not?cias
24/10/2012 15:49
A sangue-quente Andr? Liohn j? encarou o front sem colete ? prova de balas,Texto: Fernando Costa Netto.Foto:Ivaldo Cavalcante.

 André Liohn escapou do crack e do três-oitão na adolescência e chegou à linha de frente dos conflitos na Líbia e na Síria. Em ação, um dos pioneiros do fotojornalismo mundo-cão:fonte:http://www.select.art.br

Andre_liohn

 André Liohn já encarou o front sem colete à prova de balas (Foto: Fernando Costa Netto). No destaque da home, rebeldes se preparam para invadir a base de soldados da força militar da Líbia, em foto de Liohn.

De Pedro Álvares Cabral a Dilma Rousseff, o Brasil produziu apenas dois fotógrafos especializados em documentar países dominados por ditadores e grupos radicais de direita ou de esquerda. Um deles é Mauricio Lima, que trabalha para o New York Times e, em 2010, foi eleito Wire Photographer of the Year pela Time Magazine, a revista semanal mais importante e de maior circulação no planeta. O outro é André Liohn, repórter fotográfico freelance da CNN, Der Spiegel, Le Monde, Time, Newsweek e da Human Rights Watch, que este ano se transformou no grande personagem do fotojornalismo mundial ao ser agraciado com a maior honraria da fotografia de guerra, a Robert Capa Gold Medal, pelo registro da rebelião armada que depôs o exótico ditador líbio Muammar Kaddafi. 

Lima afirma que, ao ser apresentado ao conterrâneo, sentiu confiança. “Liohn cobria a revolução Líbia já há alguns meses.Não o conhecia e não reparei como ele fotografava, exceto em um momento em que o vi exposto, num local muito arriscado e sem colete à prova de balas ou qualquer proteção”, diz Lima.

Desde a criação desse prêmio, em 1955, André Liohn é o primeiro sul-americano numa lista dominada por norte-americanos e europeus. A medalha que recebeu em Nova York faz parte do enredo de uma vida que começou na periferia de uma cidade no interior de São Paulo, Botucatu, em 1996. Esta é a data e o local do início do segundo round na vida de Liohn. Envolvido com companhias duvidosas na adolescência, convivendo com todos os problemas de uma região dominada pela prostituição, pelo crack e pelo três-oitão, aos 22 anos viu-se obrigado a tomar uma decisão.

O filho mais velho de dona Maria, auxiliar de enfermagem num hospital público, e de seu Zé, porteiro da Faculdade de Medicina de Botucatu (Unesp), ganhou uma passagem de ida e mudou-se para a casa de um amigo suíço que havia conhecido em sua cidade natal. “Fui submetido a todo tipo de dificuldade de um imigrante ilegal”, conta. Da Suíça para a Noruega, depois para a Alemanha e de volta à Noruega, arrumou um bom subemprego num asilo de idosos, juntou algum dinheiro e iniciou um curso de comércio exterior. Casou pela primeira vez e comprou uma câmera digital. Começou a clicar sustentado pelo sentimento de questionamento e insatisfação com a própria realidade. Dez anos se passaram rápido e, em 2005, resolveu tirar férias no inferno africano.

Com um amigo, embarcou para Mogadíscio, capital da Somália. A caminho do Quênia, fotografou os campos de refugiados e, quase sem querer, se inseriu no fotojornalismo. “Percebi a importância do trabalho e de criar uma história, explicar uma situação.” André Liohn nascia naquele momento para a profissão. Uma década depois, fotografava e se desviava dos tiros em Misrata, na Líbia, na tarde em que um bombardeio abreviou as brilhantes carreiras de Tim Hetherington, da Vanity Fair, e Chris Hondros, norte-americano da Getty Images.

Apesar de ter sido duramente criticado por divulgar a morte dos colegas pelo Facebook, os corpos dos dois foram levados de barco de Misrata para a cidade portuária de Bengasi, graças ao esforço do colega brasileiro. “Não tive alternativa, foi a maneira mais rápida de avisar a família e as redações de que eles estavam mortos.”

Pai de Lyah e Anton – em homenagem ao amigo e fotógrafo tcheco Antonin Kratochvil –, Liohn esteve no Brasil em agosto para visitar a família em Botucatu. Na semana que a revista chegar às bancas, ele estará entre a fronteira da Síria e da Turquia. “A Síria está pirando os meus amigos”, diz recebendo pelo celular a mensagem do fotógrafo catalão Ricardo Vilanova: “Você pode sobreviver, se tiver sorte. A armada de Bashar al-Assad está bombardeando com aviões agora.”

* Publicado originalmente na edição impressa #8.fonte:http://www.select.art.br

Link:
0 Comentários | Escrever comentário

 

Motörhead "Heroes" (David Bowie Cover)

Motörhead to release Under Cöver in September 2017 Covers compilation to include new version of David Bowie’s “Heroes”, (above)
Bruce Springsteen, U2, Patti Smith - Because The Night RNR HOF 2009


Renato Teixeira - Tocando em Frente


 

 

 

GERALDO Magela parabens amigo Ivaldo pela sua luta e honestidade e carater valeu amigo
Contador de Visitas
Hoje: 305
Desde 15/05/2011: 5.412.795
Voc? e a favor que o Jardim Bot?nico de Bras?lia - JBB. cobre da popula??o pra tirar foto?
n
sim